24/10/2009

"A SOLIDARIEDADE"


Há pessoas que carregam tanto os outros nas costas que depois de um certo ponto começam a andar devagarinho, sentem-se fatigadas, sem ânimo às vezes para enfrentar o dia. Elas evitam os espelhos, evitando a própria imagem, que já não amam ou mesmo nunca aprenderam a amar.
Segundo Marta Medeiros solidáriedade é generosidade, é corajoso viver pelos outros, proporcionar-lhes felicidade, conforto, reconforto, calor. É nobre e faz parte dos caminhos e das curvas de cada um. Mas como oferecer aos outros uma força que já não possuímos? Como oferecer a alegria se ela nos parece apenas uma máscara que colocamos quando saímos de casa? E a paz, a serenidade, isso nem mesmo podemos fingir, porque nossos olhos nos traem.
Não podemos cuidar dos outros e esquecer-nos de nós.
A felicidade dos outros não está do outro lado da balança, de maneira que à medida que a delas crescem, a nossa diminui.
Por isso nãopodemos aceitar tudo, como mártires, numa atitude heróica onde seremos sempre os perdedores.
Cada um de nós é uma estrela nesse imenso universo. Umas maiores que as outras, fazemos parte da mesma constelação, merecemos o mesmo cuidado e a mesma atenção.
E se uma estrela se perde, é sempre uma luz a mais que se apaga.
Temos que aprender a brilhar.
Não há melhor presente que você possa oferecer aos outros que a paz que você carrega consigo. Não há alegria maior para aqueles que te amam que ver sua felicidade, participar dela. Por isso, cuide-se!!!
Faça por você mesmo aquilo que faria pela pessoa mais querida ao seu coração. Mesmo que você não seja perfeito, por que ninguém o é, você merece consideração, respeito, amor. Você merece sim e a primeira pessoa que deve pensar nisso é você mesmo. Os outros te seguirão, tenha certeza disso!

11 comentários:

A. João Soares disse...

Minha querida Amiga Celle,

Um tema muito interessante, estímulo para profunda meditação e que irá suscitar acesa polémica. Alguém virá atacá-la por a considerar egoísta. Mas vê-se que não o é , é sensata, amante de justo equilíbrio. O preceito bíblico «amai os outros como a vós mesmos» pressupõe que cada um deve começar por se amar si próprio e, depois amar os outros de forma parecida. Sacrificar-se totalmente em benefício dos outros, é um desequilíbrio doentio, masoquista, uma auto-escravidão, de que os outros acabam por não beneficiar. Ninguém dá aquilo que não tem.
A virtude assentará num justo equilíbrio, útil, agradável para os intervenientes.
Interpreto assim a sua intenção ao escrever este texto e penso que estarei dentro do seu entendimento.

Beijos
João

Dulce disse...

Um texto verdadeiro que dá o que pensar, principalmente quando se tem por perto alguma pessoa querida que de tanto se doar acaba por ficar a margem da propria vida.
É preciso equilibrio em tudo que se faz. Não basta socorrer os outros, apenas. É preciso saber socorrer a si mesmo.
Um abraço

Dulce

Fernanda disse...

Querida amiga e maninha Celle,

De si nada me surpreende. Este texto, por exemplo, é a sua imagem real como pessoa, como ser humano lindo que é.

É naturalmente óbvio que todos os bons sentimentos têm que vir de dentro, por isso temos que nos cuidar e amar primeiro a nós propios, depois o resto acontece expontâneamente. Quem não é tem auto-estima, amor próprio não consegue dar nada genuinamente.

Beijos

Maria Letra disse...

Minha cara Celle,
Embora este tema possa, realmente, fazer-nos entrar pela porta da polémica, como referiu o amigo João Soares, eu não quero entrar por esse lado. Prefiro entrar pela minha porta, respeitando a opinião dos outros.
Não querendo, de modo algum, deixar de dar o devido mérito à exposição que fez, eu diria que, "quando corremos por gosto, não deveríamos cansar". Contudo, nem sempre aqueles que estamos prontos a carregar às costas para aliviar a sua caminhada, por qualquer motivo a que possa não estar alheio o seu não reconhecimento e/ou o desrespeito deles por esse mesmo esforço, respeitam o que fazemos por eles e/ou aceitam que o peso deles seja superior ao que permite a nossa capacidade de suportação. Cabe a nós auscultar o porquê do referido não reconhecimento e saber onde e quando parar.
Quando passamos por uma fase semelhante à que refere,
- de não estarmos bem com nós próprios,
- não podermos olharmo-nos ao espelho,
- as nossas costas curvarem-se ao peso de qualquer coisa cuja causa sabemos não residir no peso da experiência ou da idade, então qualquer coisa está muito mal em nós e teremos de fazer uma profunda análise do nosso EU.
Não acredito este mau-estar esteja, apenas, relacionado com o facto de estarmos a carregar o peso de outros. Haverá qualquer coisa que estará mal em nós próprios quando não sabemos parar de carregar pesos que estão a magoar-nos.
Parabéns pelo tema.
Um grande beijinho.
Maria Letra

Celle disse...

Meu caro João!
Obrigada pelo seu comentário. Entendeu meu raciocínio,absorveu o que tentei expressar no texto e essa sua habilidade e domínio das palavras,será meu help...rsrsrs

Celle disse...

Caríssima Dulce
Agradecendo suas palavras
Complemento:
Muitas e muitas pessoas gastam suas vidas numa impressão eterna de passar pela vida sem viver.
Preocupadas em agradar se anulam, adoecem...
Agrada-se aos pais, irmãos, amigos, namorado(a), marido, esposa. Se as pessoas que amamos estão felizes, está tudo bem...
Não é bem assim!
Beijinhos

Celle disse...

oi! Fernanda!
Com tempo suficiente ainda, para fazer comentários
Muito cansada?
Quero lhe agradecer as palavras carinhosas partidas do seu generoso coração! Não sou nada do que diz, é pura amizade!
O dia da votação está chegando, conte conosco!
Beijinhos

Celle disse...

Minha cara Maria Letra
Voltando ao seu comentário, talvez não me tenha feito entender...
Deus nos pede solidariedade, ajuda mútua, não uma vida de renúncias, como se não mais existíssimos, não fôssemos importantes, não tivéssemos também, necessidades que devem ser preenchidas...
O carinho que damos, é o mesmo que precisamos.
A atenção que oferecemos, é a mesma que carecemos.
Amar o outro não é esquecer-se de si, é simplesmente amá-lo. E se esse amor exige de nós a aceitação de coisas que ferem nossa alma, é que algo está errado...
Por isso disse; Cuide-se!
Quem adoece o que tem para oferecer?
Continue Maria, manifestando suas opniões eu lhe agradeço!

A. João Soares disse...

Querida Celle,

Transcrevo esta poesia, que agora recebi por e-mail. É preciso não perder a esperança, mas não deixar de usar a razão.

Beijos
João

ATALHOS
Ceres Marylise

Então serei um ponto no horizonte
e inventarei atalhos para mim,
caminhando devagar pelos caminhos.

Que eu não permita morrer a esperança,
onde se findam todas as fronteiras,
no terminal de todas as distâncias.

Cautelosa, usarei sempre a razão
e estenderei meus braços para ela,
que é fortaleza de fecundos mundos.

Ceres Marylise

Maria Letra disse...

Amiga Celle,
EU ESTOU PERFEITAMENTE DE ACORDO COM A MENSAGEM DO SEU TEXTO. Não me interprete mal, por favor.
A primeira parte do meu comentário faz alusão a uma 'eventual' polémica referida pelo amigo João Soares, com toda a razão, esclarecendo que não queria entrar por esse caminho até porque é bem clara e linda a sua mensagem.
Depois, ao escrever "Não querendo, de modo algum, tirar o mérito ao seu texto", eu já estava a apelar para que não interpretasse o meu comentário como indo contra o que escreveu e, portanto, dei a minha opinião pegando no início, imediatamente, do mesmo, onde escreve "Há pessoas que carregam tanto os outros nas costas que depois de um certo ponto começam a andar devagarinho, sentem-se fatigadas, sem ânimo às vezes para enfrentar o dia."
A minha opinião, foi imediatamente para esta primeira frase e mais nada. Estou de acordo com a sua mensagem, que acho lindíssima, repito. Eu TÃO SOMENTE dissertei sobre o tema.
Admiro o que escreve e agradeço não interprete mal um comentário que até termina agradecendo o tema.
Um beijinho.
Maria Letra

Luis disse...

Querida Celle,
A Solidariedade, para mim, é sabermos dar aos outros aquilo que gostarímos que nos dessem, mas sem sobrecargas extras que nos venham a não permitir fazê-lo! Caso contrário deixaremos de poder dar o apoio que os outros precisam de nós! É um misto de Compromissos entre o que Podemos e Devemos dar!Talvez por isso nem todos o saibam fazer!
Beijinhos solidários.