04/10/2009

Polos Opostos



Seguro a mão que me foge,
Fujo à mão que me procura.
Trato a f 'rida que tu sentes,
Quando a minha não tem cura.
Tu és a fonte que busco,
És a maré que arrefece.
És a lenha que crepita
Em fogo que não aquece.
Eu sou a raiva, o tormento,
Sou a rocha, a solidão.
Sou areia que pisaste
Deixando marcas no chão.
Eu sou a cal que branqueia,
Sou o fumo que se esvai.
Sou uma onda que vem,
Enquanto uma outra vai.

Maria Letra
Foto de album pessoal
Labruge-Vila do Conde

14 comentários:

Mara disse...

Querida Mizita,

Estás em falta comigo. "Roubaste-me a Praia de Labruge"!!! Li o poema e vou dizer-te que já não aguento mais. Acabou-se. Não tens jeito nenhum para poetisa. Não posso ler mais poemas teus. Eles estragam a minha "enorme" qualidade na arte de versejar. Não me chegas nem aos tornozelos. Pronto está dito porque as "verdades têm que se dizer!!!

Tchau

MILAI

Maria Letra disse...

Minha querida amiga Milai,
Fui ali perguntar à minha filha pela letra duma canção que diz: Podes ficar com as jóias,
Com o carro e com a casa
Mas não fiques com ele...
Eu digo:
Podes ficar com o poema,
Com o teu jeitinho de poetisa,
Mas não me fiques com a foto ...
Era o que faltava!
Tantos beijinhos.
Maria Letra

A. João Soares disse...

Alguém me dizia há pouco tempo que neste blogue hã muitas «coisas de mulheres», e agora, com os maus exemplos dos políticos em campanha eleitoral, os maus exemplos estão demasiado visíveis. Não se zangue Milai, pela minha parte dou uma medalha de ouro a cada uma, virtual está claro,mas só a entrego no Natal se, até lá, não houver mais hostilidades!!!
Tão amigas que elas são que até se dão a estes luxos de espectáculo!!!

Beijos para ambas
João

Fernanda disse...

Olá Mizita!

Mais um belo poema, com difícil interpretação, muita contradição, pelo menos para mim que sou tão somente amante de poesia.

Bjs.

Maria Letra disse...

Amigo João Soares,
Ainda o amigo não viu nada! Tem sido assim ao longo dos anos, com a Milai, há bem uns trinta e tal anos. Mas, acredite ou não, NUNCA, mas mesmo NUNCA, tivemos a mais pequena questão uma com a outra. Somos mesmo muito amigas.
Dos políticos não quero exemplos e peço desculpa se a brincadeira não caíu bem. Pela nossa parte, só brincámos.
Um abraço e uma boa semana.
Maria Letra

Maria Letra disse...

Bom dia, Ná.
Quando é que alguém, ao fazer uma introspecção, não se deu conta duma série de contradições de sentimentos? Assim aconteceu comigo no dia em que escrevi este pequenino poema.
Os poetas descrevem essas contradições, por vezes, nos seus poemas e eu - que não sou poetisa, mas sim uma simplicíssima amadora - faço o mesmo. Será por isso que dizem que o poeta é estranho. Como não o sou, consigo escapar a essa afirmação.
O que o meu poema descreve FOI real.
Um óptimo fim-de-semana.
Maria Letra

Maria Letra disse...

Peço desculpa à Milai, ao João Soares e à Ná, porque me esqueci de agradecer os seus comentários.
Obrigada, portanto.
Beijinhos.
Maria Letra

Sonia Schmorantz disse...

"Sou a rocha, a solidão.
Sou areia que pisaste
Deixando marcas no chão.
Eu sou a cal que branqueia,
Sou o fumo que se esvai.
Sou uma onda que vem,
Enquanto uma outra vai.!

Lindissimas palavras...
beijo, ótima semana

Maria Letra disse...

Olá Sonia! Bom dia!
Obrigada pelo seu comentário. Trata-se de palavras demasiado simples que encerram, todavia, sentimentos muito profundos.
Beijinhos e uma boa semana.
Maria Letra

A. João Soares disse...

Querida Mizita,
Obrigado pelo seu esclarecimento. Já me tinha apercebido da empatia que as enlaça. Por isso brinquei, assente na amizade que me une às duas e com o cuidado de colocar os tradicionais pontos de exclamação.
Repare que terminei com «Tão amigas que elas são que até se dão a estes luxos de espectáculo!!!»

Beijos.
João

Maria Letra disse...

Amigo João Soares,
Nem precisava de ter comentado. Tenho a certeza de tratar-se duma pessoa de grande correcção, cujo segundo sentido posto nas suas palavras será sempre interpretado por mim tendo isso em conta. Nunca se preocupe.
Um beijinho.
Maria Letra

Ana Martins disse...

Mizita,
esta é sim mais uma das suas belas obras na arte de escrever.

Labruge, conheço muito bem e traz-me boas recordações!

Beijinhos,
Ana Martins

Ana Martins disse...

Mizita,
à uns tempos atrás perguntei-lhe num comentário que não era um texto seu, como podia ir ao seu blogue, porque quando clico no seu nome, o único blogue que aparece é o Sempre jovens.

Provavelmente não viu o meu pedido, deixo-o de novo aqui.

Beijinhos,
Ana Martins

Maria Letra disse...

Olá Ana!
Peço-lhe imensa desculpa mas não tinha visto este comentário. Vi-o agora, quando cancelava os e:mails dos posts editados no blog.
A Ana poderá ver o que escrevo em
http://caminhosdecristal.wordpress.com, para poesia
e
http://marialetratome.wordpress.com
("Letras sem Tretas") para outros textos. Qualquer um dos dois está a ser organizado porque, inicialmente, tinha a poesia no 2º e, agora, estou a passá-la para o 1.º.
Obrigada e um beijinho.
Maria Letra