16/10/2009

Corpo de mulher


O Outono é como mulher.
Espiga madura
Cacho de uvas de desejo,
Noite de luar, nostalgia
Cor de pastel, sabor a mel.
Castanhas quentes, bolo na pedra
Vontades e desejos à mistura
Combinação magistral
Sensual.
Corpo meio despido
Como plátanos junto ao rio.
Cama fofa de vontades
Memórias de outros tempos
Tempo do trigo na eira
Lampejos de amor
Compotas de amora.
Época doce em tempo farto
Reserva de água pura
Manta de retalhos colorida
Vento quente, atrevido
Mar aberto, onda larga
Praia deserta, areia quente
Urze em flor, licor ardente

O Outono é como uma mulher!

Poema de Maria José Areal do seu livro Sabor a sal e a Mel

Fernanda Ferreira

6 comentários:

Celle disse...

Querida Ná, ja fui tudo isso?
Que lindo!!hahahahahaha

Luis disse...

Amiga NÁ,
Poema bem escolhido com imagens muito sugestivas e verdadeiras, pois a mulher é tudo isso! Adorei pela beleza dessas imagens tão bem encadeadas e dizendo tudo de uma forma tão sublime! Sou mesmo um romantico desligado deste mundo tão materialista...
Um beijinho amigo.

Fernanda disse...

Querida amiga Celle,

Como assim já foi???
Agora que chegou aí a Primavera, é depois desta revigorante viagem, a Celle só pode estar a brincar...

Beijos

Fernanda disse...

Querido amigo Luís,

Ainda bem que assim é...continue sendo, a vida é mais bela para pessoas assim.

Beijinhos

Pedro Ferreira disse...

Mãe,

Mais um lindo poema da Zezinha Areal.
Parabéns pela tua escolha e beijinho para ela.

Para ti, muitos e saudosos.
Pedro Ferreira

Fernanda disse...

Olá filho,

Fico muito feliz que tenhas gostado da minha escolha.

Perco muito tempo a decidir-me qual devo publicar, são todos belíssimos.

Amanhã de manhã estarei com ela numa aula, dar-lhe-ei o teu beijinho.

Beijos e abraços para ti e para as tuas meninas, com muito amor,
Mãe