01/07/2009

Arte moderna – conceitos...

Muito recentemente fui alertada pelos cerveirenseseamigos para uma imagem que eu própria ainda não tinha reparado, apesar de estar situada num local proeminente, mesmo no Centro de Vila Nova de Cerveira, praticamente frente à Câmara Municipal.

Nasceu de repente, como tudo o que é mau, e lá está contra a vontade unânime da população e aqui expressa, vejam o aspecto do novo Arquivo Municipal arquivo-municipal e alguns comentários presentes nesta página.

Gostaria de salientar que, Cerveira, a Vila D’Artes, como é conhecida, tem já alguns edifícios de gosto duvidoso, que contariam e em muito, tudo o que nos é exigido enquanto cidadãos quando pretendemos alterar ou construir algo. Se a Vila tem ainda muito do seu encanto é graças ao que se manteve, às fachadas obrigatoriamente mantidas, etc.


Tenho presente que o conceito de arte moderna e a sua fusão com o regional, o típico, pode ser interessante, mas também muito vago, o que consequentemente pode levar a más interpretações e até avaliações erradas. Contudo, e considerando que são muitas as vozes que levantam contra o dito edifício, penso que a população não devia ser menosprezada, porque mesmo não sendo peritos em arte, o povo sabe o que é esteticamente belo ou não.


Mais, atrevo-me a afirmar que nem o edifício em si, nem os materiais usados combinam com a nossa vila, muito menos considerando que se encontra a escassos metros do edifício ex-libris da Vila, a Câmara Municipal. Todo a edifício, por mais funcional que seja, tem uma arquitectura desajustada, é tudo menos atraente e resulta num atentado público ao nosso orgulho cívico bem como mostra total falta de bom senso e de gosto.
Baseada nos factos que referi e nas opiniões aqui expostas, bem como de outras pessoas que não ousaram ainda dizer se sua justiça, peço a quem de direito, que seja demolido o dito edifício e construído outro, noutro local que não aquele e que seja algo que nos faça continuar a ter orgulho em ver e mostrar a quem nos visita. Protejamos a nossa bela Vila Nova de Cerveira.
Fernanda Ferreira

5 comentários:

A. João Soares disse...

Querida Ná,
Os extremos tocam-se. Dois posts vizinhos dando duas imagens opostas do nosso Portugal que gostaríamos de amar sem estas sombras escuras.
Há muita gente sem a mínima preparação para gerir uma autarquia ou seja o que for. Será um tema a ter em atenção nos meses que se aproximam que antecedem as eleições.
A ignorância e falta de cultura irá agravar-se dada a má qualidade do ensino que está vocacionado para dar diplomas. E já nem falo das Novas Oportunidades que seguem o lema «enquanto houver um português sem diploma de licenciatura, as novas oportunidades não encerrarão».

Beijos
João

Fernanda Ferreira disse...

Querido amigo João,

É realmente muito triste. Concordo com tudo que diz.
Há incompetência, compadrios, corrupção, iliteracia, mas o povo continua cego e sereno.
As aberrações estão latentes e bem patentes, mas a letargia vigora, só alguns têm coragem para falar e apontar o dedo.

Oxalá abram os olhos a tempo.

Beijinhos

Luis disse...

Caríssimos,
Infelizmente é mais um exemplo do que se não deve fazer.
Por todo o Portugal exemplos disso é que não faltam. Na vizinha Espanha há o cuidado de valorizar o património artistico e cultural e nem esse bom exemplo é por nós seguido. É tudo feito ao acaso e sobre o joelho pois os autarcas não estão preparados culturalmente, na maioria dos casos, para poder valorizar as suas terras.
Um abraço amigo.

Pedro Ferreira disse...

Como praticamente filho da terra, quase nasci lá e lá estão as minhas raízes, só posso dizer que é uma aberração total, não condiz com nada e a sua localização foi desastrosa.

Assim mesmo mãe, sem papas na língua, estamos cá para dizer a verdade, nem tudo está bem na nossa terra adoptada e tão amada, apesar da distância.

Beijão enorme,
Pedro Ferreira

Fernanda Ferreira disse...

Olá Pedro,

Já vi que deixaste comentário também nos cerveirenses amigos.
Obrigada.
Mesmo longe e com tão pouco tempo disponível, consegues mimar-me e mostrar preocupação com o que se passa não só na nossa querida Vila D'Artes como no país.
Beijão