23/07/2009

Conímbriga

Classificada Monumento Nacional, é a estação arqueológica romana mais bem estudada no país.

Conímbriga foi à época da Invasão romana da Península Ibérica a principal cidade do Conventus Scallabitanus, província romana da Lusitânia.
Localiza-se a 16 km de Coimbra, na freguesia de Condeixa-a-Velha, a 2km de Condeixa-a-Nova.

Muitos estudiosos acreditam que a primitiva ocupação humana remonte a um castro de origem Celta da tribo dos Lusitanos. No entanto, o que se sabe ao certo é que a campanha de escavações de 1913, encontrou testemunhos da Idade do Ferro, a eles podendo juntar-se peças de pedra e bronze que podem fazer recuar o início da povoação do local. E, nesse caso teríamos que relacionar o povo conii, o que para muitos explica a origem do topónimo actual de Coimbra, com a cultura megalitica da região sul de Portugal.

No contexto das Invasões bárbaras da Península Ibérica, em 464 os Suevos assaltaram a cidade, vindo a destruir parte da muralha em novo assalto, em 468. A partir da vitória dos Visigodos sobre os Suevos, a cidade acabou por perder o seu estatuto de sede episcopal para Aeminium (hoje Coimbra), que possuia melhores condições de defesa, e para onde se transferiu a sede episcopal, embora nos Concílios até ao século VII continue a aparecer o bispo da cidade. Os habitantes que permaneceram, fundaram Condeixa-a-Velha, mais ao Norte.

Alguns dos destaques de Conímbriga são:
As muralhas da cidade, em grande parte intactas, construídas para a defesa da cidade contra as primeiras invasões bárbaras do séc. III d.C.
As fundações das termas públicas, que permitem ver a disposição original.
As ruínas de uma vila urbana da primeira metade do séc. II d.C., com 600 m2 de mosaicos do chão completamente preservados.
Vale também a pena visitar o Museu de Conímbriga, onde estão expostos artefactos, modelos à escala, entre outros objectos encontrados durante as escavações.

Trabalho baseado em pesquisas diversas na Internet.
Fernanda Ferreira

7 comentários:

A. João Soares disse...

Cara Ná,

Parabéns por esta boa pesquisa. Os leitores que se entusiasmarem a fazer uma visita não se arrependerão. Vale a pena ir sem pressa e observar calmamente os vários aspectos de todos os sectores das ruínas.

Beijos
João

Fernanda disse...

Querido amigo João,

Obrigada.
Sempre atento a todos os posts e pronto a dar um elogio.
Foi bom ter feito esta pesquisa, aprendi mais umas coisas.

Beijinhos

Vitor Chuva disse...

Olá Fernanda!

Sem ser pesado ou maçador, acho que estará dito o essencial, em particular para aqueles que como eu, não sendo grandes conhecedores da mtáeria, ainda assim sabem reconhecer uma apresentação cuidada e fácil de acompanhar.

Parabéns!

Um abraço.

Vitor Chuva.

Maria Letra disse...

Olá!!! Cumprida - e muito bem - a promessa que me foi feita. Orgulho-me deste cantinho de Portugal, perto da minha terra, que é Coimbra. Mil vezes obrigada, Ná.
Um grande abraço.
Maria Letra

Ana Martins disse...

Querida amiga Ná,
Não querendo repetir o que aqui já foi dito, parabéns pela excelente pesquisa, também eu fiquei a saber mais umas coisas.

Beijinhos,
Ana Martins

Luis disse...

Querida NÁ,
Ao ler esta sua pesquiza fez-me recordar uma visita que aí fiz há muitos anos. Do que me lembro entendo que este seu trabalho foi muito bem conseguido. Como de costume os seus TPC são sempre bem cuidados e de louvar. É o seu espírito de perfeição a funcionar em pleno!
Parabéns e um beijinho.

Fernanda disse...

Amigos, o prometido é devido.

Ainda bem que gostaram, a mim deu-me muito prazer fazer toda a pesquisa e traduzir por palavras minhas o essencial.
Muito ficou por dizer sobre este assunto.
Talvez haja outro mais tarde.

Beijinhos