18/07/2009

"Avozinha Babada" ( história curtinha com uma pitada de ironia)

Com o período de recruta chegado ao fim seguiu-se a habitual cerimónia do juramento de bandeira. Familiares e amigos mais próximos - como é tradição - contavam-se entre o muito público presente sentado na bancada montada para a ocasião. Quando a companhia em desfile estava a passar em frente daquela, ela pôs-se de pé, de dedo apontado, e exclamou bem alto para que todos ouvissem: “Olhem, lá vai o meu netinho; vejam só como é ele o único que vai com o passo certo com a música – mas que menino tão esperto que ele é!”

Vitor Chuva

Fernanda Ferreira

7 comentários:

Celle disse...

Ná, é assim mesmo que acontece!
E não é so baba de vó não, de mãe também! rsrsrs
Neto é filho duas vezes, não é assim que se diz?
Bom observador o Vitor Chuva!
Beijinhos maninha, vou à missa rezar pra nós...
Até amanhã se Deus quiser!
Celle

Ana Martins disse...

É mesmo assim, nem sempre o amor nos deixa ver com olhos de ver, acaba por falar mais alto e só temos olhos para os nossos... E tal como diz a Celle, Avós são pais duas vezes!

Beijinhos,
Ana Martins

Luis disse...

Queridas amigas,
Acreditem que como militar que sou assisti mais de que uma vez a situações semelhantes... O Amor por vezes dá cegueira!!!! AHAHAHAH
Um abração

A. João Soares disse...

Há aqui o amor da vovó, mas há também uma característica do ser humano que olha de forma condescendente e aprovadora o que é seu e dos seus, em contraste com a crítica negativa em relação dos outros. E não podemos dizer que é uma fraqueza da vida moderna, pois já vem de traz a conjugação dos verbos - eu, tu, ele. A própria Bíblia, mostra o ensinamento de Cristo - amai os outros como a vás mesmos - que coloca a prioridade na própria pessoa. Os outros vêem a seguir.
E a vovó não foge à regra.
Abraços
João Soares

Fernanda Ferreira disse...

Olá Vitor,

Mais uma das tuas mini histórias que eu tanto aprecio.
Seja qual for o assunto, tu tens esse dom, de nos mostrares os ínfimos detalhes, até sentimos o carinho imenso daquela avó babada.
Lindo, como sempre.

Beijinho
Fernanda Ferreira

Maria Letra disse...

Amigo Vicor Chuva,
De comum com esta avó só terei o grau de parentesco, mas este quadro é muito pertinente e sempre actual. Não há forma de acabarmos com este tipo de avó que se baba por tudo e por nada, desde que seja o(a) neto(a) o protagonista da 'façanha'. E, assim continuando, não deixaremos nunca de ter avós com a vista curta nem nétinhos xonézinhos ... (xonézinhos com 'x' ou com 'ch', vai tudo dar ao mesmo).
Gostei do tema, Ná. Sempre actual.
Maria Letra

Vitor Chuva disse...

Olá a Todos!

Obrigado pela visita que fizeram à "minha avozinha", figura querida, que é uma instituição, mesmo quando o amor lhe embacia o olhar e lhe afecta a imagem que chega à "retina".

Vitor Chuva
20-07-2009