08/07/2009

Instinto ou inteligência canina?

Um e:mail que recebi do amigo Luís, que nos faz acreditar na inteligência de certos animais, trouxe à minha memória um caso que gostaria de relatar-vos. Imaginem, portanto, esta passagem em vídeo virtual, já que não tenho imagens, o que lamento. Passou-se em Julho de 1972 e tem como protagonista um doce "vira-latas".

Estava eu sentada na praia, com a minha filha de 7 meses, quando vejo esta tentativa de "assalto" ao cesto de verga colocado a uns 10 mts de distância do local onde me encontrava, o qual se destinava à recolha do lixo. Tal "assalto", perpretado pelo "vira-latas", só seria possível através do recurso a cálculos de física testados em cada movimento, já que o pobre do animal não dispunha de qualquer tipo de calculadora. Assim, eu começo a constatar que o cãozito inicia um esgravatar na areia, na base do cesto, a grande velocidade, não fosse alguém antecipar-lhe um valente pontapé no seu "posterior" e ele ficasse impossibilitado de "levar a sua carta a Garcia". O seu objectivo era derrubar o cesto e deveria consegui-lo.

Entre um esgravatar e o outro, eu dou-me conta de que o "vira-latas" tentava, com a unha da sua pata da frente, claro está, tombar para si o dito-cujo cesto. Quando via que os seus cálculos estavam abaixo dos valores pretendidos (imagino eu), ele continuava a esgravatar. Eu não fui a única a presenciar a cena deste "inteligente" bichinho e, portanto, quem estava ali, tal como eu, não quis impedi-lo de tal façanha para ver até onde chegavam as suas tentativas. A derradeira unhada surtiu efeito e o cesto tombou. Instinto natural, com leis da física à mistura, parece-me mais inteligência natural.

POR ACASO, um dos espectadores desta cena era daqueles que defende a higiene nas praias e, portanto, correu imediatamente para o local e colocou o cesto, de novo, em posição vertical, deixando o cão, meio assustado e a fugir, olhando para trás como que a dizer: "Desmancha prazeres duma figa! Sacana!"

Um abraço.
Maria Letra

5 comentários:

Luis disse...

Querida Mizita,
Obrigadinho pela sua lembrança mas tenha em atenção que os animais conseguem encadear ideias, tal como esse vira-latas e não sei mesmo se acabam por racicionar! Mas que têm atitudes muito próximas disso é verdade! Veja-se o caso do cão que numa autoestrada conseguiu retirar outro que tinha sido atropelado. Com estas atitudes fazem a nossa vergonha...
Um grande beijinho.

A. João Soares disse...

Querida Mizita e Caro Luís,
Li algures no século passado, na sua primeira metade (!!!) uma definição de inteligência, como sendo a capacidade de adaptação a situações novas. Deste ponto de vista não tenho a mínima dúvida em aceitar que os animais são inteligentes. Falta-lhes a capacidade de fabricar e utilizar ferramentas que lhes poupem o esforço físico. Há quem lhes atribua a falta de voz, mas também isso é uma visão egocêntrica dos humanos, pois eles comunicam entre si e, depois de se habituarem aos donos, sabem comunicar (fazer-se entender) e percebem as palavras e os gestos dos donos.
Nem tudo pode ser atribuído aos instintos.
Temos muito a aprender com eles.

Abraços
João

Mara disse...

Querida Mizíta,

Este texto, na verdade, não mais poderias esquecer. É de uma ternura que toca qualquer coração. O reciocínio é uma certeza na cabeças dos animais. Há outros "animais" que não têm nem um pouco deste raciocício. Para um bom entendedor meia palavra......
Fiquei contente por ele não ter chegado a levar no "posterior". Assim pôde "levar a sua carta a Garcia" (só da Mizíta frases que nos fazem rir). Por falar nisto, me lembro agora, que um dia me disseste "Vai encher-te de moscas"!
Nunca tinha ouvido tal frase e ainda hoje me rio se disso me lembro.
Pena sinto só que o pobre do bichano, depois de tanto trabalho e inteligência não tivesse sido "acariciado" com um pequeno prémio de consolação. Nem uma simples bolacha Maria houve quem lhe desse já que devia ter fome, o pobre.
Quanto à tua maneira de escrever não posso deixar de te dar os parabéns pois ler-te é um prazer.

Beijinhos
Milai

Fernanda Ferreira disse...

Amiga Mizita,

Realmente uma narrativa deliciosa.

O que eu honestamente penso, sem querer ferir susceptibilidades, é que somos todos animais racionais, uns mais outros menos.
Há seguramente muitos humanos, ditos racionais, que não o são de todo e vice-versa.
As provas disso, estão todos os dias bem visíveis, só não as vê quem não quer.
Beijos,

Milu disse...

Este caso fez-me lembrar um meu professor de há muitos anos, que adorava biologia e estudava com afinco os fenómenos da vida. Com ele, nós os alunos, abordámos imensas vezes o tema da inteligência dos animais. Embora se convencione que os animais, porventura, não sejam detentores de inteligência, antes obedecem aos apelos instintivos, a verdade é que podemos observar, pelo menos nos cães, reacções que estão muito para lá de um mero instinto. Lembro-me de esse meu professor nos ter falado, que a galinha era um dos animais mais estúpidos, porque se lhe colocássemos uns bagos de milho, para lá de uma pequena rede, ela ficaria ali a mergulhar o bico de encontro à rede e jamais se lembraria, simplesmente, de a contornar. Teria esta limitação a ver com o tamanho do cérebro? Enfim, o cão é um animal que nos deixa muitas dúvidas acerca da sua posse ou não de inteligência.