21/03/2009

POÉTICAMENTE FALANDO...

Imagem da net


Fala-me da poesia
Que percorre as tuas veias,
Se derrama em prosa fina
E meticulosa enfeita as linhas
Do caderno onde versejas!

Que eu falo-te dos sentires vibrantes,
Dantescos, sublimes, pulsantes
Que em frémitos de loucura e êxtase
Projectam lampejos lestos
No meu ser quando verseja!

Fala-me da inspiração
Que te invade e cansa a mão
Quando escreves em sintonia perfeita
O amor que te deleita
E tolda o coração!

Que eu falo-te do que me encanta
Dos meus sonhos e esperança,
Do que me incomoda e não ignoro,
Do que me entristece...
E com isso choro!

E depois fala-me do que procuras,
Do que sentes e em ti perdura,
Da ansiedade secreta que rima
Nos traços que te definem
E te dão sentido à vida!!!!

Ana Martins
Escrito a 21 de Março de 2009

Para assinalar o Dia Da Poesia em Portugal

7 comentários:

EDUARDO POISL disse...

Recomeçar é renascer para a vida
Reconstruir é reparar os danos
Siga em frente sem olhar p'ra trás
Não te censures, pois somos Humanos!
(Pequenina)

Te desejo um domingo com muito amor e carinho
Abraços do amigo Eduardo Poisl

A. João Soares disse...

Cara Ana Martins,
Uma poesia cheia de sentimento e espiritualidade, que mexe em todos os sentimentos que nos animam e perturbam. Alma de poeta, como já lhe conhecemos, com uma capacidade de expressão extraordinária.
Um abraço
João Soares

Daniel Costa disse...

Ana Martins

Confesso que vibrei com a tua poesia, para assinalar o dia!
Parabens!
Bijinhos,
Daniel

Fernanda disse...

Amiga Ana Martins,

Abençoada pela belo momento que nos proprocionou (^o^)!

Não posso deixar de sorrir...sinto-me tão feliz, particularmente hoje!!!

O seu poema é lindíssimo.
Obrigada.
Fernanda

Maria Letra disse...

Minha querida amiga, Ana Martins,
Deve estar a pensar o pior de mim. Eu sei porque não comentei este encanto da poesia. Mesmo agora tive uma enorme dificuldade em abrir a janela dos comentários. Por muito que clicasse, a janela não abria e agora, à 01:48 da madrugada, depois de ter gravado para as minhas pens tudo o que tinha no pc, leio o seu e:mail e sinto-me envergonhada. Estou certa me perdoará pois não foi com intenção. Creio ter já dado conta de que aprecio muito a sua poesia e, portanto, só uma grave falha poderia ter-me feito passar o poema e não o comentar.
Nunca é tarde, Ana e, por isso mesmo, aqui vão os meus parabéns pelo lindissimo poema com que nos brindou neste dia tão especial para todos os que gostam de fazer da poesia uma silenciosa, mas agradável, forma de conversarmos com nós próprios. Parabéns.
Peço-lhe perdão.
Um grande beijinho.
Maria Letra

Adelaide disse...

Querida Amiga,

As tuas poesias ficam-me gravadas cá dentro: pela beleza, pela verdade, pela simplicidade e, muito especialmente pala sua tão grande qualidade.
Nasceste com essa capacidade que tem tanto de raro como de belo.

Mais uma vez parabéns.

Mara / Milai

Unknown disse...

Amiga Maria Letra,
não pensei nada o pior de si, apenas pensei que não viu, pode muito bem acontecer, quando já tem posts mais recentes.

Beijinhos,
Ana Martins