23/03/2009

Caminho do Céu

Queremos ir ao Céu, mas não queremos ir por onde se vai para o Céu.

Padre António Vieira
(1608-1697)

6 comentários:

Maria Letra disse...

Autêntica, esta verdade(se não fôsse autêntica também não seria verdade..., claro).
Os caminhos para chegar ao "Céu" são penosos, cheios de altos e baixos, que ferem, que magoam, mas é nesse sofrer que vamos atingindo a perfeição, na perda da paixão pela futilidade, pelo materialismo e pelo apêgo a bens materiais. Facilmente esquecemos que estamos aqui de passagem.
Nesta minha divagação, descurei a palavra Céu. Existe?
Maria Letra

A. João Soares disse...

Cara Mizita,
O Céu existe realmente, e é alcançável enquanto vivos. Se fosse depois de mortos pouco interessaria.
Há pessoas, por vezes extremamente pobres, que vivem no céu, em paz com elas próprias, sem acidez, sem ódios, com amor a si, à Natureza, aos outros. Vivem no céu.
Há outras pessoas que passam os dias sempre preocupados, sem azedas, com problemas, com medos, com ódios, raivas, por vezes ricos, absorvidos pelas cotações da bolsa e outros problemas ligados aos seus negócios pouco honestos. A vida para eles é um inferno permanente.
Já há quem diga que o cancro se desenvolve em ambientes ácidos e que os azedos e sempre mal dispostos são candidatos a tal doença. Para tornar o organismo menos ácido, é aconselhado bicarbonato de sódio. Ver o post http://domirante.blogspot.com/2009/01/cura-do-cancro.html.

A frase citada pode traduzir-se em que devemos querer um objectivo, mas isso não é suficiente, pois a cada momento devemos seguir o melhor caminho para o atingirmos. Não podemos, em cada cruzamento seguir uma direcção errada.
Já que fala da minha apetência para observar a política, veja este facto, pensando nessa frase: O interior de Portugal tem sido esvaziado de escolas, apoios de saúde, de repartições públicas etc, com base na pouca população não tornar rentáveis esses serviços públicos. Entretanto o PM, na Guarda, ao inaugurar uma empresa disse que ia apoiar as empresas que se instalassem no interior para evitar a sua desertificação. Querem o céu mas avançam para o inferno, umas vezes vão num sentido e depois querem ir no sentido contrário.
Um abraço
João Soares

Unknown disse...

Caro amigo e colega João,
não poderia ser mais verdadeira a mensagem transmitida neste pensamento.
É que ir ao céu, implica uma sensação sublime de felicidade perfeita, enquanto que ir para o céu, transmite-nos o fim da vida na terra!

Beijinhos,
Ana Martins

Maria Letra disse...

Gostei de ler o que escreveu, João Soares. Eu sou toda a favor da prevenção e na prevenção há um factor muito importante, para além, obviamente, duma correcta alimentação (sim, porque ... "nós somos aquilo que comemos") e que é a tranquilidade espiritual ... se é que conseguimos tê-la. Eu procuro tê-la e, até hoje, tenho colhido bons frutos disso mesmo.
Claro que o país está a saque e que aquilo que está a acontecer é muito grave. Para além do que menciona, eu digo-lhe uma coisa: sinto uma tristeza profunda quando estou em Portugal e não vejo, como aqui, as crianças a serem levadas a passear em jardins, que são em número tão escasso. Depois, a quantidade de pequeninos que são encurralados em 4 paredes, numa ama e quase nem a luz do sol vêm ... Amigo, viremos a página senão ainda me emociono. Eu não consigo pensar nisto. Fico chocadíssima. Bem, mas já estou a desviar o assunto ... na cauda do que referiu àcerca do fecho de hospitais, escolas, etc.
Um abraço e obrigada a todos por terem comentado.

Fernanda disse...

Bom Dia amigo João Soares,

Não me vou alargar... não posso e não preciso... o João disse tudo, e desta vez não posso estar mais de acordo com tudo o que disse.

Obrigada
Um abraço da Fernanda

A. João Soares disse...

Caras Amigas,
O milagre dos posts!!! Basta uma pequena frase, mas muito especial, para nos levar a profundas meditações. Viver no céu é estar bem consigo próprio, segundo os sãos princípios morais e éticos, procurar compreender os outros, com humildade, com predisposição para perdoar. A Paz interior e com os oiutros é essencial
SHALOM
Abraços
João Soares