04/09/2009

As palavras...


Há dias assim...em que acordo e me sinto como diante de um abismo. Olho para trás e não recordo de nada de transcendente no caminho que percorri, as amizades que fiz, se as fiz???. O que sou e fiz da minha vida!
Porque há palavras que magoam, sobretudo as que não são ditas...


As palavras

São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
barcos ou beijos,
as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?

Eugénio de Andrade

Fernanda Ferreira

14 comentários:

Dulce disse...

Ná, minha amiga...

o poder da palavra é infinto, por isso temos que cuidar para que tenhamos sempre a palavra certa em cada momento, e nem sempre isso é possível.
E tenho que concordar com você quando diz que o não dito magoa bem mais. O que fica nas entrelinhas, o que engasga na gargante, o que vem escrito no olhar...

Lindos versos... Cheios de verdade.

beijinhos

Fernanda disse...

Querida amiga Dulce,

Sempre atenta, sempre capaz de perceber o que me vai na alma.

Eu adoro Eugénio de Andrade, ele sempre me diz o que preciso.

Obrigada,
beijos

J.Ferreira disse...

Passei por aqui antes de ir ao meu giro de bicicleta.

Percebi já que não está nos teus dias. Sei como és sensível a pequenas coias, quase ínfimas. Deita-as para trás das costas e continua o teu caminho, tu tens mais valor, e depios a vida são dois dias, não é o que costumas dizer?

Beijo
J.Ferreira

Tite disse...

As palavras...
Sempre as palavras.
Se as dizemos temos que pensar antes.
Se calamos... ficam-nos entaladas.

Estou sem palavras para comentar Eugénio de Andrade e o teu blog com foto de acordo com o meu estado de espírito... borbulhante e muito instável.

Abraços

Agulheta disse...

Olá Ná! Mais um belo poema de Eugénio de Andrade,sempre no seu belo e sublime dom da palavra,esta que li dele,já conhecia e gosto muito como disse,da forma de pronunciares nem tanto,penso que estão meias nevoadas??? será.
Beijinho bfs.

Lisa

Vitor Chuva disse...

Olá Fernanda!

Lindo poema a ilustrar uma imensa verdade: a de que as palavras são, no fundo, tudo aquilo que com elas quisermos e soubermos fazer!

Beijinhos.

Grande abraço.

Vitor Chuva

Fernanda disse...

Que surpresa mais agradável:)))

Obridada pela preocupação, estava sim, mas já passou.
Hoje é outro dia, o sol brilha e a vida é bela.

Beijo
Fernanda

Fernanda disse...

Olá Tite!

Pois é isso mesmo, tu és mesmo única...com que então borbulhante e muito instável?!
Deves estar num verdadeiro frenesim, ahahah!
Olha querida o Blogue não é meu, eu sou uma mera colaboradora.

Beijos e Abraços.

Fernanda disse...

Amiga Lisa,

Adoramos...eu sei, especialmente alguns dos seus poemas, este é um deles.

Nem todos os dias o sol brilha na nossa alma, como percebeste e bem.
Estou bem!
Obrigada pela tua visita ao Sempre Jovens.

Beijos e Abração,

A. João Soares disse...

Querida Amiga Ná,
O tempo não dá para tudo. Se bem reparar os posts que tenho colocado em Do Miradouro com muitos links e a criação do Saúde e Alimentação ocupam muito tempo.
Mas não quis deixar de fazer um reparo à sua frase «o Blogue não é meu, eu sou uma mera colaboradora», pois ele é colectivo de 15 autores. A sua quota de acções é das maia altas por ter uma colaboração com mais volume, para não falar da qualidade (isso poderia ofender alguns convencidos). É certo que alguns colaboradores dão pouco contributo, mas isso será tema de debate nas próxima Assembleia Geral de Accionistas!!!!. Vou propor que recebam menos dividendos!!!

Beijos
João

Fernanda disse...

Caro amigo João,

Fez-me rir com essa dos dividendos.
Confesso que ainda não fui visitá-lo ao seu novo Blogue Saúde e Alimentação, tenho a certeza que vou adorar.

Muito obrigada pelos elogios.
Eu sei bem que esta casa é de nós todos (agora 15), só quis salientar isso mesmo.

Beijos,

Celle disse...

Maninha, sempre sou a ultima a fazer meu comentário, vou repetir o que ja foi dito por colegas que me antecederam.
As palavras podem libertar e oprimir, alegrar e entristecer, fazer viver e fazer morrer, aliviar e angustiar, rir e chorar, incentivar e esmorecer, amar e odiar e assim tantas coisas mais.
Mas, as palavras ditas pelo seu amigo e companheiro Ferreira são as mais lindas e sinceras e voc~e não pode ignorá-las...

Beijinhos

Fernanda disse...

Olá querida mana Celle,

Que bom ter vindo até nós e logo para comentar o meu post.
Você é uma querida.

Obrigada pelo conselho, eu sempre valorizo o que ele me diz e por isso hoje estou bem. Ontem é passado.

Beijos mil,

Luis disse...

Querida NÁ,
Duas boas escolhas: O poema e a imagem.
Ou não tivesse sido a Ná a faze-las...
Um grande beijinho-