08/09/2009

"Jogando p'lo seguro" (história curtinha - e também verídica - com uma pitada de ironia).

A sua mulher, alma religiosa, disse-lhe: “ Eduardo, acho que devíamos ir a Fátima e pedir a Nossa Senhora que te ajudasse a conseguir a promoção para aquele lugar que vai ficar vago lá no teu serviço”. Ele, sem um pingo de religiosidade naqueles ossos, prontamente concordou, acrescentando: “ Sim, vamos; mas olha que não nos podemos esquecer que também temos que ir lá a casa do engenheiro, o meu chefe, e levar - lhe umas galinhas, mais uns ovos que haja por aí, e um saco daquelas batatas novas … tu já sabes ; o costume!
E, qualquer que tenha sido a razão, o Eduardo conseguiu o ambicionado lugar!

Vitor Chuva
08-09-2009
Vitor Chuva

7 comentários:

Luis disse...

Amigo Vitor Chuva,
Esta "estória" revela que o Eduardo conhece bem a Vida e nisso não há nenhuma ponta de ironia! Ela faz-me lembrar a teoria dos chineses quanto aos seus funerais... Eles fazem-se acompanhar por todos os responsáveis pelas diversas religiões e seitas para assim terem asseguradas as bem-aventuranças do Além! Chamem-lhes parvos...
Um abraço amigo.

Dulce disse...

Vitor

E ficaram todos muito satisfeitos: o chefe com as galinhas e os ovos, a mulher pela certeza de ter tido seu pedido atendido pela santa e o homem por conseguir a vaga, a promoção...
A isso é que chamo um final feliz!
Um abraço.

Fernanda disse...

Olá Vitor,

Se bem se entende, e como diz o amigo Luís, ele.. pelo sim pelo não, decidiu jogar pelo seguro.

Parece que esta é uma prática comum e que já vem de há longa data,
Agora são mais os compadrios que contam, mas no fundo vai dar tudo ao mesmo.

Beijinhos

Mara disse...

Ir a Fátima não é tempo perdido. O ar que que lá se respira é puro, é santo e o nosso cérebro bem precisa duma lavagem de vez em quando. Os nossos pulmões também ficam mais puros com o cheirinho das oliveiras que abundam naquele lugar abençoado. Quem não tem fé que pense da maneira que quiser porque tem liberdade para isso.

O engenheiro também fica contente, embora não deva precisar. Mas, receber umas batatinhas para assar com a galinha e, com os ovos frescos do campo fazer uma bela
tortilha!
Porém, o Eduardo, com s aua fé e a sua bondade é o que sai mais feliz com a sua promoção.

Episódios de vida que encantam quem os lê.

Beijos para os amigos e amigas
da Milai

Fada do bosque disse...

Olá boa tarde!
como colaboradora do sustentabilidade, atribuí um desafio ao Sempre Jovens.Agradeço desde já a colaboração e compreensão.

Haja coragem :)

Abraço

A. João Soares disse...

O Eduardo é um «velho» no saber prático, consolidado pela experiência das realidades.
Em cada situação deve ser adoptada a solução mais adequada.
Mas repare-se como a corrupção está generalizada na nossa sociedade doentia. Como lutar contra ela com eficácia se ela está entranhada em cada pessoa?

Abraço
João

Vitor Chuva disse...

Olá a Todos!

É verdade. Neste mundo nem todos acreditamos nos mesmos deuses, nem todos rezamos aos mesmos santos, e em caso de dúvida... alguns de nós farão como o Eduardo!

Obrigado pelo comentário.

Abraço amigo.

Vitor Chuva