26/09/2009

Segurança rodoviária. Exemplo a seguir

No meio de tanta notícias de mortos e feridos nas estradas, surge esta do caso exemplar do condutor da Carris, Ernesto Luís Marçal, que conduziu 39 mil horas sem acidentes.


Segundo ele a solução é fácil, recusa ser considerado herói e aponta o seu segredo simples, garantindo que o importante "é nunca facilitar". É este sentido da responsabilidade que falta à maior parte dos automobilistas que colocam em perigo continuamente a sua vida, a dos seus companheiros de viagem e a de inocentes utentes da estrada.

Devemos procurar sempre, a cada momento de condução, chegar ao fim da viagem em segurança. Leia a notícia seguindo este link, Merece ser meditada e ser objecto de conversa em família e com os amigos.

5 comentários:

Fernanda disse...

Caro amigo João,

Pena é que o exemplar Sr Ernesto seja uma regra à excepção, quando devia ser ao contrário.
Mas que sirva pelo menos de um bom exemplo.

Beijos

A. João Soares disse...

Querida Ná,
A regra é «nunca facilitar» e «procurar regressar sem acidente». Qualquer um deve pensar, com a cabeça, que só tem vantagem se seguir essa norma. Mas, infelizmente, as pessoas são capazes de papaguear estas palavras mas sem pensarem praticá-las.
Se falarmos nisso, em família, com os amigos e nos blogues, conseguiremos melhorar um pouco a segurança rodoviária.

Beijos
João

Maria Letra disse...

Amigo João Soares,
Esperemos este exemplo passe a ser seguido por alguns que conduzem não só mal, como ocasionam, dentro do autocarro, por causa de travagens repentinas, acidentes muito lamentáveis.
Maria Letra

Luis disse...

Caríssimo João,
Ainda hoje houve um gravíssimo acidente, na Covilhã, com um autocarro que saiu da estrada e caiu numa ribanceira do qual resultou 12 feridos. Fala-se que foi devido a rebentamento de um pneu.
Apesar das vistorias periódicas a que estão sujeitas as viaturas ainda há casos destes infelizmente.
Mas é sempre de louvar quem consegue fazer toda uma vida ligada a este tipo de transportes sem acidentes.
Um abraço amigo.

A. João Soares disse...

Amigo Luís,

Já houve uma época em que bati, em cartas aos jornais, muito neste tema com alertas para os cuidados na condução, mas os resultados são pouco visíveis. As pessoas não gostam de ouvir conselhos e estão convencidas de que os azares só acontecem as outros.
Mas, como disse Ernesto Luís Marçal, é preciso NUNCA FACILITAR, porque o mínimo erro pode ser fatal para uma ou muitas pessoas.
E ultimamente tem havido acidentes espectaculares, que podiam ter sido evitados com cuidado na manutenção da máquina e cuidado na condução.

Abraço
A. João Soares