11/08/2009

que a noite seja de luar

Que a noite seja de luar
mesmo que o dia tenha sido de breu.
Na mansidão do tempo,
Na quietude da noite
É tempo de estender o manto
dos ventos doidos do dia,
que fazendo frio
voltou a te apoquentar.
São tão somente rumores
São tão somente dores,
dos amores que não te deram.
somente dores
Mas são tantas as dores!

Que a noite, esta noite
seja de luar:

Maria José Areal

5 comentários:

A. João Soares disse...

Cara Maria José,

Seja vem vinda a este espaço que regozija com o valor dos seus trabalhos que virão enriquecê-lo. Que aqui passemos a ter sempre dias de Sol e que as noites sejam sempre de luar, pelo menos na nossa imaginação quando as fases da lua o não permitirem na realidade.

Um abraço com os melhores votos
João

Fernanda disse...

Amiga Maria José! Bem Vinda :)
Que alegria, nem imaginas...

Este Blogue e principalmente os seus leitores, só têm a ganhar com a tua entrada, que até agora beneficiou, tão somente, de algumas poucas provas dos teus belíssimos trabalhos.

Obrigada por este extraordinário poema.
Como sempre, não consigo deixar de me comover com a maioria dos teus poemas, que falam tanto de um sofrimento profundo e tão comum a tantos de nós, mas ...como diz o amigo João, que passemos a ter, agora e sempre, Sol e Luar nas nossas vidas.

Obrigada,
Beijinhos

Vitor Chuva disse...

Olá Maria José!

Bonito poema este, repassado pelo sofrimento dos dias, e para quem a noite é desejada como refúgio ou esquecimento !

Um abraço

vitor Chuva

Ferreiras disse...

Olá Maria José!

Parabéns!

Estou muito feliz que tenha aderido ao mesmo Blogue onde a Fernanda passa horas.
Eu, sinceramente não tenha paciência, mas queria desejar-lhe as boas vindas.
Sei que está com boa gente e a Fernanda hoje de nanhã não falava de outra coisa, por isso aqui estou.
B
Não sendo assíduo leitor nem comentador, peço desculpa, mas a verdade é só uma, prometo vir de quando em vez visitá-las, agora tenho mais uma razão para o fazer.

Bejinhos
J. Ferreira

Ana Martins disse...

Olá Maria José,
sou a última a dar-lhe as boas-vindas mas penso que mais vale tarde que nunca, desejo-lhe muita sorte e seja muito feliz por cá!

Beijinhos,
Ana Martins