26/08/2009

As mãos da minha avó !!!

A minha avó que tinha mais de 90 anos, estava sentada num banco na varanda, e tinha um aspecto fraco.
Ela não se mexia, estava apenas sentada a fixar as mãos.
Quando me sentei ao pé dela, nem sequer se mexeu, não teve nenhuma reação.
Eu não a queria perturbar, mas ao fim dum certo tempo perguntei-lhe se ela estava bem.
Ela levantou a cabeça e sorriu para mim.
- Sim, eu estou bem, não te preocupes, respondeu ela com uma voz forte e clara.
- Eu não a queria incomodar, mas você estava aí com o olhar fixado nas suas mãos, e eu apenas pretendi saber se estava tudo bem consigo.
- Já alguma vez viste bem as tuas mãos ? perguntou-me ela.
Quer dizer, vê-las como deve de ser.
Então eu olhei para as minhas mãos e fixei-as.
Sem compreender bem o que ela queria dizer, respondi que não, nunca tinha olhado bem para as minhas mãos.
A minha avó sorriu para mim e contou-me o seguinte:
Pára um bocadinho e pensa bem como as tuas mãos te têm servido desde a tua nascença.
- As minhas mãos cheias de rugas, secas e fracas, foram as ferramentas que eu utilizei para abraçar a vida
Elas permitiram agarrar-me a qualquer coisa para evitar de cair antes de eu aprender a andar.
Elas levaram a comida à minha boca e vestiram-me
Quando era criança a minha mãe mostrou-me como uni-las para rezar.
Elas ataram as minhas botas e meus sapatos.
Elas tocaram no meu marido e enxugaram as minhas lágrimas quando ele foi para a guerra.
Elas já estiveram sujas, cortadas, enrugadas e inchadas.
Elas não tiveram jeito nenhum quando tentei segurar o meu primeiro filho.
Decoradas com a aliança de casamento, elas mostraram ao mundo que eu amava alguém único e especial.
Elas escreveram cartas ao teu avô, e tremeram quando ele foi enterrado.
Elas seguraram os meus filhos, depois os meus netos, consolaram os vizinhos e também tremeram de raiva quando havia alguma coisa que eu não compreendia.
Elas cobriram a minha cara, pentearam os meus cabelos e lavaram o meu corpo.
Elas já estiveram pegajosas, úmidas, secas e com rugas.
Hoje como nada funciona como dantes para mim, elas continuam a amparar-me e eu ainda as uno para orar.
Estas mãos contêm a história da minha vida.
Mas o mais importante é que serão estas mesmas mãos que um dia Deus segurará para me levar com ele para o seu Paraíso.
Com elas, Ele me colocará a Seu lado.
E lá eu poderei utilizá-las para tocar na face de Cristo.
- Pensativo eu olhava para as nossas mãos.
Nunca mais as verei da mesma maneira.
Mais tarde Deus estendeu as Suas mãos e levou a minha avó para Ele.
Quando eu me aleijo nas mãos, quando elas são sensíveis, quando acarinho os meus filhos, ou a minha esposa, penso sempre na minha avó.
Apesar da sua idade avançada, ainda teve inteligência suficiente para me fazer compreender o valor das minhas mãos.

7 comentários:

Celle disse...

Meus amigos...
Trancreví texto enviado hoje, por uma grande amiga virtual, Mirian, não a conheço pessoalmente, mas, aprendí a admirá-la pelas suas habilidades como artesã nestes anos de contatos pela net e a lhe dar valor por saber enfrentar com força, vigor e dignidade uma tragédia que abateu sobre ela. Nas enchente do inicio do ano, sua cidade ficou debaixo d'agua e a força das aguas arrastaram tudo, parte de sua casa,e sem comida, moveis, roupas etc.,ficou na "rua da amargura" como aqui dizemos, sem nada... Precisou da caridade e solidariedade dos amigos e é muito agradecida. Usando computador emprestado de vez em quando, se comunica pedindo notícias e enviando mensagens. Professora aposentada, adoeceu e hoje, presa numa cadeira de rodas, devido paralisia em ambas as pernas, ocasionada pelo trauma vivido, acredita na sua recuperação com muita fé.Que Deus na sua infinita bondade lhe dê de volta sua independência para ser feliz novamente!

Ana Martins disse...

Olá Celle,
aplaudo o facto de ter publicado aqui este texto, ele é de uma beleza ímpar e de uma verdade pura.

As nossas mãos servem-nos a vida inteira, e mesmo magoadas, cansadas ou enrugadas, elas nunca se lamentam.

Dê um beijinho por mim à sua amiga, que deve ser UMA GRANDE MULHER!

Beijinhos,
Ana Martins

Mara disse...

Amiga Celle,

Obrigada por uma história tão bela e ao mesmo tempo tão comovente. Agradeça, também por mim à sua amiga Mirian com os meus votos de uma melhor vida para ela.
Agora olho para as minhas e sinto vergonha. Nunca as olhei da maneira linda como a AVÓ as olhou.
Para mim representa um verdadeiro ensinamento da vida.

Obrigada
Mara

Fernanda disse...

Querida mana celle,

Linda a história enviada pela sua amiga.
Uma verdadeira lição e vida.

Beijo enorme à Avó e para si um abraço amigo.

Vitor Chuva disse...

Olá Celle!

Bonita história, cheia de poesia, esta que nos conta sobre o valor das mãos, como elas são importantes para nós, sem que disso nos dêmos conta.
Olhando as agora de outra forma , elas são, igualmente, a mais completa e perfeita "peça de ferramenta" ao serviço do Homem; nada que se lhe compare existe, ou alguma vez existirá!

Um abraço.

Vitor Chuva

A. João Soares disse...

Li há tempos um texto que mostrava a importância do ombro, ferramenta da generosidade, da humanidade, da caridade. Este das mãos mostra o valor desta ferramenta de excepcional importância para a nossa vida.
Mas qualquer ferramenta quando ao serviço de um bom coração é muito importante. Vi há dias um vídeo de uma jovem mãe que nascera sem mãos nem braços e sentada fazia com os pés tudo o que lhe era necessário como dona de casa e como mãe de uma criança pequena.
Tenho um amigo sem mãos e sem um antebraço (ver foto em http://thirthyfour.blogspot.com/2009/05/almoco-das-tercas-na-quinta-090512.html e ver texto em http://joaobarbeita.blogspot.com/2007/02/mais-um-caso-exemplar.html)

Parabéns por trazer aqui este texto tão lisonjeiro para as mãos.

Abraço
João

Celle disse...

Ana, Mara, Fernanda, Vitor e João!
Obrigada por terem lido minha publicação e feito seus comentários, me sinto muito honrada. Na verdade, nunca me passou pela cabeça analisar a importância delas, só agora, precisei ler este artigo para que uma doce vovó me fizesse compreender e refletir sobre tal...