24/08/2009

TENHO UMA ESTRELA!

Imagem da net


Eu pedi ao Céu que me desse uma Estrela,
Não precisava ser a maior, a mais bela,
Queria somente a luz que perdi
Quando sem luz pai me despedi de ti.

Eu pedi ao Céu que a Estrela brilhasse,
Que não fosse cadente, que não se apagasse,
Que tivesse nos vértices faíscas de cor,
Que fosse uma Estrela de paz e amor.

O Céu me ofereceu uma Estrela pequenina,
Que a todos encanta e a mim ilumina,
No meio o teu nome baila tão lindo...

E não é um sonho, tenho uma Estrela,
Brilha no Céu e sou Filha dela!
Na luz que reflecte me vejo sorrindo...


Ana Martins
Escrito a 14 de Agosto de 2009

8 comentários:

A. João Soares disse...

Querida Ana Martins,

Parabéns por seu poema de filha dedicada, que dá uma lição a tantos filhos de idosos que passam o resto da vida isolados à espera de uma visita que nunca mais chega. A Ana, além do amor e da saudade que manifesta, mostra um aspecto mais valioso, o sentimento de um guia, conselheiro, uma estrela polar que a orienta, lhe serve de bússola no caminho da vida.
É um prazer saber de uma filha que olha o pai desta forma, como um amparo forte e permanente, mesmo depois de ter subido o último degrau da vida plena de qualidades.
Já pode comentar no Foi por bem. Obrigada por me ter alertado e peço desculpa pela frustração que sentiu de não ter podido comentar.

Um abraço de muita amizade
João

Fernanda disse...

Querida Ana,

Foi com lágrimas que comentei este teu poema no Ave sem Asas....ao relê-lo agora aqui, elas teimam em voltar.

Querida, como te disse então,usando a tua sugestão, também sigo agora uma estrela que me ajudará a dimunuir a solidão.

Obrigada.
Beijos

Ana Martins disse...

Aos meus queridos amigos João e Ná:
Como sabem não tenho por hábito responder aos comentários a menos que considere pertinente fazê-lo, e por isso mesmo hoje e talvez porque ande muito mais sensível não pude deixar de dizer que em lágrimas me deixaram vocês com os vossos tão queridos comentários.

Bem-Hajam!

Beijinhos,
Ana Martins

Mara disse...

Querida Ana Martins,

Este seu poema toca, na verdade, o coração de quem o lê e lava-nos a pensar na importância que os nossos pais tiveram nas nossas vidas.
Pena é que, muitas vezes pensemos desta maneira quando eles já nos deixaram para sempre.

Beijinhos
Milai

Mara disse...

Emenda: ...leva-nos....

Ana Martins disse...

Tem toda a razão Mara, contudo a mim resta-me o consolo de não estar incluída nessa lista de filhos.
Sempre fiz tudo pelos meus pais e continuo a fazer pela minha Mãe, e a prova disso é que ela vive comigo, tal como o meu Pai me pediu, e também sei que ele partiu em paz, pois tinha a certeza que jamais eu deixaria a minha Mãe sozinha.

Beijinhos,
Ana Martins

Mara disse...

Querida Ana,

Feliz a sua Mãe. Maravilhosa filha que ela tem. "Faz aos outros o que gosrariam que fizessem a ti".
Lembra-se da história do avô velhinho que tremia das mãos e que, para não deixar cair a tigela da sopa foi mandado comer na cozinha!!!

Parabéns a uma boa filha,
Milai

Ana Martins disse...

Minha querida amiga Milai,
essas tão histórias terríveis, mas que as há, lá isso há. Não posso nem consigo entender como há filhos tão pouco amigos de quem lhes deu a vida... Mas enfim!

Beijinhos,
Ana Martins