12/06/2009

O Poder das Palavras...


Trabalho executado pela própria intitulado - This is who I am?! Maybe...

Este é o texto:
This is an assignment about promote myself. I'm so sorry, I don't know how to promote myself.
Felt very unhappy recently. so I couldn't found any positive thinking in my mind. When I did this assignment, this image appeared in my mind. A lonely, helpless, hopeless girl sitting at the dark corner. Maybe I just wanted to release my bad feeling, so I transfer my feeling as an image.
I hope this bad feeling will disappear as soon as possible......

Perdoem-me se começo desta forma o meu texto, mas simplesmente não encontrei em português nenhuma outra frase com a mesma força.
Sticks and stones may break my bones, but words…can wound forever.”
Há palavras que deixam marcas para sempre, não é uma tradução, nem o provérbio que está em inglês é exactamente assim.
Esta é a história real de uma amiga virtual, com idade para ser minha filha e por quem desenvolvi um carinho muito especial.
Ela é uma menina linda, acaba este ano a sua Faculdade, é uma brilhante estudante de design, mas segundo a mesma, com mais queda para a arte. O futuro dela não depende só dela, como o de muitos outros jovens neste Mundo, contudo e embora isso já a preocupe demasiado, o mais relevante neste momento é o que ela sente, como se sente.

Porque tenho contacto quase diário com ela e após a leitura de um post preocupante no seu Blogue, pedi-lhe que confiasse em mim e me dissesse o que se passava.
Não foi capaz naquela noite, mas passados uns dias acabou por me enviar um e-mail, o qual me leva agora a escrever este texto. Não o faço só por ela, mas também porque haverá seguramente muitas/os jovens que sofrem o mesmo pesadelo e que correm o risco de ficarem traumatizados para a vida.
Refiro que este tema já aqui foi abordado, também por mim em dois textos bullying, embora de forma completamente diferente.

Quando era pequenina, ela sentia-se linda, sabia-se linda, era alegre, sorridente e andava sempre atrás de novas aventuras. Tinha a confiança que se só se tem quando se sabe ser verdadeiramente amada. Na escola se a tarefa era pintar um desenho ela pintava três…mas infelizmente não foi sempre assim…


No sexto ano de escolaridade, de repente e sem razão aparente ela passou a ser a menina com quem todos implicavam. Pensou que se calhar era das roupas que usava, pensou em tudo... até que se apercebeu que era por pura maldade, por inveja, pelo seu comportamento sempre impecável e fundamentalmente por ser uma das melhores alunas. Mesmo antes de chegar à faculdade, já havia um grupo de cinco a seis colegas que diariamente a chamavam de estúpida e feia, até que ela começou a acreditar.

É incrível o que se consegue aceitar como verdade quando se houve tantas vezes. Com a falta de confiança em si própria a aumentar e a auto-estima a diminuir, chegaram os dias em que não falava nunca na escola, não fazia parte de nenhum grupo, isolava-se mesmo na cantina, nos corredores em todo o lado. Sentia-se literalmente doente quando tinha que fazer uma apresentação de um trabalho seu. Houve uma época, em que não sorriu nunca, durante praticamente um ano inteiro.
Convencida de que nada valia, ficava stressada só de pensar nos testes, nos exames, apesar de ter sempre notas excepcionais. Tentou tudo para se tornar invisível, tinha tão pouco respeito por si própria que pensou em suicidar-se.

Foi então que no segundo ano do curso ganhou coragem e contou tudo em casa. Mudou de Faculdade e as coisas melhoraram um bocadinho, pararam os insultos mas o mal estava feito, nunca mais ultrapassou completamente, nunca teve amigos de verdade nem tampouco um namorado. Tem agora 22 anos de idade e diz que eu sou a sua única amiga de verdade.
No seu Blogue há sinais evidentes do seu isolamento, os únicos seguidores sou eu e o meu marido.
Estou agora a tentar convencê-la a participar na exposição de fim de Curso, para a qual todos os seus trabalhos foram seleccionados, mas ela receia de tal forma a exposição pública que está ainda muito insegura quanto ao aceitar ou não. Espero ser capaz de a ajudar a superar pelo menos esta etapa.

Porque sou mãe e também porque fui professora, peço-vos a todos que estejam atentos a todos os sinais que possam ocorrer com os vossos filhos, netos, educandos, para que não sejam detectados tarde demais. Porque há marcas que ficam para sempre!!!

Nota- Não posso colocar aqui o link para o seu Blogue sob pena de trair a sua confiança em mim.
Fernanda Ferreira


11 comentários:

Ana Martins disse...

Ná,
este texto é deveras assustador, todos nós sabemos que o bullying existe, que deixa marcas irreversíveis e pode até mesmo levar ao suicídio.
Compreendo perfeitamente que não possa divulgar o nome do blogue da sua amiguinha, mas seria muito bom para ela ter mais amigos, ainda que virtuais.

Como mãe é algo que também me assusta e pretendo manter-me atenta a qualquer sinal.

Beijinhos,
Ana Martins

Luis disse...

Querida NÁ,
Tanto a NÁ como o seu marido são pessoas realizadas e que são muito solidárias. Se dúvidas houvesse este seu post as eliminaria de imediato. A Vossa acção para com esta moçinha é deveras muito linda e revela corações de pura filigrana. Espero que consigam desfazer o gelo nela criado por essas más palavras ouvidas durante muito tempo sem qualquer razão para que isso se desse! Mas infelizmente a inveja é má conselheira e trás consigo situações deste tipo! Conforme a ANA eu próprio também estarei atento para não permitir situações semelhantes, pois sempre que as detectar tudo farei para as terminar de imediato.
Um abraço amigo e solidário.

A. João Soares disse...

Querida Ná,
Temos de encarar este caso como muitos e, porventura, todos nós tivemos situações parecidas que não deixámos, agravar.
Estranhamente, há aqui uma contradição que necessita ser mais esclarecida. Se ela criou um blog pretende comunicar com o mundo. Um blog não é um diário íntimo de uma virgem inocente. Através dele pode ter uma interacção com pessoas que a ajudem com as suas opiniões, experiências saber e generosidade solidária. Então por que ocultar o endereço?

Um dia em resposta a um comentário fui descobrir um blog de um individuo aparentemente jovem que parecia em vias do suicídio. Passado poucos dias a mãe do rapaz enviou-me um e-mail a agradecer as minhas palavras de que ele gostou. Parece que ultrapassou a crise. Mas o problema é mais profundo e as ajudas não resolvem tudo: aceita conselhos tem vontade mas logo a rebeldia impede que tenha êxito no rumo que parecia ser redentor.

O certo é que essa menina, sem se desnudar psicologicamente no blog, mantendo oculta a sua vida privada, moderando os comentários, pode trocar opiniões com gente boa que a pode fazer sentir-se válida e sociável. O problema agora reside dentro dela e o seu valor tem de a tornar mais feliz.

Repito: não vejo conveniência em não divulgar o que ela própria tornou público, o blog.

Um abraço
João

Ferreiras disse...

Queridos amigos,

Obrigada, eu sabia que todos iriam reagir assim!

Compreendo e até concordo com o amigo João, mas...há sempre um mas.
A minha vontade expressa sempre foi divulgar pelo menos o nome do blogue, cheguei a escrever na nota que daria o seu link aos amigos que eu soubesse que claramente iriam proceder com o cuidado necessário por forma a que ela não se sentisse traída por mim, mas pensei duas vezes… publicamente pode ser perigoso, sabe-se lá quem eventualmente pode chegar até ela e magoá-la mais e eu posso perdê-la.

Por outro lado eu sabia que os amigos e colegas, com bom coração, em quem eu confio cegamente, me virão pedir o contacto, a vocês eu darei, sem qualquer dúvida porque sei que que só a poderão ajudar.

Acabei de descobrir que a nossa amiga São já lá chegou, só com as parcas pistas dadas??? Obrigada amiga.
Beijinhos a todos.
Fernanda Ferreira

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Pegue um sorriso
E doe-o a quem jamais o teve.
Pegue um raio de sol
E faça-o voar
Lá onde reina a noite.
Descubra uma fonte
E faça banhar-se
Quem vive no lodo.
Pegue uma lágrima
E ponha-a no ânimo
De quem não sabe lutar.
Descubra a vida
E narre-a a quem não sabe entende-la.
Pegue a esperança
E viva na sua Luz.
Pegue a bondade
E doe-a
A quem não sabe doar.
Descubra o AMOR
E faça-o conhecer o mundo.

(Mahatma Gandhi)

Desejo um lindo final de semana com muito amor e carinho...
Abraços Eduardo Poisl

A. João Soares disse...

Querida Amiga Ná,
Reconheço que o blog não deve ser tornado público por si, embora o possa indicar a pessoas da sua maior confiança e que possam ajudar, por se tratar de um problema pessoal com alguma gravidade de relacionamento com colegas e conhecidos.
Desejo que essa menina puxe pelo que tiver de mais válido dentro de si e se volte para o exterior e crie novos laços de relações com colegas e amigos e vá expandindo o seu circulo de amizades. Isso é imprescindível para se restaurar.
Beijos
João

Graça Paz disse...

O bulling hoje em dia felizmente é punido por lei e dá multas altas ,ouvi noutro dia na televisão!Tenho um filho que sempre sofreu com isso ,sempre me pediu para o tirar da escola_(daquela!!) e quando pude foi o que fiz!Tudo mudou ,agora sente-se feliz ,tem amigos novos ,mudou de area de residência e disse-me "Mãe...nesta escola ate posso ir de calças de pijama que ninguém se mete comigo!!"..isto mostra que há nas cidades uma enorme pressão a nivel das crianças e da educação que recebem muito virada para o consumismo ,o dar pouco valor e querer sempre mais,e as crianças que não "cumprem" estes requisitos são geralmente apontadas ,mas ainda assim acho que são as únicas educadas de uma forma correcta e que as alerta,as matem álerta para o mundo que não é de pais ricos,e nem um mar de rosas!Agora porque razão se sai dos grandes centros e isto já não acontece é que me deixa a pensar!Acho que o tempo que temos para o nosso dia a dia esta esmagado e um exemplo vivo disso é a falta de boa vontade das pessoas que trabalham nos locais publicos ,azedas ..muitas e oprimidas!Quando mudei o meu filho de escola algo muito simples me chamou imediatamente á atenção !Quando por algum motivo me tinha de dirigir á escola dele no Porto (Francisco Torrinha)para lhe entregar algo que se tinha esquecido ,contar com a colaboração das funcionarias da dita escola nesse campo era sempre um filme(salvaguardando uma funcionaria que em muito se destacava ,convém dizer!!)!seguido de uma enorme falta de boa vontade e simpatia,faziam-me correr a escola á procura de alguém que toma-se conta do assunto o que é inacreditável!!quando o mudei para a nova escola, e me aconteceu novamente ter de ir deixar algo ao meu filho fui abordada por um funcionário(um não...dois!!) de uma simpatia e amabilidade sem precedentes que me encantou!sem complicações ,sem confusões e sem atirarem tipo bola de pingue pongue a tarefa de uns para os outros!Isto diz-nos qualquer coisa...

Dulce disse...



São tantas histórias como essa podando a vida de jovens maravilhosos que certemente fariam a diferença no mundo em que habitam, tornando-o melhor... Uma pena, realmente não podermos envolve-la em amizade, carinho e respeito.
bjs.

Dulce

Fernanda Ferreira disse...

Queridos amigos,

A todos muito agradecida pelo apoio e interesse.
Pensem que trouxe um caso de uma amiga a público, não foi de ânimo leve, ponderei bem os prós e os contras. Que este caso sirva essencialmente de um alerta para este facto cada vez mais real.

Muitos beijinhos a todos,

A. João Soares disse...

Caras(os) amigas(os)
Tenho aqui referido muitas vezes a característica deste blog que surge espontaneamente das intenções gerais dos autores trazerem temas sociais com algo de didáctico que possa contribuir para melhorar a sociedade em termos alargados até à humanidade.
Seria por isso interessante que sempre que possível relacionássemos os temas dos posts com outros anteriores.
Assim, o tema de bullying, tal como aqui é apresentado relaciona-se, embora ligeiramente, com o do post O medo...causado pela inteligência, pois parece que a inveja, a hostilidade a uma boa aluna que faz sombra aos colegas, esteve na origem da hostilidade que estes lhe dirigem.
Para a maior parte das pessoas a IGUALDADE significa ódio aos que sobressaem, com melhores capacidades, acabando por se cultivar a mediocridade num alinhamento por baixo, pelo menos capaz. Com tal critério, a «evolução» só pode ser para pior.
Abraços
João

Beta disse...

Olá Fernanda!
Que bom que resolveu ser mais um elo.
Seu texto é maravilhoso!

Parabéns e obrigada!
Vou seguir este blog ok?
ps: seu link já está lá no blog!

bj
Beta