12/04/2010

Realizações

Depois do post anterior, este texto vem dar continuação a um processo de meditação sobre o nosso real valor e a capacidade de realizarmos os nossos objectivos humanos e sociais. O autor dispõe de imensos trabalhos na Internet, bastando procurar no seu nome. Trata-se do brasileiro Paulo Roberto Gaefke (pensador, escritor, poeta).

Onde é que você está colocando os seus sonhos?
Em que altura está a sua felicidade?
Você está dependendo de alguma coisa para se realizar?
Está esperando alguém para te fazer feliz?
Que cor está o céu nesse momento?
Qual é a fruta da época?
Quem é seu melhor amigo?
Qual é o filme que você assistiu no cinema neste final de semana?
Qual a última peça de teatro que você viu?
O livro que você está lendo agora é drama ou ficção?
Qual a música que você cantou, hoje, debaixo do chuveiro?
Qual o sabor do seu sorvete preferido?
Sua roupa é alegre?
Seu rosto é expressão de alegria ou de dor?
A quantos bom-dia você respondeu hoje?
Quantos abraços você deu pela manhã?
Beijou quantos amigos e quanto aos entes queridos, quantos?
Disse eu te amo para quantos da sua família?
As realizações estão nas pequenas coisas; quanto mais você se envolve com a vida, mais ela te realiza.
Quanto mais pessoas você cativa, mais completa fica a sua vida.
Pegue a direção da sua vida e carregue-a rumo à felicidade.
Não espere algo ou alguém para realizar-se, a felicidade está onde você resolver colocá-la. Portanto, por que não colocá-la ao alcance das suas mãos?

E tem mais...

"Por favor, vou falar bem alto para você não esquecer jamais:
Não abra mão dos seus sonhos em favor de ninguém... Ninguém, entende isso?
Se alguém te pedir para abrir mão de alguma coisa que você deseja e precisa fazer, em nome de um capricho disfarçado de amor, não faça!
Não faça porquê você vai se arrepender e vai cobrar isso no futuro e essa dor eu não desejo para ninguém."

9 comentários:

orvalho do ceu disse...

Olá,
Fantástico!
Estou precisando mesmo de colocar esse post dentro do meu coração em todos os níveis do meu ser...
Avancemos!
Abraço fraternos

A. João Soares disse...

Cara Orvalho do Céu,

Ainda bem que gostou deste texto do seu compatriota Paulo Roberto.
Agradeço a visita e convido-a a voltar e ver com vagar os posts mais antigos, muitos dos quais do seu gosto.

Beijos
João

Luis disse...

Caro João,
Gostei imenso do post e fui ao link onde tive oportunidade de ver mais trabalhos dele, todos eles muito interessantes.
Vou lá voltar mais vezes.
Um abraço amigo.

A. João Soares disse...

Caro Luís,

Coloquei o link porque vi que se trata de uma «biblioteca» muito útil se colherem belos textos, pensamentos e poesias r dar-lhes mais publicidade.

Não se pode deixar de gostar de bons conselhos, numa época em que são tão raros e as pessoas se preocupam mais com a capa do que com o conteúdo, mais com o ter do que com o ser.

Um abraço
João

Chica disse...

Esse texto é mesmo maravilhoso e nos diz muito!abração,linda semana,chica

A. João Soares disse...

Cara Chica,

Muito obrigado pela visita e pelas palavras amáveis. O autor deste texto tem muitos conselhos publicados. N`Vale a pena abris o link constante no post e consultar algo do muito que encontra.

Beijos
João

Fernanda disse...

Querido amigo João,

Ainda não tive tempo para abrir o link, mas vou guardá-lo.

Este é seguramente mais um texto incrível, para reflectir.
Estou com mais uma tradução depois de aulas de manhã, mas publicarei algo meu amanhã.

Beijinhos

Ana Martins disse...

Caro João,
a felicidade constroi-se, conquista-se e não são precisos grandes luxos para que sejamos felizes.

Adorei o post!

Beijinhos,
Ana Martins

A. João Soares disse...

Amigas Ná e Ana,

A felicidade nada depende daquilo que se tem. Há ricos infelizes, escravos dos seus vícios de ambição, e há pobres, mendigos, que vivem felizes com o nada que usufruem. A felicidade depende apenas de nós, da forma como encaramos a nossa vida perante o ambiente, os outros.
A TV, há tempos falou com um sem abrigo que pernoitava e passava o dia deitado no passeio da Rua Augusta no centro da baixa de Lisboa e que se confessava feliz, levando essa vida por vontade própria. Já tinha tido um prémio alto no euromilhões e gastou-o rapidamente num bar pagando cervejas a todos os clientes que conhecia.
O post Simplicidade na vida dá ênfase a este aspecto, sendo interessante abrir os links nele inseridos.
Viver não custa, o que interessa é saber viver, com aquilo que está ao nosso alcance. A ambição desmedida é corrosiva e destrói a hipótese de se vir a seu feliz.

Beijos
João