21/04/2010

Leitura

As novas tecnologias nem sempre são as melhores...

O livro continua a ser o nosso melhor amigo!!!

genial...
http://www.youtube.com/watch?v=iwPj0qgvfIs

6 comentários:

Ana Martins disse...

Concordo amigo Luís,
não há nada como um bom livro!

Beijinhos,
Ana Martins

Pelos caminhos da vida. disse...

Concordo plenamente, o livro ainda é a melhor opção.

Que fundo musical lindo do vídeo.

Amigo pegue uma flor
a mais linda do seu jardim
e com carinho dê a quem você ama.

Pegue um sorriso,
aquele sorriso franco e doe
a um amigo que está triste.

pegue um raio de luz e esperança,
uma rosa branca, fale da paz...

Fale da ternura, fale do amor,
Fale da vida, da flor que desabrochou
da criança que em você acabou de nascer...
Amigo você pode mudar o mundo
Só você.

Mostre ao mundo que a felicidade
existe em cada canto do universo.

São pequenas gotas que fazem dos meus versos
um poema chamando esperança... Vida...
(Clicia Pavan).


beijooo.

A. João Soares disse...

Caro Luís

Uma publicidade inteligente das livrarias e editoras!!! E se for seguida, desaparecem mais uns milhares de árvores das florestas e a humanidade fica sem pulmões !!!

Abraço
João
Do Miradouro

Fernanda disse...

Querido amigo Luís,

Mesmo após a leitura do comentário do amigo João, também real, eu defendo e sempre defenderei que o livro viverá para sempre.
Depois, ao preço a que eles estão, poucos são os que os compram.
Por exemplo, eu sou sócia das bibliotecas de Cerveira e Valença, e é lá que vou buscar os meus livros.

Pertenço ainda a um Clube de Leitura, aqui mesmo onde moro, frequento o Clube Cultural de Campos e aí em grupo, com a Maria José Areal, quem mais???!!! fazemos gratuitamente às segundas feiras de tarde, sessões de leitura com direito a um chazinho e bolachas.
Estamos a ler Camilo Castelo Branco.

Como vê, nada como um bom livro e dar-lhe o uso apropriado.

Beijinhos

Luis disse...

Caro João,
Se cada editora replantasse uma árvore por cada livro que edita esse problema deixaria de existir...
É isso que já acontece com uma marca de água engarrafada e com uma fábrica de papel para fotocopiadoras.
Cuidar do ambiente é necessário mas a cultura da leitura é também conveniente.
Um abraço amigo

A. João Soares disse...

Caro Luís,

A solução de as editoras apoiarem a plantação de árvores é de fomentar. E, para dignificação dos livros deviam ser criados depósitos de livros tendentes a evitar a destruição de «restos de edições» que podem fazer desaparecer obras que bem merecem ficar para todos os tempos do futuro. É certo que o espaço tem custos, mas os governos esbanjam muito dinheiro em inutilidades e fantasias e este investimento é diferente e culturalmente rentável.
Quando foi lançado o primeiro Sputnik, pela União Soviética em 4 de outubro de 1957 no Cosmódromo de Baikonur no deserto próximo a Tyuratam na Cazaquistão, interessei-me por esse passo que previ vir a ser muito importante para a humanidade, procurei tudo o que podia para colher dados e escrevi uma série de artigos intitulados «astronáutica» num boletim editado mensalmente na EPI. As minhas mudanças de casa levaram ao desaparecimento dos exemplares que tinha guardado, mas, o que é mais grave, o «editor» não consegue fornecer-me cópias desses escritos que hoje gostava de rever.
Apelo a todos que respeitem um livro, não o destruam, se não têm espaço ofereçam-no a quem o aprecie.

Um abraço
João
Do Miradouro