19/12/2009

História de Natal - Homenagem a uma saudosa Mãe

Tomei a liberdade de aqui postar a História da Celle porque ela infelizmente não consegue fazê-lo. Espero que ela não se zangue pois só quis que a sua Homenagem fosse oportuna!
Mil beijinhos e desculpas pelo atrevimento.

Eis a sua linda e carinhosa Homenagem:

É Natal!
Tempo de Festa, de Alegria, de Solidariedade e Amor!
Particularmente gosto do Natal, venho de uma família tradicional criada observando o calendário católico e procurando agir de acordo com a doutrina cristã, que nos aconselha a ser solidários e ajudar os mais necessitados. Embora, praticando e ajudando dentro do possível, na verdade não RESOLVEREMOS os problemas do mundo,mas talvez possamos melhorar os que nos cercam , senão, teremos consciência que fizemos nossa parte, que tentamos...
Gosto do Natal porque além da comemoração do nascimento do Menino Jesus, com todo respeito, também comemorávamos, EM FAMILIA, o nascimento de uma criancinha, uma menina que teve o privilégio de nascer em tão significativa data!
“Virginia Julieta Chassim Drummond...” Nome grande, DE PRINCEZA, comprido para uma criança tão pequenina!!! Recebeu esse nome para homenagear suas avós, a paterna e a materna, dentro dos costumes da época.
Nasceu no seio de tradicional e conhecida família setelagoana, que gozava de grande prestígio na cidade! Era a quarta filha, nascida após três meninos. Portanto, quatro irmãos, só ela mulher. A menina crescia linda, uma bonequinha, loirinha de olhos azuis como o céu!.
Cercada de carinhos e mimos da mãe, (seu pai faleceu dois anos após seu nascimento), dos tios maternos que ajudaram sua mãe criar os filhos, então, órfãos de pai.
Na idade escolar,Vigininha foi para a escola, chamava atenção pela sua viva cidade inteligência e beleza: cabelos loiros encaracolados, a pele alva como a neve, um mimo!
Autentica princesa de contos de fadas!
Como era costume, criança ainda, sua familia ja havia escolhido um bom partido para casá-la, um primo engenheiro, que morava na cidade de Rio de Janeiro.
Ela foi crescendo, irradiando felicidade!
Desenvolvendo como criança saudável, sapeca, estudiosa, gostava de brincar e passeava pela calma cidade onde morava. Todos gostavam dela, chegou a adolescência, depois a juventude e então, como toda mocinha começou a namorar... Muitos pretendentes apareceram, arriscavam um namoro e seus irmãos punham todos eles a correr.
Cursou até se formar no curso secundário num colégio misto, só ela de mulher. No ginasial, transferiu-se para um colégio de freiras onde fez o curso Normal (professora). Formada, foi lecionar ajudando sua mãe então, professora numa escola pública.
Namoricos de juventude aconteciam escondidos... Até que, um dia, um dito namorado foi estudar em outra cidade, na capital mais precisamente, e deixou um amigo a tomar conta dela, a lhe mandar notícias deixando-o a par de como ela se comportava em sua ausência...
Não é que este olheiro, amigo da onça, passou -lhe a perna e ficou com a sua namoradinha, a tal princezinha! Eles se apaixonaram de verdade...é comprensível!
Independente, sabia já o que queria, muito teimosa batia o pé contra a proibição de seu namoro e desobedecendo a família ataram e firmaram um namoro sério, as escondidas...
A oposição famíliar aumentou visto ser ele pobre, filho de sapateiro, cujo pai idoso, nas horas vagas ele o ajudava no ofício... Sua família era grande e pobre, eram uns sete irmãos, e viviam com mais dificuldades, mas, sempre foi uma familia de bem, conceituada pelo caráter, honestidade e dons artísticos. João Fernandino Junior, um de seus tios foi o maior pintor da cidade, na época, deixou seu nome registrado na história local. Os demais tios criaram e participaram tocando instrumentos musicais na Banda de Musica da cidade: "Irmãos Fernandino". Eram todos unidos e muito alegres.
Com todas as dificuldades imagináveis ao namoro, as proibições os sermões as ameaças, o amor do casal só aumentava, nada temiam e o namoro continuava... Os amigos e parentes que não conseguiam entender tais atitudes da família dela, os acolhiam e os escondiam, ajudando o casal a se encontrar! Até na confecção do enxoval colaboravam, foi feito devagar, aos poucos e escondido, enquanto terminavam a casa onde iriam morar, quando casados.
Era guardado na casa de amigos, para não caírem em mãos indevidas, que certamente os sumiriam.
Rapaz responsável o Newton, se formou como Técnico em Contabilidade encontrou emprego no Banco agrícola, um Banco regional, onde fez carreira, trabalhou durante 34 anos e chegou ao cargo de Contador Geral, do mesmo!
Durante o namoro de 8 anos, comprou um lote, construiu a casa com dificuldades, onde ainda mora, na época era pequena, própria para o casal, diante da imensidade do sobrado onde ela vivia. Construida as margens da lagoa principal da cidade, ainda sem urbanização pois eles acreditavam que o progresso caminharia naquela direção e para lá se dirigiram após o casamento. Os convidados acompanharam o casal, a pé até a casa, foram parabenizá-los.
Passado o nervosismo e a tensão, tranquilos e felizes, lamentavam com os amigos a ausência dos parentes da noiva, que se encontrava trancada em casa.
Esqueci-me de dizer que o sr. Juiz de Paz era tio da noiva, impedido pela proibição de realizar o casamento da sobrinha, temeroso talvez, não providenciou os papeis, ela que havia trabalhado no cartório junto dele, não se intimidou preparou tudo como manda o figurino, publicou os proclames e um Juiz substitudo os casou! Que angustiante história de Amor?
Que responsáveis eles, né?... Final feliz Como nos contos de fadas! Casaram e viveram felizes para sempre!!! Tiveram 5 filhos; dois homens e três mulheres, que tenho a felicidade de ser uma delas... Viveram cheios de amor 65 anos, vencendo juntos os problemas normais de uma vida a dois.
Infelizmente, ela veio a falecer há 4 anos atrás, aos 90 anos de idade e o meu pai, ainda vivo, completará, dia 31 de dezembro de 2009, 97 anos. Uma benção!!! Viúvo, uma vida de aceitação dos desígnos de Deus, sem reclamações e exigências, é um idoso encantador, um sábio... Saudável, muito lúcido, cheio de projetos e sonhos.
Nesta época, faz questão da reunião de Natal em sua casa, com toda a família reunida, como se fazia antes, quando sua querida Virgininha era viva.
Rodeado pelos 4 filhos, perdemos nosso irmão mais velho, Mario Lincoln, que com certeza junto dela hoje, zelam por nossa união! E, os 17 netos e 17 bisnetos, coincidentemente, demonstra se sentir e estar muito feliz!...
Mamãe, simpática, solidária, a todos conquistava com seu gênio alegre e brincalhão, gostava muito de viajar, fazia doce gostosos, gostava de escrever e homenagear os aniversariantes, e de fazer trabalhos manuais. O robe favorito, o crochê tecia muito bem e o ensinava pacientemente, todas as 4ª feiras, no Clube de Mães Afeto, entidade filantrópica criada pelo Lions Clube, onde teve o prazer de dirigir e atuar como voluntária!!!
As mães carentes que se interessavam em aprender e se capacitar executando um trabalho, para no final do mes ajudar nas despesas da casa, ali se matriculavam graciosamente.
Virgíninha!
Mulher valente, guerreira, vanguardista e destemida, venceu a oposição da família, superou grandes obstáculos, sem medo de errar, acreditando, confiando no seu Amor, o que se concretizou !
Sua familia mais tarde, vendo-a feliz e realizada, reconhecendo as qualidades do Niton como mamãe o chamava, e ficou conhecido, se renderam a inocência dos sobrinhos-netos que, inocentemente perguntavam:
- por que tia Cadina, papai não sobe aqui?
- por que, vovó Bibitinha, convidei papai e ele disse que não pode subir?
Hoje, nossa família ouve papai contar sua história, sorridente, alegre, brincalhão, narra fazendo gozação. Elogios e loas, Newton, seu nome, rende ao seu grande amor, enaltecendo-a sempre, com os olhos marejados de saudades!
Nossos filhos e netos adolescentes, não entendem bem a situação, e riem incrédulos, duvidosos! ...não se vê usar mais oposição ao namoro, os jovens decidem tudo sozinhos!
Esta bonita história de amor vivida pelos nossos pais, quiz compartilhar com vocês, amigos do “Sempre Jovens”, como homenagem ao casal e principalmente a ela, minha mãe, que dia 24 de dezembro, faria 94 anos se viva estivesse!
Foi um amor bonito, digno de menção e elogios!!!

Aos amigos, um Feliz Natal, que o menino Deus cubra de bençãos todos vocês e com sua LUZ, ilumine seus caminhos para que ninguém se perca ou se extravie nas encruzilhadas da vida!
Feliz Natal! e ... Feliz Ano Novo!!!
Celle

Uma Vez mais peço a Deus que me desculpe desta inconfidência, mas foi a minha forma de me associar a esta linda Homenagem a uma GRANDE SENHORA! Renovo meu pedido de perdão !

9 comentários:

Fernanda disse...

Minha querida Celle,
Maninha.

Eu já li, mas não li tudo atentamente, o que pretendo fazer amanhã.
Aqui já é tarde...está na hora da Cinderela ir para a caminha.

Conte comigo novamente amanhã.
Beijos mil e docinhos.

Celle disse...

MEU QUERIDO LUIZ, UM DOS MEUS TESOUROS!

AMIGOS SÃO TESOUROS...
Por que me zangar, meu querido, quando a minha vontade é de lhe dar um beijo!
Emocionou-me seu gesto de amizade completando o desejo que não pude realizar, muito obrigada!
Fazer amigos é uma realização e me sinto assim entre vocês que tive a felicidade de encontrá-los neste ano.Espero com meu carinho e reconhecimento faça juz ás espectativas que tiverem de minha pessoa, contem comigo!
O Amor de meus pais lindo, puro sincero e verdadeiro, sentia que deviria contá-lo, queria que muitos pudessem compartilhar e sentir que não há barreiras nem empecilhos a um grande Amor!Que acreditem que com um pouco de paciência, perceverança, tolerância, compreensão as dificuldades serão superadas.
Por isso essa homenagem!
Amigo Luiz, só precisaria que meus erros na digitação, na fossem sanados antes da publicação! rsrsrs...
À todos Boas Festas, Um Feliz Natal!
Ao amigo, nossa gratidão, desejamos que neste Natal, principalmente,(vc me entende),o Menino Deus, cubra de bençãos todos seus entes queridos,com a PAZ, RESIGNAÇÃO, CONFIANÇA, ESPERANÇA E AMOR!
Um bom NATAL!!!
Celle

Fernanda disse...

Minha querida Celle,

O amor vence todas as barreiras!
A sua querida mãe merece este homenagem e muitas mais.
Comovi-me ao ler o seu belíssimo texto.
Felizmente tem o seu pai ainda consigo, inacreditável...com 97 anos e como o descreve...é maravilhoso!

Pelas suas fotos, que teve o carinho de me enviar, a Celle será a imagem viva da sua mãe, linda, olhos incrivelmente azuis e cabelos bem loiros, uma princesa ainda hoje.

Parabéns pelo texto e sobretudo pela bela família que tem.

Que o seu Natal seja o melhor de sempre e pense que a sua querida mãe está ali convosco, sorridente e linda, partilhando a vossa alegria.

Beijinhos muito doces para a minha maninha do coração.

Luis disse...

Querida Celle,
Acabei de ler o seu querido comentário e acredite que os olhos estão rasos de água e estou com dificuldade em escrever-lhe pois vejo mal o teclado.
Ainda bem que gostou, era essa a minha intenção, foi essa a minha prenda para o seu Menino Jesus!!!!
Beijos do coração para todos os seus que bem a merecem.

Fernanda disse...

Minha querida amiga Celle,
Sabe, com certeza absoluta, que o seu texto não ficaria por publicar, NUNCA!

Como lhe disse por e-mail, estava à espera da decisão do amigo João sobre quem iria publicá-lo, mais nada.
Mas isso agora é irrelevante.
Não posso deixar contudo de lhe dizer, que por mais que entenda as suas dificuldades em postar, que não teve qualquer problema em comentar .... este seu texto...
Para bom entendedor meia palavra basta.

Beijos e Votos de Feliz Natal.

A. João Soares disse...

Querida Amiga Celle,

A amiga não é a sempre jovem da família!. Essa qualificação cabe com toda a justiça a seu pai que, apesar de 97 anos de experiência e aprendizagem da sabedoria da vida, mantém a força e a vivacidade de que a Celle nos fala.
Parabéns para ele por tudo e por ter uma filha que muito o ama. Parabéns à Celle por ter uma família tão unida e por ter escrito este texto tão encantador.

Beijos
João

Irene Moreira disse...

Cara Celle

Muito linda essa História de Amor. Uma união de 65 anos é uma vida e realmente é de se louvar... são almas gêmeas que se encontraram.
Feliz Natal a todos e que o Menino Jesus abenções a todos.

Beijos

Celle disse...

Meus queridos, João Ná e Luiz!
Obrigada por lerem e se manifestarem sobre meu longo texto, deixando-me comovida pelas palavras carinhosas e amigas!
Urgentemente quero me defender para não passar por mentirosa. Estive problemas de configuração de programas e de instalação do computador após voltar pra casa depois de 18 dias. Meu neto me socorreu reajustando e desfazendo meus erros após a generosa publicação do meu texto pelo amigo Luis a quem de coração agradeço.
Sabedora que se não fosse o Luis, você Ná ou o João o fariam, como ele o fez, por isso recebam meu sincero reconhecimento. Estimo muito todos vocês, em meu coração juntamente com meus entes queridos, meus amigos também ali se encontram!!!
Beijinhos
Celle

Celle disse...

Irene Moreira

OBRIGADA POR DEIXAR SEU COMENTÁRIO
Viver 65 anos juntos,é "Uma Vida!"
Dificil sim, impossível não!

Acreditar no Amor se faz necessário.
O que chama de Almas Gêmeas, nós chamo de "Amor".
Os exercícios diários, pequenas renuncias, alguns sacrificios mesmos, que o casal faz prazerosamente, pois querem e lhes interessa continuar juntos.
Uma opção, que não lhes prejudica, ao contrário, os une cada vez mais.
Havendo o interesse de ambos de permanecerem juntos se faz necessário trabalhar, diariamente: Atenção,Amizade,Carinho,Confiança, Consideração,Cortesia, Lealdade,Respeito, Paciência,Pesistência, Tolerância,são DONS E VIRTUDES necessárias,segundo meu pai.
ESTE É O SEGREDO...
Resumindo: "EDUCAÇÃO"

Boas Festas,Feliz Natal!