17/12/2009

Em caso de sismo


Tenha em atenção que o comportamento das pessoas em situações de grande emergência é significativamente diferente do seu comportamento em situações normais. Assim conte que, durante uma catástrofe, por cada 100 pessoas: 1 a 3 ficam totalmente descontroladas (têm comportamentos irracionais e potencialmente perigosos); 50 ficam apáticas e necessitam de ordens; 22 a 24 ficam paralisadas (não se movem e precisam ser ajudadas); 25 não entram em pânico e podem tomar decisões pelo que podem tomar iniciativas de liderança e ajudar os outros.

No interior do edifício:

- Normalmente é melhor não tentar sair de casa a fim de evitar o risco de ser atingido, na fuga, pela queda de objectos.

- Permaneça calmo e preste atenção ao estuque, tijolos, prateleiras ou outras estruturas ou objectos que possam cair.

- Afaste-se de janelas, vidros, varandas ou chaminés.

- Abrigue-se rapidamente num local seguro, por exemplo, no vão de uma porta interior firmemente alicerçada, debaixo de uma mesa pesada ou de uma secretária; se não existir mobiliário sólido, encoste-se a uma parede interior ou a um canto e proteja a cabeça e o pescoço.

- Se estiver num edifício alto, não procure sair imediatamente pois as escadas podem estar cheias de pessoas em pânico e/ou haver troços de escada que ruíram;

- Não utilize o elevador pois a electricidade pode faltar e provocar a sua paragem;

- Se estiver num local amplo com muitas pessoas ou numa sala de espectáculos não se dirija para a saída pois muitas outras pessoas podem ter tido essa ideia.

- Abrigue-se debaixo de uma mesa, de uma secretária ou no vão de uma porta.

- Se tiver que abandonar o edifício faça-o cuidadosamente prestando atenção à possível queda de objectos. Procure com serenidade refúgio numa área aberta, longe dos edifícios, sobretudo dos velhos, altos ou isolados que possam ruir a uma distância de, pelo menos, metade da sua altura.

- Afaste-se de torres, postes, candeeiros de iluminação pública, cabos de electricidade ou de estruturas que possam desabar, como muros ou taludes; não corra nem vagueie pelas ruas.Se for a conduzir um automóvel, pare no lugar mais seguro possível, de preferência numa área aberta, afastada de edifícios, muros, taludes, torres ou postes. Não pare nem vá para pontes, viadutos ou passagens subterrâneas.

- Permaneça dentro da viatura até que o sismo termine. (Texto Adaptado)

5 comentários:

Fernanda disse...

Querido amigo João,

Bons conselhos, sempre muito úteis.
As pessoas nessas circunstâncias tendem a agir irracionalmente, a entrar em pânico e a não saber o que fazer.
Este texto servirá de guia.
Perfeito!

Beijinhos

Luis disse...

Caro João,
Mais uma achega: Nos últimos grandes sismos verificou-se que quem estava muito junto a sofás ou colchões tinham sofrido menos que outros pois essas peças amorteciam as quedas de pesos e criavam bolsas que lhes permitiam respirar mesmo soterrados!
Um abraço amigo.

Fernanda disse...

Querido amigo João,

Quando li o seu texto de manhã, não sabia ainda que tinha havido um leve cismo em Portugal. Só à hora do almoço ouvi a notícia e o José confirmou que o sentiu, muito levemente.

Beijinhos

A. João Soares disse...

Ná e Luís,

Há 234 anos houve um grande sismo que arrasou Lisboa. Dizem os entendidos que cerca de 200 anos depois haveria outro. Por isso é provável que não tardem muitos anos para que ele ocorra.
E como está a urbanização de Lisboa? Os hospitais terão acessos libertos para poderem ser úteis e receber os feridos? Os bombeiros estão situados de forma a poderem sair com as suas viaturas e chegar aos locais onde são necessários os socorros? etc., etc.
Poucas avenidas ficarão em condições de permitir a circulação. A quase totalidade das ruas ficará completamente fechada ao trânsito dom os destroços das casas semi-destruídas.
Os cuidados a ter não se referem apenas às pessoas mas principalmente aos responsáveis autárquicos, do Governo e aos serviços públicos em geral.
Pensem e façam qualquer coisa de positivo.

Abraços
João

Anónimo disse...

Quando elas acontecem a todos se ouve dizer que nunca ninguém lhes disse como deviam actuar face a um terramoto...
A verdade é que a informação circula, mas como nunca se está à espera que ele venha aí, não se lhe dá grande importância.
Como nos devemos defender se a casa tremer...já foi difundido mais do que uma vez, mas volto com ela para relembrar aos mais distraidos...
Terramoto...pps
Depois não me venham dizer que nunca ninguém lhes disse como fazer... (se tiverem tempo...)
Um abraço e muito Boas-Festas
JCastroBrito