10/11/2009

QUAL CRISE ENERGÉTICA?



Tem sido sempre dito que o petróleo é um combustível fóssil e, como tal, as suas resevas são limitadas e durariam, no máximo,até cerca de 2060!
É nesse sentido que se fala que o pico petrolífero já fora alcançado no passado e, dessa forma, iríamos ao encontro de uma crise energética.
E se assim não acontecesse, o que seria se o combustível petróleo não fosse de origem fóssil?
Se isso for verdade nunca haverá o chamado pico petrolífero e não haverá jgualmente nenhuma crise energética!
Os russos têm ultimamente feito pesquisas sobre esta assunto, começando-se agora a falar com insistência no petróleo abiótico (não fóssil).
Descobriram-se lagoas de hidrocarbonetos no planeta Titan corroborando, de alguma forma, as pesquisas feitas como resultado das extracções efectuadas a mais de 13 Kms de profundidade.
As reservas de petróleo que já deveriam estar vazias desde os anos 70 voltaram novamente a encherem-se por si mesmas. Isto só aconteceu e só pode ser explicado pela produção incessante de petróleo abiótico no interior da Terra. Tal acontece por ele ser originado através de reacções anorgânicas e não pela decomposição de organismos mortos, como era geralmente aceite até há pouco tempo atrás.
Em laboratórios foram criadas condições semelhantes aquelas que predominam nas profundezas do planeta e foi possível produzir metano, etano e propano.
Por outro ladoo petróleo não pode ter 500 milhões de anos e permanecer tão "fresco" no solo até hoje!
Os russos, como disse anteriormente, dominam por completo a complexa técnica deperfuração das profundezas da Terra e, assim, provaram ser falsa a explicação dos geólogos ocidentais.
Nos anos 40 e 50 descobriram até com alguma surpresa que as reservas petrolíferas se reenchiam por si próprias e de baixo para cima. Chegaram pois à conclusão que o petróleo é produzido nas profundezas da Terra e emigra para a superficíe onde se acumula.
No último ano a Rússia ultrapassou a extracção do até agora maior produtor mundial, a Arábia Saudita!

Então pergunta-se:
  • Porquê se fala tanto na crise energética?
  • A quem interessa tal ficção?
  • Em que medida isto pode afectar o Meio Ambiente?
E, como Alguém Amigo costuma dizer, "nada disto acontece por acaso"!!!!

6 comentários:

A. João Soares disse...

Caro Luís,

Se isto se confirmar, lá teremos o aumento da poluição e a destruição do planeta.
Será desejável que não parem com o aumento da utilização das energias renováveis limpas, sem poluição.

Mas as habilidades de marketing das grandes multinacionais ligadas ao petróleo têm que ser controladas para não estragarem a Natureza, na ânsia dos lucros. Isso obriga a políticos mais competentes e capazes.

Um abraço
João

Fernanda disse...

Meu querido amigo Luís,

A ser um facto o que nos relata este texto tão preocupante, estaremos cada vez mais perto do fim.

A solução passa pelas energias renováveis, como salienta o amigo João, mas elas tardam em chegar e julgo que serão sempre escassas.


Beijinhos

Táxi Pluvioso disse...

Sorte têm os portugueses que preferem o vinho.

Manuela Araújo disse...

Caro Luís
Crise energética? Isso é para fazer subir os preços! O "óleo preto" ainda está aí para durar... e poluir.
Alguns "donos do petróleo" que ditam a economia mundial, infelizmente, vendo que não conseguem calar os que reclamam por um melhor ambiente, propõe-se estudos no âmbito do sequestro do carbono.
Concordo com a Fernanda, a aposta deve ser forte nas renováveis e na redução de consumo, só assim será sustentável.
Um abraço

Luis disse...

Chegou-me, entretanto, mais esta informação que reputo muito importante e, daí, introduzi-la como um novo comentário:
Entretanto, nos anos 90, a Rússia estava de tal modo à frente do Ocidente na tecnologia de perfuração profunda, que Wall Street e os bancos Rockfeller e Rothschild forneceram dinheiro a Michail Chodorkowski com a missão de comprar a empresa Iukos por 309 milhões de dólares, a fim de obter o know-how da perfuração a grande profundidade.
Michail Chodorkowski mandado prender por Putin
Pode-se agora perceber por que é que o presidente Wladimir Putin fez regressar a Iukos e outras petrolíferas novamente para mãos russas. Isso era decisivo economicamente para a Rússia, e Putin expulsou e prendeu alguns oligarcas russos.
Entretanto, os chamados "cientistas", os lobistas, os jornalistas a soldo e os políticos querem que acreditemos que o fim do petróleo está a chegar, porque supostamente a produção já atingiu o seu pico e agora está a decrescer. Naturalmente, a intenção é criar um clima que justifique o alto preço do petróleo e com isso obter lucros gigantescos.
Sabe-se agora que o petróleo pode ser explorado praticamente em toda a parte, desde que se esteja disposto a investir nos altos custos de uma perfuração profunda. Qualquer país se pode tornar independente em matéria de energia. Simplesmente, os donos das petrolíferas querem países dependentes e que paguem caro pelo petróleo importado.
A afirmação de que existe um máximo na extracção de petróleo é, de facto, um golpe e uma mentira da elite global. Trata-se de construir uma escassez e um encarecimento artificial. Tudo se resume a negócios, lucro, poder e controle.
Aliás, é absolutamente claro para todos que o Iraque foi invadido por causa do petróleo. Somente, não foi para extrair o petróleo, mas, pelo contrário, para evitar que o petróleo iraquiano inundasse o mercado e os preços caíssem. Antes da guerra, o Iraque extraía seis milhões de barris por dia, e hoje não chega a dois milhões. A diferença foi retirada do mercado. Saddam Hussein ameaçou extrair quantidades enormes de petróleo e inundar o mercado.

Tal significou a sua sentença de morte, e por esse motivo o Iraque foi atacado e Saddam enforcado. Agora os EUA têm lá tropas permanentemente. Ninguém tem licença para explorar o petróleo do país com a segunda maior reserva petrolífera do mundo. Por isso, o Irão, com a terceira maior reserva petrolífera do mundo, é agora também ameaçado por querer construir «armas de destruição massiva».

A. João Soares disse...

Caro Luís,

Fizeste bem a adicionar estes dados. A pouco e pouco, vamos juntando as peças do puzzle e compreender melhor o mundo em que vivemos.
Mas aqui também está o interesse dos industriais de automóveis contra as inovações dos eléctricos.
Tudo o que trata de negócios tem o olho no lucro por qualquer meio, sem olhar a princípios morais e humanos.

Abraço
João