06/11/2009

Definições


Alerto para o vocabulário, muito popular. Mas como me foi enviado por uma amiga que reputo da mais esmerada educação, aqui o coloco para apreciação dos estimados visitantes. Enquadra-se na sequência dos posts anteriores sobre as excelências do Homem e da Mulher

15 comentários:

Beta disse...

é verdade!
hahahahaha
coitadas de nós mulheres!!!

Bj
Beta

Silvana Nunes .'. disse...

Navegando sem ruma com a intenção de divulgar o meu blog, cheguei até você e gostei do que vi, tanto que pretendo voltar mais vezes. No momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da tela do computador está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar cuidado. Em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
Eu como professora e pesquisadora acredito num mundo melhor através do exercício da leitura e enauqnto eu existir, vou lutar para que os meus ideiais não se percam.
Se gostar da minha proposta, siga-me.
Por hoje fico por aqui, Espero nos tornarmos bons amigos.
Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre.
Saudações Florestais !

Fernanda disse...

Querido amigo João,

Estou a comentar só para confirmar "o meu jogo de cintura" ou talvez melhor, o meu poder de contrapor a vontade de alguns em diminuir a condição feminina a um nível inqualificável.

A mulher é um ser igual ao homem em tudo, estamos a falar em todos os aspectos, excepto o físico, obviamente, até porque a Mulher que o É, é um ser muito mais belo, muito mais perfeito do que o homem.

A considerar alguns aspectos do pps como verídicos, os homens que pensam e agem como tal, estou-me agora a referir a esta última frase "A diferença entre uma "Boa Secretária" e uma Secretária Boa" é que a primeira diz "Good Morning ,Sir." E a segunda diz "It's Morning, Sir "!!!
são os "porcos" que se servem delas para se sentirem mais homens.
Lamentavelmente, essas ..... são as que por falta de mérito/valor tentam ascender a um posto ou segurança no trabalho que lhe seria negado se agissem de outra forma.
Felizmente os tempos estão a mudar, há cada vez menos "gentalha" que pensa assim e que vê a mulher como um ser que luta pelo seu lugar numa sociedade que se quer cada vez mais justa e humana.

Sei que este seu post provocatório para qualquer mulher decente, e elas são inquestionavelmente a maioria, nada tem a ver com a forma como pensar, mas ele está aqui e nunca passaria e branco.

Beijinho

A. João Soares disse...

Amigas,

Estas frases não são agradáveis para qualquer pessoa decente, mas a realidade é que elas mostram uma posição acentuadamente machista que se vem prolongando há muitos anos.
Os significados das palavras datam de há muito tempo.
E estas tradições não desaparecem de repente. Como diz a Beta, coitadas das mulheres que, mesmo sérias, não deixam de estar sujeitas a pensamentos menos puros das suas vizinhas e vizinhos.

Beijos
João

Silvana Nunes .'. disse...

Certamente. Eu sou professora de português, filha de professores de português. naquele tempo meus pais nem tinham tempo para os filhos, trabalhavam feito loucos. Minha mãe lavava roupa e corrigia provas de madrugada. Minha avó teve um papel importantíssimo na minha vida, ela era uma contadora de causos, passava horas sentava no quartinho escutando, enquanto ela ajudava a minha mãe passando as roupas .
Saudades.
Fico feliz em ter gostado do texto. Foi uma forma de homenagear uma pessoa que foi uma divisora de águas em minha vida, embora eu respirasse cultura.

Maria Letra disse...

Amigo João Soares,
Eu deixo aqui, tão somente, a prova de que vi o vídeo. Não quero comentar muito porque eu não distingo o ser humano pelo sexo. Distingo-o pela cultura e pela educação, não deixando passar, sem um reparo, que há pessoas com uma imaginação muito fertil.
O João Soares está assim como que entre a espada e a parede, porque as mulheres não perdoam os 'ataques' à sua condição de mulheres, o que acho muito bem. Estou com elas, salientando que há condenações a fazer de parte a parte, sempre sob um prisma de educação, respeito - devido a qualquer ser humano - e cultura ...
Um abraço.
Maria Letra

A. João Soares disse...

Amiga Mizita,

Não se trata de ataque às mulheres. Talvez seja mais justo dizer ataque à sociedade, pois estas definições são parte da cultura portuguesa. Seremos um povo machista? Serão ainda heranças do domínio árabe no sul de Portugal?
Serão precisos muitos anos para que isto desapareça.

Beijos
João

Maria Letra disse...

Amigo João Soares,
Perdoe-me a opinião, mas eu não só acho tratar-se dum vídeo de teor altamente ofensivo, como reflecte a falta de educação de quem o fez. Não me surpreenderá tanto que tenha sido editado, mas surpreende-me que tenha sido o amigo a fazê-lo, embora até talvez compreenda porque o fez. Ou não compreenderei? Talvez não.
Não queria alargar-me no meu comentário mas estive a revê-lo e, como é hábito em mim, escrevo o que me vai na alma.
Um abraço.
Maria Letra

MARA disse...

Amigo João,

DEFINIÇÕES!!!
Me perdoe mas, são tristes, feias e altamente ofensivas. Já não há mulheres dos tempos dos Árabes, portanto, para quê lembrar as tristezas do passado? As mulheres já caminham à frente dos homens! Pelo menos uma grande maioria. E é para a frente que devemos todos olhar, não para trás!
A Autora de tal <"EXCELÊNCIA" não merece parabéns. A minha sensibilidade
não resistiu e, por isso, me liberto do que me picou.

Abraço
Milai

Luis disse...

Minhas Amigas e Amigo João,
Este tipo de definições são, na maioria dos casos, estereótipos muito batidos e gastos refletindo por isso algo que já se não coaduna com a realidade! Julgo ser este o caso presente. Peço desculpa a todos mas para mim o homem e a mulher não são são nem iguais nem diferentes - são complementares. Cada um tem o seu lugar e é nessa complementaridade que haverá equilibrio na vida. Muitas vezes me lembro das palavras muito sensatas de meu Avô que dizia: Os defeitos dos homens nas mulhers e o contrário são sempre aberrantes e desiquilibrados. E, sinceramente, sinto que as tentativas de supremacia quer dos homens quer das mulheres caiem nesta situação. Sendo complementares tudo passa a ser razoável!
Desculpem-me todos mas é assim que penso e procedo e não me tenho dado mal!!!
Beijinhos e abraços.

A. João Soares disse...

Amigas Mizita e Milai,

O mundo não melhora se teimarmos em ignorar e ficar indiferentes a realidades que, mesmo muito negativas, não podem ser escamoteadas. Só conhecendo o que existe, os sentimentos e as tendências é que podemos, dentro das nossas possibilidades, melhorar aquilo que nos cerca.
Não elaborei o ficheiro Power Point, recebi-o por e-mail, considero-o um testemunho de quanto a nossa sociedade tem sido machista, com o consentimento de homens e de mulheres. Nos bairros mais pobres do Porto, as mães ao ralharem com os filhos usam termos muito mais «altamente ofensivos» (palavras usadas por Mizita e Milai) do que as do post. O post mostra realidades da cultura nacional, que é inútil negar ou ignorar. A cultura de um povo não é só o que há de melhor e mais positivo.
E as amigas, ao quererem endeusar a mulher, não devem ignorar os casos que referi no comentário que deixei no belo poema da nossa amiga Ana Martins em que nos retrata o AMOR maternal de uma mãe que considero estar muito acima do comum dos mortais. A forma como ela se dirige ao filho é maravilhosa, divinal.
Mas, infelizmente, há mulheres que não lhe chegam à planta dos pés. Dirão que são poucas que são uma minoria, mas para mim elas são exageradamente numerosas, porque uma já seria demais.
Pela minha parte, estas polémicas e as vossas reprimendas podem repetir-se porque a amizade que nos une suporta as vossas reacções rápidas após leituras apressadas.

Beijos
João

Maria Letra disse...

Amigo João Soares,
Vou mesmo ter de responder a este comentário, sob pena de ficar colocada numa plataforma que NÃO ME PERTENCE. Faço-o pelo carinho que me merece.
Faço, primeiro, referência à nota pessoal colocada no vídeo:
"Alerto para o vocabulário, muito popular. Mas como me foi enviado por uma amiga que reputo da mais esmerada educação, "
a) A amiga, da mais esmerada educação, enviou por e:mail para não ferir susceptibilidades.
"aqui o coloco para apreciação dos estimados visitantes."
b) Com a cobertura do direito que me foi dado de comentar (com sinceridade), comentei segundo a reacção que me causou.
"Enquadra-se na sequência dos posts anteriores sobre as excelências do Homem e da Mulher."
b) Como Mulher que defende um melhor tratamento, eu não enviaria este vídeo a um familiar, muito menos a um amigo.

1. Eu não vivo indiferente às realidades que referiu e que conheço bem, infelizmente. Oh se conheço!!! Luto a favor da sua eliminação.
2. Eu sei que o vídeo não é de Sua autoria, João Soares, mas refere que, por exemplo, uma mulher pública é ----. Tenho uma jovem neta que é figura pública, na sua simplicidade e, portanto, sinto-me magoada.
3. Há muita mulher solteira que não é pingente, muito pelo contrário. É uma ofensa a quem optou por não casar.
4. Sou sogra e nem por isso fui, sou ou serei ----.
5. Tive um espírito, por vezes, aventureiro (no bom sentido) e nunca fui prostituta.
6. Há muitas D.ªs Joanas que merecem todo o respeito e há muitos D. Joãos que precisavam de ser metidos na ordem.

Estes foram os pontos que me chocaram. Os termos chocantes, já os recebo da mesma forma que recebo uma notícia sobre mais uma corrupto que usurpa um valor que não devia pertencer-lhe. Estou a ficar habituada, mas que enjoa, enjoa, deixe-me a ser sincera, amigo João Soares.

O meu sempre amigo abraço!
Maria Letra

MARA disse...

Amigo João Soares,
Nos bairros mais pobres de Lisboa, as mães, ao ralharem aos os filhos, não usam termos "muito mais ofensivos do que os do Post"?. O João está a colocar as mulheres de Lisboa (em termos de palavrões) acima das do Porto. Olhe que eu sou do Porto!!! E para mim as mulheres dos bairros mais pobres de Lisboa também não são "flores que se cheirem". E ainda, quanto a mim, as mães do norte a sul de Portugal (e de todos os países deste Mundo que está a "aprodecer" a olhos vistos), as dos niveis sociais mais pobres, é claro, são todas farinha do mesmo saco.

Quanto ao resto da questão, e se a Mizita me permitir, eu repito tudo o que ela disse nos pontos 1,2,3,4,5,6 do seu comentário. Ela disse, precisamente o que eu diria!

E agora, amigo João, se essa sua amiga de educação tão esmerada colocasse as definições ao contrário! Será que o meu amigo as publicaria, do mesmo modo, neste seu blog de tão alto nivel, como é conhecido? Hummm, creio que não, e sabe porquê?
Porque os seus sentimentos mais nobres
iriam ressentir-se como se ressentiram os nossos.

Esta sua amiga de sempre
Milai

Fernanda disse...

Querido amigo João,

Não pretendo lançar mais lenha para a fogueira, de modo algum, pelo contrário.
Contudo gostaria de repetir aqui as suas palavras, muito claras, objectivas e realistas, porque quer nós mulheres queiramos ou não, a luta é nossa e só nossa... para que sejamos respeitadas, vistas e julgadas como seres iguais.
Desculpe amigo Luís, mas iguais, neste contexto não significa que não nos completemos. Sabe do que falo.

"Estas frases não são agradáveis para qualquer pessoa decente, mas a realidade é que elas mostram uma posição acentuadamente machista que se vem prolongando há muitos anos.
Os significados das palavras datam de há muito tempo.
E estas tradições não desaparecem de repente."

Foi óptimo que tivesse trazido este tema ultra polémico ao nosso Blogue. Fica aqui bem clara a posição de cada um de nós.

Beijinhos amigo,

A. João Soares disse...

A fim de evitar que o diálogo continuasse a descambar para um nível impróprio da qualidade que se pretende para o SEMPRE JOVENS, pensei eliminar este post, mas não fiz por respeito aos comentadores que tiveram a gentileza de aqui vir e dedicar algum do seu tempo e, depois, pela posição sensata da amiga Ná.

Lamento, porém, não ter sido capaz de exprimir a todos os visitantes o intuito da publicação deste post que era somente o de fazer notar que a língua portuguesa, na sua versão menos erudita, é exageradamente machista, para as mentalidades actuais.
Efectivamente, lamento não ter sido suficientemente claro para todos me compreenderem a intenção. Dos termos usados e significado dado pelos portugueses não podem nem devem ser atribuídas culpas ao autor do pps ( que desconheço), a quem o fez circular por e-mail desde há alguns anos, nem a quem o publicou neste blogue. Aliás, a Ná explica bem isso, o que lhe agradeço.

Cumprimentos
João