21/11/2009

O bambu chinês!

Mais uma vez, decidi publicar um pequeno texto de um escritor que admiro. Embora não sendo o meu favorito, é contudo seguramente um dos que diz, quase sempre, tudo o que penso de uma forma absolutamente brilhante.

Depois de plantada a semente do bambu chinês, não se vê nada por aproximadamente cinco anos - excepto um diminuto broto. Todo o crescimento é subterrâneo; uma complexa estrutura de raiz, que se estende vertical e horizontalmente pela terra, está sendo construída. Então, ao final do quinto ano, o bambu chinês cresce até atingir a altura de vinte e cinco metros.

Muitas coisas na vida pessoal e profissional são iguais ao bambu chinês. Você trabalha, investe tempo, esforço, faz tudo o que pode para nutrir o seu crescimento e, às vezes, não vê nada por semanas, meses ou anos. Mas, se tiver paciência para continuar a trabalhar, persistindo e nutrindo, o seu quinto ano chegará; com ele virão mudanças que você jamais esperava.

Lembre-se que é preciso muita ousadia para chegar às alturas e, ao mesmo tempo, muita profundidade para agarrar-se ao chão.
Imagem da Net
Paulo Coelho

Fernanda Ferreira

6 comentários:

A. João Soares disse...

Querida Ná,

É isso mesmo. Vive-se na penumbra com um trabalho diário, paciente dedicado e, ao fim de três anos, surge uma boa fada madrinha que dispara uma bruta festa de aniversário que atordoa os espíritos e destrói as falangetas.

Beijos
João

Luis disse...

Querida NÁ,
Não há dúvida que este texto revela muita sabedoria e foi bem escolhido para o nosso blogue, pois vem ao encontro da nossa maneira de ser.
Gostei imenso!
Um beijinho amigo.

Ana Martins disse...

Adorei o texto querida amiga, ele nos faz reflectir, pela sua veracidade e profundidade.

Aproveito para dizer aos meus colegas do Sempre Jovens que vou estar ausente por uns tempos, dado que actualmente não tenho condições para continuar.

Tenho agendado um post para dia 25 deste mês no ave sem asas e pretendo publica-lo também aqui.

Quando me sentir melhor queridos amigos, voltarei.

Beijinhos,
Ana Martins

Fernanda disse...

Querido João,

Que bem humorado que está...
Fiquei com um sorriso de orelha a orelha.

A verdade é que foram pelo menos duas, não esqueça a nossa grande amiga Ana Martins, sem o seu constante apoio e o seu belo poema não seria a mesma coisa.

Trocamos um sem fim de e-mails, ela queria pedir a todos os colegas que colocassem o poema e uma introdução própria nos seus Blogues, mas já eram quase 23:00 e não dava tempo... foi uma maratona, mas valeu a pena,
Ainda hoje se sente a sua felicidade, isso é o mais importante.

Espalham-se as raízes que fortificam e se enraizam com mais e mais profundidade... e passado o tempo necessário crescem as árvores (neste caso os bambus), mas bem podiam ser fruteiras carregadas de belos frutos.

Beijinhos

Fernanda disse...

Querido Luís,

Fico muito feliz que tenha gostado, como alguém me costumava dizer, eu tenho dedo.

Vem sim senhor, completamente ao encontro da nossa maneira de ser e estar na vida.

Beijos

Fernanda disse...

Querida Ana,

Obrigada Ana, mas agora fiquei com um leve sabor amargo na boca...como fazemos sem ti???

Espero que não seja nada de grave. Fico preocupada.
Volta depressa.

Beijinhos