28/01/2010

SEMPRE QUE A NOITE VEM...

Imagem da net


Sempre que a noite vem
Silenciosa, de mansinho me agarrar,
Engrandece na magia que ela tem
O desejo incorrigível de te amar.

E quando a noite desce
Tumultuosa, apressada e inconsequente,
Ela não sabe mas te digo que estremece
O desejo em minha alma já sedente.

Mas quando a noite mostra
Calmamente, com suavidade o luar,
Acredita meu amor que ela gosta
De connosco conjugar o verbo amar!


Ana Martins
Escrito a 3 de Setembro de 2009

6 comentários:

Luis disse...

Querida Ana,
Mais um lindíssimo poema! E este falando de Amor não demonstra tristeza, pelo contrário é vivo, tem força e mostra alegria!
Adoro a sua forma de se exprimir nos poemas que nos traz!
Um beijinho muito amigo.

A. João Soares disse...

Querida Ana,

Quando o amor é forte e dominador, qualquer noite é bem vinda! E mais agradável é ler um poema que descreve estas tonalidades numa tela sempre bem preenchida de cores vivas, aliciantes. É como os seus poemas que seja em que momento nos cheguem, com frio, chuva, nevoeiro ou calor estival são sempre um encanto.
Parabéns por mais este.

Beijos
João

direitinho disse...

A Ana tem destas coisas como a noite.
Pegou num pensamento que de anoitecer lhe fez escrever coisas tão saborosas.

Fernanda disse...

Querida amiga Ana,

Tudo em ti é amor...é paixão.
Este poema não podia dar melhor imagem do que o amor representa na tua vida.
Lindo!
Admirável, como sempre!

Beijinhos

Celle disse...

Ana,dizer mais o que?
Parabens por mais este lindo e encantador poema gerado por um ser também de coração especial!
Beijinhos
Celle

Ana Martins disse...

Olá a todos,
ontem não andei por cá, estava exausta e não me senti com forças para permanecer no computador. Hoje acreditem não estou melhor que ontem, mas achei que era meu dever vir aqui pelo menos um bocadinho.

Deixo então um beijinho a todos os que aqui comentaram.

Ana Martins