12/01/2010

"ONDE ANDARÁ O MEU DOUTOR!"














Quantas lembranças este texto de autor desconhecido nos fará lembrar!
Saudosos de um atendimento personalizado...
Hoje , acordei sentindo uma dorzinha...
Aquela dor sem explicação e uma palpitação!Resolvi procurar um doutor...Fui divagando pelo caminho...Lembrei daquele médico que me atendia vestido de branco e que para mim tinha um pouco de pai, de amigo e de anjo...
Meu doutor, que curava a minha dor!
Não apenas a do meu corpo, mas a da minha alma...
Que me transmitia paz e calma...
Chegando à recepção do consultório, fui atendida com uma pergunta!
-"Qual o seu plano?
-O meu plano"
Ahhh! O meu plano é viver mais e feliz!
É dar sorrisos, aquecer os que sentem frio e preencher esse vazio que sinto agora!
Mas, a resposta teria que ser outra! O "meu plano de saúde"...
Apresentei o documento do dito cujo já meio suado tanto quanto o meu bolso...
E aguardei. Quando fui chamada, corri apressada...
Ia ser atendida pelo doutor, ele que cura qualquer tipo de dor!
Entrei e o olhei...Me surpreendi.. .Rosto trancado, triste e cansado."Será que ele estava adoentado?
É, quem sabe, talvez gripado!"Não tinha um semblante alegre,provavelmente devido a febre...
Dei um sorriso meio de lado e um bom dia!
Olhei o ambiente bem decorado.Sobre a mesa à sua frente um computador e no seu semblante a sua dor....O que fizeram com o doutor? Quando ouvi a sua voz de repente:"O que a senhora sente?"Como eu gostaria de saber o que ele estava sentindo...Parecia mais doente do que eu a paciente..." Eu? Ah! Sinto uma dorzinha na barriga e uma palpitação"e esperei a sua reação.Vai me examinar, escutar a minha voze auscultar o meu coração.Para a minha surpresa apenas me entregou uma requisição e disse:- "Peça autorização desses exames para conseguir a realização...
"Quando li quase morri..."Tomografia computadorizada","Ressonância magnética"e "Cintilografia"!
Ai meu Deus! Que agonia!!! Eu só conhecia uma tal de "abreugrafia"...
Só sabia o que era "ressonar" (dormir), de "magnético" eu conhecia um olhar... e "cintilar" só o das estrelas!
Estaria eu a beira da morte? De ir para o céu? Iria morrer assim ao léu? Naquele instante timidamente pensei em falar"Não terá o senhor uma amostra grátis de calor humano para aquecer esse meu frio?
O que fazer com essa sensação de vazio?
Me observe doutor! O tal "Pai da Medicina", o grego Hipócrates acreditava que,"A ARTE DA MEDICINA ESTÁ EM OBSERVAR". Olhe pra mim...É bem verdade que o juramento dele está ultrapassado! Médico não é sacerdote...Tem família e todos os problemas inerentes ao ser humano...Mas, por favor me olhe!Ouça a minha história!Preciso que o senhor me escute e ausculte! Me examine! Estou sentindo falta de dizer até "aquele 33"!
Não me abandone assim de uma vez! Procure os sinais da minha doençae cultive a minha esperança! Alimente a minha mente e o meu coração...
Me dê ao menos uma explicação! O senhor não se informou se eu ando descalça...
Ando sim! Gosto de pisar na areia e seguir em frente deixando as minhas pegadaspelas estradas da vida, estarei errada? Ou estarei com o verme do amarelão?
Existirá umas gotinhas de solução? Será que já existe vacina contra o tédio? Ou não terá remédio? Que falta o senhor me faz, meu antigo doutor!
Cadê o Scoot, aquele da emulsão? Que tinha um gosto horrível mas me deixava forte que nem um "Sansão"! E o elixir? Paregórico e categórico E o chazinho de cidreira, que me deixava a sorrir sem tonteiras? Será que pensei asneiras?
Ahhh! Meu querido e adoentado doutor! Sinto saudade...
Dos seus ouvidos para me escutar...
Das suas mãos para me examinar...
Do seu olhar compreensivo e amigo...
Do seu pensar
Do seu sorriso que aliviava a minha dor...
Que me dava forças para lutar contra a doença...
E que estimulava a minha saúde e a minha crença...
Sairei daqui para um ataúde? Preciso viver e ter saúde! Por favor me ajude!
Ohhh! Meu Deus, cuide do meu médico e de mim, caso contrário chegaremos ao fim...
Porque da consulta só restou uma requisição digitada em um computadore o olhar vago e cansado do doutor!
Precisamos urgente dos nossos médicos amigos... A medicina agoniza... Ouço até os seus gemidos... Por favor! Tragam de volta o meu doutor! Estamos todos doentes e sentindo dor.
E Peço!!!
PARA O SER HUMANO UMA RECEITA DE "CALOR"
E PARA O EXERCÍCIO DA MEDICINA UMA PRESCRIÇÃO DE "AMOR"!
"ONDE ANDARÁ O MEU DOUTOR?"

10 comentários:

Luis disse...

Querida Celle,
Realmente a actual Medicina está desumanizada, já não há o "velho João Semana"!
Mas isso acontece só na Medicina, é toda uma sociedade que assim está! As novas tecnologias se por um lado ajudam a resolver os diversos problemas que lhe são postos por outro tratam o ser humano como se de um robot se tratasse. É o preço do Progresso!
Como a compreendo...
Um beijinho amigo.

Luis disse...

Por lapso omiti a palavra não retirando todo o sentido pretendido nessa frase. Rectifico: "Mas isso não acontece só na Medicina..."
Desculpas e um beijinho.

filomeno2006 disse...

¿Cuándo incluirá la SS a la "Computadora HAL" en su cuadro de asistencia sanitaria?

A. João Soares disse...

Querida Celle,

Uma linda fotografia do estado a que chegou a medicina, dramático, sem humanidade.
O seu doutor já morreu há uns anos e não foi substituído. Jamais será substituído. Agora estamos na época do robot e do computador, que não sabem tratar-nos com afecto.

Beijos
João Soares

direitinho disse...

Gostei muito desta história que nos afecta a todos nós e cada dia mais profundamente.
O caso do doutor é o que mais mexe cá dentro,mas temos muitos outros em que o computador veio desumanizar mais a nossa relação com o mundo das finanças, segurança social, justiça e claro com os médicos de família.

Fê-blue bird disse...

Atendimento personalizado, simpatia e sobretudo empatia...tudo se vai acabando.
Porque nem todos sabem ser médicos, não basta ser inteligente é preciso ser humano!
Abraços

filomeno2006 disse...

Saudades do dr. Joaquim Isabelinha (q.e.p.d.)........

Fernanda disse...

Querida Maninha Celle,

Adorei ler este texto pela verdade que ele encerra e a forma como está escrito.

Infelizmente esses doutores não existem mais, e os que ainda há estão lamentavelmente em vias de extinção.
Antigamente quando se chagava ao médico até as dores já tinham passado, Sabíamos que seríamos bem cuidados, mimados e logo ficaríamos bons.

Agora nada disso, ir ao médico pode ser uma agonia.
Felizmente não é o meu caso, com as minhas duas médicas que sempre me atendem, são ambas amigas e humanas.
Mas em caso de urgência, nos hospitais, já passei muito mal nas mãos de monstros insensíveis, desses que nem olham para a gente, como se fossemos vermes nojentos.

Bem haja por este texto.
Beijinhos

Luis disse...

Meus Amigos,
Lembrei-me agora de outro tipo de médicos, os "médicos da Caixa"!
Vou-lhes contar o que aconteceu com um amigo meu que é pouco dado a doenças e nunca tinha dado faltas no emprego. Um dia estava cheio de febre e com dores no corpo todo que mal se podia mexer, e lá foi à "Caixa" para ser visto pelo médico para se tratar. Lá chegado, depois de uma longa espera, entrou no gabinete do médico que sem levantar os olhos pegando na caneta e no papel da "baixa" lhe perguntou quantos dias de "baixa" pretendia! Como calculam a sua reacção foi brutal, disse-lhe que não queria "baixa" alguma o que queria era ser observado e tratado! Enfim foi um "sururu" dos diabos com o médico "enrrascadíssimo" a tentar desculpar-se e o meu amigo danado com tudo o que se passava. Mas acreditem: há muitos médicos destes e estes são muito queridos dos maus trabalhadores que tudo fazem para nada fazerem .
Para muitos a medicina tornou-se num negócio e nada mais!!!
Um abraço amigo.

A. João Soares disse...

Caro Luís,

O mal está dos dois lados. Os doentes também estão mal habituados e a habituar mal os médicos.
Olha para esta!
Um dia Cristo, com saudades dos seus tempos terrenos, resolveu fazer uns trabalhinhos de curas. Foi às urgências de um hospital muito concorrido, onde o médico de serviço estava estafado de atender tanto doente e tinha a sala com muita gente à espera.
Cristo passou pelo vestiário, vestiu uma bata e dirigiu-se ao médico: colega vá descansar um pouco que eu fico a substituí-lo até que regresse.
Venha o que se segue. Entrou um homem já de idade, com duas canadianas mal podendo avançar. Ajudou-o a sentar-se na cadeira e disse para lhe dar as canadianas que encostou à parede. duas palavras amáveis e, como não havia tempo a perder, levante-se e pode sair, afinal o senhor está bom. Não se esqueça de levar as canadianas. O homem pegou nas canadianas debaixo do braço, saiu e os doentes que estavam à espera perguntaram como é o novo médico.
Resposta do ex quase paralítico: como os outros, é o costume. Não me auscultou, não mediu a tensão, não me receitou nada. Nem me perguntou nada para pôr na ficha.

E esta? Dá para perceber?

Um abraço
João