19/01/2010

EDUCAÇÃO

CONFLITO DE GERAÇÕES

A propósito do post sobre uma criança ter morto a tiro o seu Pai e um amigo do mesmo lembrei-me desta notícia que transcrevo:

"Falando sobre conflitos de gerações, o médico inglês Ronald Gibson começou uma conferência citando quatro frases:

1. "A nossa juventude adora o luxo, é mal-educada, despreza a autoridade e não tem o menor respeito pelos mais velhos. Os nossos filhos hoje são verdadeiros tiranos. Eles não se levantam quando uma pessoa idosa entra, respondem aos pais e são simplesmente maus."

2. "Não tenho mais nenhuma esperança no futuro do nosso país se a juventude de hoje tomar o poder amanhã, porque esta juventude é insuportável, desenfreada, simplesmente horrível."

3. "O nosso mundo atingiu o seu ponto crítico. Os filhos não ouvem mais os pais. O fim do mundo não pode estar muito longe."

4. "Esta juventude está estragada até ao fundo do coração. Os jovens são maus e preguiçosos. Eles nunca serão como a juventude de antigamente... A juventude de hoje não será capaz de manter a nossa cultura."

Após ter lido as quatro citações, ficou muito satisfeito com a aprovação que os espectadores davam às frases. Então, revelou a sua origem:
- a primeira é de Sócrates (470-399 a.C.)
- a segunda é de Hesíodo (720 a.C.)
- a terceira é de um sacerdote do ano 2000 a.C.
- a quarta estava escrita em um vaso de argila descoberto nas ruínas da Babilónia e tem mais de 4000 anos de existência."


Nota:


É verdade que no decorrer dos tempos sempre houve o chamado "Conflito de Gerações", só que este se tem agravado brutalmente motivado por erros consecutivos na educação das crianças. Todos nós sabemos que na fase da adolescência e com a afirmação da vontade há sempre choques com os Pais e Educadores! Mas nunca como agora!... Quem fez as anteriores citações se hoje vivesse ficaria completamente estarrecido com o que via e dificilmente perceberia como se tinha atingido tal estado de coisas! As suas previsões foram amplamente superadas no pior dos sentidos! Há que rever a forma de educar os filhos e isso passa por reforçar a Família e a Escola!

12 comentários:

Ana Martins disse...

Caro Luís,
Concordo totalmente, o apoio e amor incondicional dos pais e educadores só poderá criar crianças meigas e futuros adultos seníveis e responsáveis.

Beijinhos,
Ana Martins

A. João Soares disse...

Amigos Luís e Ana,

*Pego nas palavras da Ana «apoio e amor incondicional dos pais». O adjectivo incondicional pode trazer muita confusão no espírito de pais demasiado influenciados pelo monetarismo moderno. Tudo deve ser feito dom muita sensatez, «com conta peso e medida». Apoio não é dar aos filhos tudo o que pedem lançando-os numa vida desregrada em que tudo aparece, sem mérito, nem esforço, sendo possível ostentar as melhores marcas de roupas e acessórios, vencer as competições de luxo e libertinagem. Amor não é satisfazer os menores caprichos dos meninos, e submeter-se a todas as suas exigências.
Num restaurante onde costumo almoçar nos domingos, aconteceu durante uns meses aparecer um pai jovem com um rapazinho em semanas alternadas. Entre eles havia uma luta afectiva latente, em que o miúdo dominava o pai e este tudo fazia para que o filho não fizesse birra e, em vez da sopa acabava por dar ao menino o chocolate que ele pedia, etc. Provavelmente não queria que o filho lhe desse menos amor do que à mãe.

Hoje é raro os pais perante uma exigência dos filhos aproveitem para lhe dizer que o dinheiro é um recurso finito, que é fruto de trabalho e que deve ser gasto com sensatez nas coisas de que se precisa ou se gosta, mas que depois deixa de estar presente para comprar outras . É preciso decidir, fazer escolhas, avaliar prioridades, resistir a tentações, optar.
Além desse aspecto material, há os afectos que se trocam, dependendo a nossa libardae dos linmites das liberdades dos outros, respeitando, ajudando, cooperando, com os outros, para beneficiarmos de igual atitude deles.
O respeito, a amabilidade, a amizade e outros afectos devem ser reciprocamente praticados. Ninguém se deve considerar alvo de todas as atenções se desprezar todos os outros.
Estas ideias raramente são transmitidas às crianças desde pequeninas, desde a primeira mamada.

Beijos à Ana e um abraço ao Luís.
João

Beta disse...

Pode até ser que isto já existisse, mas tá difícil esta nossa geração viu...

bj
Beta

J.Ferreira disse...

Caro amigo Luís,

Como o seu próprio texto claramente indica, e nós bem sabemos, o conflito entre gerações é um facto.
Já o meu avó dizia que o Mundo estava perdido, que se estavam a perder os valores mais elementares, etc.
Depois os meus pais diziam o mesmo, e agora somos nós.

Sabemos portanto que tema sempre foi debatido e os temos são os mesmos e sempre actuais.
É evidente que aos nossos olhos houve uma total perda de conceitos que fazem parecer que tudo está perdido, mas não creio.
A Vida dá lições a todos e temos que ter mais esperança na nova geração, basta estar mais atentos e dar-lhes mais apoio.

Abraço
José

Fernanda disse...

Querido Luís,

Pouco mais há a acrescentar. Dou toda a razão ao José.

Para meu espanto, como nos últimos dias tenho andado com um amigo a fazer divulgação da campanha Limpar Portugal nas escolas, é com o maior orgulho que vos digo que estão os nossos Jovens muito mais empenhados e sensibilizados para a acção do que as pessoas da minha geração.
É fantástico ver e saber que temos inscritos em Cerveira 50 pessoas, e mais cerca de 120 escuteiros.
Conto que o número triplique muito brevemente.

Hoje como ontem... e até antes de Cristo, a tendência é ver e sentir a juventude perdida (o que não deixa se ser um facto), num país onde não há segurança, não há o conceito de família, onde todos lutam por si não olhando quem calcam para conseguirem um objectivo, parece-me normal que alguns se iniciem mal na vida e enveredem por caminhos errados, mas tenhamos alguma esperança, muitos se salvarão, a vida os ensinará.

Beijinhos

A. João Soares disse...

Gosto de ver o optimismo do José e da Ná (pela ordem dos comentários!). Se derem um passeio pelo Do Miradouro encontram por lá vários posts a enfatizar o valor de muitos jovens que se têm destacado em muitos aspectos positivos. E tem que ser mesmo assim porque o futuro é deles. Os efeitos de qualquer decisão de hoje que se prolongue no tempo, vai afectar mais os jovens do que os que estão a pouco tempo do fim da vida.
As notícias da Ná acerca do entusiasmo dos jovens para LIMPAR PORTUGAL é um bom sinal de que eles estão atentos às suas responsabilidades de cidadania.
Há um parti«do que tem substituído quase anualmente o seu dirigente máximo e há quem que tal sistema continue na mesma e poucos se orientam por um mais jovem, dizendo que este tem pouca experiência. Ora a «experiência» dos mais idosos é a corrupção, a intriga, a luta partidária, esquecendo-se de construir o futuro do País. Venham os jovens para o poder. Comecem a sentir o peso da responsabilidade e exercitem-se com vontade de vencer, de recuperar os erros que as gerações anteriores fizeram.

Gosto deste tema.

Beijos e abraços (conforme os destinatários!)
João

Luis disse...

Queridos Amigo(a)s,
Claro que acredito que ainda há Familias onde se dá a devida atenção e carinho aos seus filhos, como também há escolas e professores que sabem acompanhar e ensinar os seus alunos e como resultado disso aparecem jóvens com qualidades e valores a permitir-lhes serem futuros responsáveis na condução do País.
Casos há já actualmente que fazem sugerir que isso irá acontecer mais cedo do que se pode crer. O problema é, como bem diz o João, a "velharia" cheia de vícios não querer dar a mão a esses jóvens, com medo de perderem o poder de se apoderaram a qualquer preço! Por outro lado essa "velharia viciosa", vendo-se atacada, procura "comprar" jóvens menos bem formados para com eles fazer frente a esta situação, mas que com o tempo e a incompetência de que são possuidores não irão longe para bem de todos nós Portugueses!
Estou a gostar das reacções havidas, é sinal que acreditamos no ressurgimento de Portugal!
Um abraço amigo.

A. João Soares disse...

Caro Amigo Luís,

Tocas num aspecto interessante - a velharia quer manter ciosamente o exclusivo dos seus tachos. É por isso, por exemplo, que há falta de médicos e tem de se recorrer a espanhóis, cubanos, brasileiros e ucranianos. A «meritória» ordem dos médicos, dificulta a formação de novos médicos, tendo começado por criar o «número clausus». Mas nem assim evitaram todas as mortes por erro ou incúria de doentes mal tratados.
E a OM ainda não aprendeu que está no mau caminho, por exemplo, quanto á universidade de Aveiro.
Portugal voltou em força ao tempo do FEUDALISMO. Ninguém, com algum poder pensa nos outros, na população em geral e nos jovens, os obreiros de amanhã.
Por isso, terão de ser eles a avançar. Gostava de ver alguém com menos de quarenta anos a candidatar-se a PR, contra o velho e doente Alegre e o Cavaco ou outros que apareçam. Os próximos quatro anos e os seguintes são dos jovens de hoje e não dos idosos em fim de vida.

Um abraço
João

Táxi Pluvioso disse...

Conflito de gerações é natural, tal como respirar.

Fernanda disse...

Querido amigo Luís,

Permita-me responder ao meu amigo T.P.
Ele é alguém especial, não fossem os seus posts serem extraaaaaaaaa longs e ele ter a fobia dos Links:))))))
Desculpa lá amigo mas é verdade!!!!!

Uma pessoa "normal" e não te estou a chamar "frick " nem nada que se pareça...eu gosto muitíssimo de ler o que escreves (só abro dois ou três links):))))))) e pronto, conforme já te disse , para quem escreve como tu os teus comentários são ......assim, deixando as pessoas a pensar que nem sabes comentar, que não tens poder argumentativo.

Beijão da tua amiga

Luis disse...

Querida NÁ,
Como sempre está mais que desculpada!!!Ahahahahah
Um beijinho amigo do coração.

A. João Soares disse...

Caros Amigos,

As crianças e a juventude precisam de aprender boas lições práticas da vida, da forma como gerir os pequenos problemas que diariamente se lhes deparam. O post Vida de um bilionário. Aprenda apresenta-nos o exemplo de Warren Buffet, um dos homens mais ricos do mundo, que recentemente fez uma doação de 31 bilhões de dólares para a caridade. Contém alguns aspectos interessantes de sua vida, extraídos de uma recente entrevista à CNBC.

Cumprimentos
João