21/01/2010

EDUCAÇÃO

A EDUCAÇÃO COMEÇA EM CASA!

A propósito lembrei-me deste artigo que tem uns tempos mas que está sempre actual:

A geração do ecrã
«Desculpem se trago hoje à baila a história da professora agredida pela aluna, numa escola do Porto, um caso de que já toda a gente falou, mas estive longe da civilização por uns dias e, diante de tudo o que agora vi e ouvi (sim, também vi o vídeo), palavra que a única coisa que acho verdadeiramente espantosa é o espanto das pessoas.·Só quem não tem entrado numa escola nestes últimos anos, só quem não contacta com gente desta idade, só quem não anda nas ruas nem nos transportes públicos, só quem nunca viu os 'Morangos com açúcar', só quem tem andado completamente cego (e surdo) de todo é que pode ter ficado surpreendido.·Se isto fosse o caso isolado de uma aluna que tivesse ultrapassado todos os limites e agredido uma professora pelo mais fútil dos motivos - bem estaríamos nós! Haveria um culpado, haveria um castigo, e o caso arrumava-se.·Mas casos destes existem pelas escolas do país inteiro. (Só mesmo a sr.ª ministra - que não entra numa escola sem avisar - é que tem coragem de afirmar que não existe violência nas escolas).·Este caso só é mais importante do que outros porque apareceu em vídeo, e foi levado à televisão, e agora sim, agora sabemos finalmente que a violência existe!·O pior é que isto não tem apenas a ver com uma aluna, ou com uma professora, ou com uma escola, ou com um estrato social.·Isto tem a ver com qualquer coisa de muito mais profundo e muito mais assustador.·Isto tem a ver com a espécie de geração que estamos a criar.·Há anos que as nossas crianças não são educadas por pessoas. Há anos que as nossas crianças são educadas por ecrãs.·E o vidro não cria empatia. A empatia só se cria se, diante dos nossos olhos, tivermos outros olhos, se tivermos um rosto humano.·E por isso as nossas crianças crescem sem emoções, crescem frias por dentro, sem um olhar para os outros que as rodeiam.·Durante anos, foram criadas na ilusão de que tudo lhes era permitido.·Durante anos, foram criadas na ilusão de que a vida era uma longa avenida de prazer, sem regras, sem leis, e que nada, absolutamente nada, dava trabalho.·E durante anos os pais e os professores foram deixando que isto acontecesse.·A aluna que agrediu esta professora (e onde estavam as auxiliares-não-sei-de-quê, que dantes se chamavam contínuas, que não deram por aquela barulheira e nem sequer se lembraram de abrir a porta da sala para ver o que se passava?) é a mesma que empurra um velho no autocarro, ou o insulta com palavrões de carroceiro (que me perdoem os carroceiros), ou espeta um gelado na cara de uma (outra) professora, e muitas outras coisas igualmente verdadeiras que se passam todos os dias.·A escola, hoje, serve para tudo menos para estudar.·A casa, hoje, serve para tudo menos para dar (as mínimas) noções de comportamento.·E eles vão continuando a viver, desumanizados, diante de um ecrã.·E nós deixamos.»·
Alice Vieira, Escritora

9 comentários:

Fernanda disse...

Querido amigo Luís,

Estamos de acordo o mais possível!

Sem a educação em casa a Escola só por si pouco pode fazer.

Conheço um caso de perto, que tal como no vídeo, o exemplo da mãe acabou por tornar o filho num verdadeiro ladrão.

O resto de passa a todos os níveis, todos sem excepção.

Beijinhos

Carlos Albuquerque disse...

Reconfortante, e saudável, ver que num blog se encontra citação de Alice Vieira. Conheci-a, já lá vão muitos anos, era ainda vivo seu marido Mário Castrim, como ela jornalista e critico de televisão do extinto Diário de Lisboa.
Acutilante e verdadeiro o artigo de Alice Vieira.
E não é só na escola. Por toda a parte estamos a criar uma sociedade desumanizada e despida de valores!
E nós deixamos, pois deixamos...
A vertigem do consumismo, no sentido mais lato que o vocábulo possa ter, a tudo se sobrepõe!
Abraço, Luis

Luis disse...

Amigos,
É sempre agradável sentir a Vossa visita e ler os Vossos comentários sobre o que postamos.
É isso que dá vida aos Blogues e lhes dá razão de vida.
Ainda bem que gostaram e a propósito há como que uma continuação deste post num texto na minha "Tulha" que penso que ireis também gostar.
Um abraço amigo.
Luís

Luis disse...

Querida NÁ,
É sempre agradável ir à "Casa do Rau" pois aí se vê o cuidado com que faz a difusão dos Blogues amigos. Estão sempre "Up to date", sem atrasos, mesmo não tendo tempo no momento para comentar os seus post's. Isto revela a sua Dinâmica, Amizade, Carinho e Solariedade pela causa que todos nós seguimos nos mesmos!
Um beijinho muito e muito amigo.

Ana Martins disse...

Caro Luís,
o que está a acontecer é fruto da negligência dos pais que por sua vez estão muito mais absorvidos com os seus problemas e se esquecem que as crianças precisam de amor, atenção e orientação. Quando há uns dias atrás comentei um post do João dizendo que os pais deveriam dar aos filhos amor e apoio incodicional, referia-me precisamente à educação, atencão e orientação.

Como Mãe sei bem que não sou perfeita, mas posso dizer alto e bom som que os meus filhos nunca faltaram ao respeito a quem quer que fosse, assim como nunca quando eram pequenos tive problemas de os levar a establecimentos de brinquedos ou jogos. Sempre lhes fiz ver que não podiam ter tudo e que amigo não é só quem dá, mas sim quem nos ensina e orienta no caminho do bem.

Beijinhos,
Ana Martins

Celle disse...

Meu caro Luis!

Educação vem de berço, é verdade.
O exemplo, as normas de conduta, os princípios básicos do viver bem e harmonicamente, ainda continuam obrigação dos pais, eles são os responsáveis pela formação do caráter dos filhos. É de pequeno que se torce o pepino... filho é, RESPONSABILIDADE DOS PAIS,pelo menos deveria ser.
Mais tarde é que entram os professores. Deveriam encontrar o aluno ja educado, no caminho reto, para cuidar então de ajudá-lo a adquirir conhecimentos, na complementação de sua educação, na sua preparação para a vida, mesmo assim, sob o olhar atento dos pais, para intervir se necessário, pela autoridade que deveriam ter sobre o filho!
Assim foi nossa educação e não temos nada a reclamar dos nossos pais, autoritários e sempre presentes nos corrigindo na hora H...
Celle

Luis disse...

Minhas Boas Amigas ,
É isso mesmo que está a faltar aos Pais actuais! Desligaram-se dos filhos e entregaram-nos ao ecrã e depois queixam-se... A sociedade está pôdre!
Na Tulha há continuação deste tema!
Um beijinho

direitinho disse...

Bom dia
Obrigado pela partilha e pelo alerta, mas parece que é areia a cair em saco roto. Todos sabem mas poucos fazem alguma coisa. Os que procuram educar levam uma vida inteira e uma simples amizade leva tudo a perder.
Esta geração não aceita os nossos princípios nem as nossas regras. Contestam e aceitam essas telenovelas de futilidades e mentiras de drogas e intimidades perniciosas. Curtem...dizem eles!
Caro amigo chegamos ao cumulo de um pai entrar num infantário e agredir um menino que agredia a sua educanda..."in Correio da Manhã de 21 do corrente mês"
Esta geração de Pais já não recebeu educação e como sabe ninguém dá o que não tem.
Nós os - COTAS - vamos desaparecendo e dando lugar a esta geração que destrói tudo por dentro e por fora construindo uma nova sociedade que não se sabe como irá também ela acabar.
Hoje somos nós a geração que sofre todo o conflito do passado e do futuro incerto e instável.
Não é por andarem muitos anos na Escola que são mais cultos e educados.
A família que os alimenta tem que ter a capacidade de os educar com regras e boa educação e mal vai um país se pretende destruir a família e substituir-se a os pais.

A. João Soares disse...

Caros leitores,

As crianças e a juventude precisam de aprender boas lições práticas da vida, da forma como gerir os pequenos problemas que diariamente se lhes deparam. O post Vida de um bilionário. Aprenda apresenta-nos o exemplo de Warren Buffet, um dos homens mais ricos do mundo, que recentemente fez uma doação de 31 bilhões de dólares para a caridade. Contém alguns aspectos interessantes de sua vida, extraídos de uma recente entrevista à CNBC.

Cumprimentos
João