19/01/2010

SEM INSPIRAÇÃO

Imagem da net

Não me sai uma palavra
Da angústia redobrada
Por perder a inspiração...

O que escrevo fica sem graça,
Não tem crédito e esvoaça
Sem um rastro de emoção.

Não me sai uma palavra
Da fantasia considerada
Baboseira ou ilusão...

Sinto a alma engasgada,
E tristemente mergulhada
Em perfeita confusão.

Não me sai uma palavra
Nesta ânsia depauperada
De dar asas à imaginação...

Fica no curso da longa estrada
Um vazio de tudo e nada
E uma estranha sensação!


Ana Martins
Escrito a 18 de Janeiro de 2010

9 comentários:

Luis disse...

Querida Ana,
O seu poema é lindo e contraria "a sua falta de imaginação"!
Mostra como lhe é fácil usando as palavras criar um momento imaginativo e cheio de força!
Por graça diria que foi "mentirosa" quando fez este poema! rsrsrsrsssss
Um beijinho muito amigo.

Ana Martins disse...

Obrigada Luís, achei muito engraçada a parte do "mentirosa"

Beijinhos,
Ana Martins

A. João Soares disse...

Querida Ana,

Que faria se tivesse inspiração!
Linda poesia a descrever o esforço de quem teima em rimar num momento menos propício e a dar força ao ditado «Querer é poder».
Da minha parte ideias não me faltam mas, por mais inspiração que possa ter, falta-me a arte de colocar as peças do puzzle, jogar com as palavras para expressar a ideia de forma graciosa, rítmica e com sonoridade. Vou-me contentando por ir amontoando os vocábulos conforme o espontâneo fluir da ideia, em prosa boçal, que procuro ser clara para depois lhes perceber o sentido e a intenção se lhes fizer segunda leitura!
Mas desculpe estar a falar de mim em vez de lhe elogiar o poema que acho maravilhoso, acima de qualquer avaliação minha, que seria sempre em palavras muito insignificantes para a sensação que as suas poesias me despertam.

Beijos
João

Ana Martins disse...

Muito obrigada João. Embora o nosso colega e amigo Luís tenha dito que fui "mentirosa" neste poema, o que achei muita graça, confesso que não fui, há dias assim em que quero escrever, tenho o tema, mas as palavras não me saiem e quando saiem não resultam bem.

Beijinhos,
Ana Martins

MARA disse...

Querida Ana,

Acontece-me exactamente o mesmo. Sinto, por vezes, muita vontade de fazer um poema mas não consigo. Quantas vezes começo e e deixo ficar o que saiu sem graça. Guardo e na próxima vez dou mais um jeitinho.
Pensei que me acontecia só a mim!

Beijnhos
Mlai

Fê-blue bird disse...

Quando estamos perante uma tragédia que ultrapassa a nossa compreensão, esvai-se tudo dentro de nós.
No entanto a amiga conseguiu "mentir" como disse o Luís, muito bem, apesar da desilusão e da dor.
Beijinhos

J.Ferreira disse...

Olá amiga Ana,

A inspiração para um poeta é mais importante do que para qualquer outro tipo de escritor.
Contudo, veja como mesmo sem inspiração fez um belo poema.

Parabéns,
José

Fernanda disse...

Querida Ana,

Tu és tão sensacionalmente boa no que mais gostas de fazer, que mesmo sem imaginação/inspiração fazes coisas lindíssimas.

Parabéns amiga,

Ana Martins disse...

Amiguinha Mara,
penso que acontece a todos os que escrevem. Há dias em que as palavras simplesmente fluem sem qualquer esforço, há outros em que é melhor guardar a caneta e o papel.

FÊ-BLUE BIRD,
grata pelo simpático comentário!

J.Ferreira,
sabe que nunca tinha pensado nisso?
Mas talvez faça todo o sentido.

NÁ,
querida amiga, tu estragas-me com mimos, mas devo confessar, é tão bom sentir que apreciam o que fazemos!

Beijinhos a todos,
Ana Martins