28/01/2010

O Sal e a Pressão Alta

O sal é um mineral composto por dois elementos principais: o sódio e o cloro, que se juntam formando o cloreto de sódio. Cinco por cento do sal recolhido do mar é utilizado para consumo humano. O restante vai para a indústria, servindo para fabricar papel, tecidos, cosméticos, tinturas, detergentes, remédios, etc.
O sal é necessário para manter a vida. O sódio tem funções nobres no organismo: contribuir para transmitir os impulsos nervosos do cérebro para todo o corpo, permitir a contracção muscular e participar da regulação do ritmo .

Como o sódio provoca pressão alta? A ingestão excessiva de sal faz aumentar a quantidade de sódio no sangue, mas o equilíbrio entre sódio e água no organismo tem que ser perfeito. Existindo mais sódio precisa haver mais água. Com o sódio aumentando no sangue, complicados mecanismos hormonais entram em ação para equilibrar as águas corporais. Se este equilíbrio não ocorrer, o organismo vai ter que tirar água de dentro das células, provocando desidratação e risco de morte.
Só que este aumento do volume de sangue por causa do aumento da quantidade de água (para diluir o sódio) faz aumentar a pressão dentro das artérias.Como as artérias e veias não podem deixar o sangue sair e inundar o nosso corpo, a quantidade aumentada de líquidos fica presa e aumenta a pressão dentro das artérias, provocando a hipertensão arterial.
A pressão alta dentro das artérias vai machucando suas paredes, que podem se romper (derrame) ou entupir (infarto).

O leite materno tem somente um “pinguinho” de sal.Porque a natureza sabe que o sódio
é indispensável até para o bebé, mas sem excessos. Devemos -nos lembrar que o gosto pelo sal é adquirido. O bebé será um adulto com pressão alta dependendo também do que ele aprender em relação à quantidade de sal que satisfizer seu paladar. E o gosto adquirido pelo sal vai depender do nosso cuidado com a quantidade de sódio que as crianças ingerem.
A Organização Mundial da Saúde determina que a quantidade máxima de sal que cada adulto deve comer por dia é igual a 5 gramas. Cinco gramas estão contidos em uma colher de chá.Cinco gramas de sal correspondem a aproximadamente 2,5 gramas de sódio.

No Brasil cada pessoa ingere em torno de 10 gramas de sal por dia,o dobro da quantidade recomendada . Se viver de sanduíches, batata frita, salgadinhos e comida industrializada, pode chegar a 20 gramas por dia, ou mais.Dez gramas de sal obrigam o organismo a reter 1 litro de água, todos os dias! Que aumenta o volume de sangue circulando, que obriga o coração a trabalhar com mais força, que aumenta a pressão arterial, e tudo o mais que a gente já sabe.
Assim como nós, humanos, temos sal em nosso organismo, todos os outros seres vivos também têm. A carne de vaca é naturalmente salgada, assim como a das aves e peixes.
Por incrível que pareça, os vegetais também contêm sal, ainda que em menor quantidade. Existem duas atitudes que a gente pode começar a tomar a partir de agora: Eliminar o uso do saleiro.Ler as informações nutricionais dos produtos que compra.
O sal contido nos alimentos já é mais do que suficiente. Não é necessário acrescentar mais sal na comida.

Vamos proteger a vida?
Matéria de Educação para a Saúde.Permitida a divulgação desde que respeitada a fonte,
sem alteração de forma e/ou conteúdo. Todos os direitos reservados.
Algumas informações fisiológicas estão simplificadas com a finalidade de facilitar o entendimento.
www.marpan.com.br

Material recolhido de pps, recebido por e.mail.

Fernanda Ferreira (Ná)

6 comentários:

A. João Soares disse...

Querida Amiga Ná,

Bons conselhos e bem explicados. Já transcrevi para o Saúde e Alimentação, porque convém ser divulgado.

Beijos
A. João Soares

Fernanda disse...

Querido amigo João,

Também pensei nisso!
Se já lá está melhor, será maior a divulgação.
O sal em excesso Mata.

Beijinhos

J.Ferreira disse...

Olá!

Estava aqui a ler este teu trabalho e a pensar na quantidade de sal que mesmo assim ingerimos em excesso.

Vamos ter de cortar! Ainda mais.
É tudo uma questão de hábito.

Beijo
J.Ferreira

Luis disse...

Querida NÁ,
Bom texto para alertar para o uso regrado deste condimento que durante muito tempo foi essencial para conservar os alimentos!
Mas já reparou que o que sabe bem ou faz mal ou é pecado?
Ahahahaha.
Um beijinho amigo.

Ana Martins disse...

Querida Ná,
este é um tema deveras importante. Eu tenho por hábito o uso de ervas aromáticas na confecção das minhas refeições, podendo assim reduzir ao sal e obter resultados satisfatórios.

Beijinhos,
Ana Martins

Fernanda disse...

Querida Ana,

Ainda bem que o fazes, eu já há tempos publiquei algo nesse sentido.

Infelizmente o meu maridinho gosta de um bocadinho de sal.
Ele próprio disse que é uma questão de hábito...ele sabe o que diz, porque nós já comemos completamente insosso quando ele teve uma úlcera gástrica.

Eu sou até alérgica, ainda bem. Se comer algo salgado fico com a boca e lábios inchados e com borbulhinhas.
Tenho muito cuidado. Para mim o sal esconde o sabor dos alimentos ou camufla muitas vezes os estragados.
Beijinhos