11/05/2009

Finlândia...um país pobre que não tem ouro.

A Finlândia não tem muitos recursos naturais. O hino nacional já diz: ...somos um país pobre, que não tem ouro.
O recurso que temos é o nosso povo.
Assim, investimos no nosso povo.
Toda a pessoa tem de receber formação, educação, para ir tão longe quanto a sua capacidade permitir.

Não é suficiente que uma sociedade possua algumas pessoas muito capacitadas. Toda a sociedade tem de ter a possibilidade de formação durante toda a vida.
Não basta que uma criança pobre receba alguma formação quando pequena. Ela tem de poder estudar o quanto quiser.
E a Finlândia tem sido um dos países mais competitivos nas estatísticas internacionais com só 5 milhões de habitantes.
Imagine-se o que fariam com o dobro.

Se Portugal busca inspiração para enfrentar dois dos seus principais problemas actuais (educação e corrupção - considerado um dos países mais corruptos da Europa…), dificilmente poderíamos deixar de visitar um lugar mais apropriado que a Finlândia.
A presidente finlandesa, Tarja Halonen, adianta algumas dicas: “investimento maciço em educação (6% do PIB na Finlândia, sem contar a investigação); transparência no governo; honestidade partidária”; "É muito importante ter a coragem de alocar os recursos para a educação básica", ressalta ela.

Um povo educado elegerá dirigentes honestos e competentes. Estes escolherão os melhores assessores. Com um povo inculto acontece exactamente o inverso.
Um povo educado não tolera corrupção.
Um povo educado sabe muito bem distinguir um discurso sério de uma verborreia demagógica .
Um povo ignorante desperdiça os seus recursos e empobrece.
Um povo ignorante vive a iludir-se, e deixa-se iludir.
Um povo educado prospera mesmo em condições adversas!

A Finlândia tem um clima inóspito - que dá as fotos lindíssimas que viram atrás. Mas possui uma economia de mercado altamente industrializada, com produção per capita maior que a do Reino Unido, França, Alemanha e Itália. O padrão de vida finlandês é elevado. O sector chave da sua economia é a indústria - principalmente madeireira, metalurgia, engenharia, telecomunicações (destaque para a Nokia) e produtos electrónicos.
O comércio externo é importante, representando cerca de 1/3 do PIB. Com excepção de madeira e de vários minérios, a Finlândia depende de importações de matérias primas, energia, e alguns componentes de bens manufacturados.
E se comparássemos isto tudo com o nosso país?... Não é para ficarmos deprimidos, é para fazermos alguma coisa para mudar as coisas!!!

Fernanda Ferreira

3 comentários:

Luis disse...

Querida NÁ,
Quanta verdade nas suas palavras e que pena não seguirmos este exemplo!
Mas a propósito do que a educação de um povo pode fazer por ele próprio lembro o seguinte: Cabo Verde foi sempre uma terra com poucos recursos e sem água, mas a taxa de alfabetização foi sempre na ordem de quase 100%,. Quando foi da descolonização pensou-se que dificilmente prosseguiriam sem o apoio de Portugal. Hoje em dia é um país que vive com certo desafogo e até já tem água. O povo conseguiu fazer valer as suas potencialidades e vivem bem. Não é uma Filândia mas dá-nos cartas a nós que julgávamos não ser possível que tal acontecesse. Um povo culto acaba por conseguir sair da mediocridade e não é com resultados aparentemente bons pelos artificios das estatísticas e das novas oportunidades que Portugal sairá deste pântano em que nos encontramos.Exemplos há, mas nós é que não os seguimos.....
Bjos

Miguel Letra disse...

Ná, adorei este teu post!
Beijinho!

Fernanda Ferreira disse...

Obrigada amigos,

Miguel,já estava com saudades.
Bjs.