31/05/2009

Os meus licores!!!

Quem nunca se deliciou com um fino licor de receita familiar depois dum lauto repasto? Ou simplesmente bebericou um calicezinho já noite dentro com os amigos? Todos seguramente!

Pelo que sei empiricamente e não só, os licores surgiram para guardar, transmitir e potencializar os princípios activos e os sabores de ervas, plantas e frutas no álcool.
Segundo o meu livro, as Receitas da Avó, a tradição do licor encontra a sua origem no fabrico caseiro. Para além do peso histórico familiar, os licores representam igualmente o aproveitamento racional dos excedentes das culturas dos frutos que existem na quinta que doutra forma seriam desperdiçados e também, naturalmente, do tempo que se tem para a sua preparação. Mas garanto-vos que não é nada de complicado e os resultados compensam todo o trabalho e tempo investidos.
Conforme o meu texto aqui-pelo-campo faz referência, eu realmente faço os meus deliciosos licores de forma completamente natural. Como?
Vejamos… para se fazer um bom licor, em primeiro lugar são precisos os ingredientes. É fundamentalmente da qualidade destes que vai resultar um licor divinal. Parte do segredo deve-se ao facto dos licores serem produtos totalmente naturais, sem adição de corantes ou conservantes, podendo-se assim maximizar o sabor e o aroma dos frutos que lhes dão origem.
Os meus licores são feitos com aguardentes que o meu marido produz, por destilação de excelentes bagaços provenientes dos lagares de familiares, ou do resultado da fermentação da própria fruta da minha mini “Quinta do Rau” que posteriormente também vou usar, sejam laranjas, tangerinas, feijoas, araçãs. As laranjas e tangerinas exigem serem previamente descascadas.

Usando as aguardentes citadas e frascos grandes com aberturas largas, veja na foto seguinte, começo por introduzir os frutos e o açúcar, pessoalmente só uso frutose, açúcar obtido a partir de fruta que pode inclusivamente ser tomado por diabéticos. De qualquer forma, uso sensivelmente metade das quantidades indicadas nas receitas publicadas, uma vez que os próprios frutos transmitirão não só a sua cor, o seu aroma mas também libertarão o seu próprio açúcar.Convém agitar os frascos regularmente para que o açúcar se dissolva completamente.


Quando os frutos estão já incolores, filtro e volto a colocar mais frutos frescos e assim sucessivamente até obter a intensidade de cor, aroma e sabor que me parecem adequados. Nesta fase, filtro novamente e coloco o líquido numa garrafa onde agora adiciono ainda um pedacinho de madeira de carvalho, outro mínimo de vagem de baunilha e canela em pau.
Com o tempo criam-se depósitos e é necessário filtrar com alguma regularidade. O produto final estará pronto a consumir ao fim de algumas semanas, duas ou três, mas…nessa altura será o sabor fresco da fruta usada que sobressairá, enquanto que mais tarde, um ou dois anos ou mesmo mais, o licor terá enriquecido substancialmente, ganho corpo (lágrima) e estará sobretudo muito mais macio, uma vez que a aguardente amadureceu. Finalmente verifica-se a graduação alcoólica e rectifica-se com água do Luso. Graduação nunca inferior a 16 graus de álcool por volume, normalmente nunca superior a 20º.

Segundo informação recolhida os licores apareceram na Antiguidade, quando egípcios e gregos deram os primeiros passos rumo ao domínio das técnicas de destilação. Naquela época, a bebida era usada para a cura de todos os males, como elixir de rejuvenescimento ou poção do amor. Imagem só!!!

Fernanda Ferreira

8 comentários:

Ana Martins disse...

Olá Ná,
gostei muito de saber que faz licores, aqui em casa quem os faz é a minha Mãe, ficam deliciosos.
Normalmente temos sempre licor de tangerina, figueira (faz-se com as folhas da figueira), café (grão), framboesa, e anis.

Beijinhos,
Ana Martins

Fernanda Ferreira disse...

Olá amiga Ana,
Ainda bem que aprecia e que a sua mãe também os faz.

Eu gosto particularmente dos de frutos vermelhos, tenho uma atracção especial mesmo pela fruta vermelha...adoro o que eu chamo de frutos silvestres,embora de silvestres só tenha amoras que misturo com framboesa, morangos, cerejas e ameixas vermelhas...
Também gosto muito do de maracujá.
Mas há para todos os gostos...excepto figueira (com a folha? e porque não com figos?). Anis eu uso às vezes uma estrelinha para aromatizar alguns licores.

Beijinho,

Luis disse...

Queridas Amigas,
Não sei fazer mas sei apreciá-los e nesse sentido há que ser parcimonioso pois bebidos em quantidade, como tudo na vida, perde-se o gosto e faz mal à saúde!
Mas uma pitadinha deles dá alegria à vida....
Quanto ao post para além da sua forma simpática da apresentação rodeou-o de umas belas fotografias que posso pensar que são os frascos dos seus licores.
Beijinhos

Fernanda Ferreira disse...

Amigo Luís,

É tudo meu...excepção aos frascos e as licoreiras que foram naturalmente comprados, salvo uma lidíssima que herdei da minha mãe.

Claro que os licores se bebem, como dizem os Ingleses "sip by sip",embora eles bebam muitos "sips", nós dizemos um dedal, parece-me bem.

Beijinhos,

Ana Martins disse...

Olá Ná,
o licor de figueira que a minha mãe faz é mesmo com a folha e fica delicioso. Amanhã pergunto-lhe quantas folhas são para um litro de aguardente e depois digo-lhe.
De maracujá também temos, tinha-me esquecido de o mencionar.

Beijinhos,
Ana Martins

Celle disse...

olá amiga!
Como você é prendada!
Parabens!
Só sei apreciar e pela descrição e visual estou saboreando daqui!!!
Beijos

Fernanda Ferreira disse...

Obrigada amiga Celle,

Pode saborear de verdade...basta passar por cá, teria muita honra na sua visita.

Beijinhos,

Fernanda Ferreira

Anónimo disse...

http://prixviagrageneriquefrance.net/ viagra
http://commanderviagragenerique.net/ viagra achat
http://viagracomprargenericoespana.net/ viagra generico
http://acquistareviagragenericoitalia.net/ viagra acquistare