04/06/2010

Quando me Amei de Verdade

Este texto de Kim McMillen talvez ficasse mais sugestivo em verso, mas em prosa também se presta a uma reflexão profunda que confirma o muito que aqui tem sido publicado por vários colaboradores.

A mente, quando ao serviço do meu coração, torna-se uma grande e valiosa aliada.

Concentremo-nos na leitura atenta:

Quando me amei de verdade, pude compreender que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa. Então pude relaxar.

Quando me amei de verdade, pude perceber que o sofrimento emocional é um sinal de que estou indo contra a minha verdade.

Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma coisa ou alguém que ainda não está preparado -inclusive eu mesma.

Quando me amei de verdade, comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável. Isso quer dizer: pessoas, tarefas, crenças e qualquer coisa que me pusesse para baixo. Minha razão chamou isso de egoísmo. Mas hoje eu sei que é amor-próprio.

Quando me amei de verdade, deixei de temer meu tempo livre e desisti

de fazer planos. Hoje faço o que acho certo e no meu próprio ritmo. Como isso é bom!

Quando me amei de verdade, desisti de querer ter sempre razão, e com isso errei muito menos vezes.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Isso me mantém no presente, que é onde a vida acontece.

Quando me amei de verdade, percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.

5 comentários:

Fernanda disse...

Querido amigo João.

É realmente um texto lindo com cheiro de poesia.

Se não nos amarmos nem seremos capazes de amar.
Lindo, belíssimo!
Parabéns

Na casa do Rau

Kyria disse...

Oi João,
não me canso de "dizer" o quanto sempre é bom estar aqui "espiando" este delicioso blog educativo, sério, responsável que traz leituras saborosas, úteis, ricas, sábias, reflexivas, poéticas, inusitadas enfim,
tudo que uma pessoa possa se interessar.
Lindo texto, muito adequado para os dias de hoje, de ontem, de amanhã, de sempre.
Beijos para toda esta bela turma de colaboradores.

A. João Soares disse...

Querida Amiga Ná,

«Se não nos amarmos nem seremos capazes de amar» Estas suas palavras são fundamentais. Cristo disse «amai os outros como a vós mesmos» O amor próprio é o padrão de comparação, temos que começar por construir esse padrão. Se não nos amarmos não podemos amar ninguém.

Costumo dizer que na vida tudo se faz com um pouco de egoísmo, de procura de prazer. Quando um crente dá uma esmola espera receber em troca o céu depois da morte. É esse prazer de solidariedade de ajuda de compreensão que define as pessoas boas. Um indivíduo que se mortifica se tortura, se auto-flagela, não terá dificuldade em mortificar, torturar e flagelar os outros.
O sábio grego tinha por lema e aconselhava «conhece-te a ti próprio».

Está-se a ver que ao encontrar este texto não podia deixar de o aproveitar para o Sempre Jovens.

Beijos
João
Do Miradouro

A. João Soares disse...

Querida Kyria,

Muito obrigado pelas suas palavras que trazem toneladas de simpatia. Este é o nosso jeito (!!!) de ajudarmos os outros, de contribuirmos para um mundo melhor mais humano mais solidário.
A nossa ajuda consta de dar alimento ao espírito, ajudarmos as pessoas a sair da concha em que se fecharam e abrirem-se para as belezas da Natureza e dos outros. Cada um, só por si, pouco ou nada vale, mas inserindo-se na humanidade como elemento activo, com opinião com criatividade e vontade de agir para um objectivo comum torna-se útil, imprescindível, valoriza-se e cria sinergias com os outros, com a humanidade. Queremos que cada pessoa seja um pilar forte e positivo do mundo de amanhã.

Admiro a quantidade de blogs pessoais que a Kyria agiliza. Não tenho deixado comentários porque ocupo todo o tempo a magicar nos temas que trabalho nos meus. Sinto o tempo demasiado limitado e as forças a faltarem para aquilo que gostava de fazer!!!

Beijos
João
Do Mirante

direitinho disse...

Devemos começar por nós. -Amando-nos e aceitando-nos.
Assim poderemos compreender os outros e amá-los correctamente.