19/06/2010

Feriados e pontes

A proposta de mexer nos feriados com argumentos que manipulam “os conceitos de produtividade e competitividade” está a confundir os opinadores. Se por um lado poderá ter vantagens no aumento de assiduidade ao trabalho, por outro contraria os hábitos da população o que pode significar perda de votos e este é um argumento muito forte para uso dos partidos.

Quanto á perda ou ganho de votos, tem-se notado que os partidos costumam decidir em favor dos piores defeitos da população muito avessa ao trabalho, ao rigor, à cultura, ao conhecimento, etc. Por isso, em tom irónico, há pouco mais de 20 meses apresentava uma sugestão que granjearia muitos votos!

Voltei a referir tal solução em 19 de Maio em Feriados mais «produtivos». Que tal, senhores políticos? Como encaram tal solução? Acham que o desenvolvimento se atrasaria muito mais com isso? Ou será que estão convencidos de que, uma vez por outra, devem olhar para os interesses nacionais? Agora parece que começa novamente a falar-se da Pátria!!!

5 comentários:

direitinho disse...

Olá João
Feriados Produtivos....?
Esta nunca tinha ouvido falar e digo com muita sinceridade que os nossos feriados nem adiantam nem atrasam.
Aquilo que não se fez num dia vai fazer-se forçosamente nos dias seguintes. Quando os trabalhadores são unidos e motivados por boas razões e com bons fins tudo fazem e não há ninguém que queira ficar de fora. Todos querem participar e serem ainda melhores.
O mal existe nesses salários milionários que são de meia dúzia e onde ninguém tem coragem de mexer.
Limitem os salários dos grandes e de mais alguns que levam salários exorbitantes e que me parece não terem esse direito em relação a tantos desempregados, famintos, reformas de miséria......
São vergonhosas esta diferenças salariais...

Pelos caminhos da vida. disse...

Voz de Amigo

"É a voz do gostar,
É a voz do alertar,
dizendo nas palavras,
hei! acorde...Quero te ajudar!!!
É a voz que vem com o que precisamos ouvir,
ler, perceber, interiorizar...
Quando não conseguimos ler a nós mesmos,
Quando nos falta o chão, o teto, o rumo..
Vem como um "cutucão" benigno..
Uma sacudida,
Um alerta..
Uma sirene que soa o nobre sentimento,
de luz,
imenso cuidar..
Vem com tanta verdade,
mas, com o cuidado de não magoar..
Uma voz que Deus usa,
que vem devagar..
Que inunda...
Que traz alegrias..
Que contagia..
Uma voz de anjo,
Uma voz de irmão escolhido...
Presentes e presente..
Nos dois sentidos..o de estar e,
o de jóia inestimável..
Um mestre de consciência...
Mestre paciente para ouvir,
Ser cúmplice nas dores e alegrias...
Mãos estendidas,
entrelaçadas...
Dádiva da vida...
únicos,
senhores do bem:
VOZ DE AMIGO !

(texto da net).

Feliz Dia do Amigo e da Amizade pra vc.

beijooo.

Fernanda disse...

Querido amigo João,

Estou com o amigo Luís Coelho.
Não é com menos feriados que se resolve a crise.
Isso faz-me lembra quando eu tralhava muma empresa que estava a falir, logo após o 25 de Abril, falência provocada...
Eu própria fui convidada a tomar conta do livro azul "o da roubalheira" e ao mesmo tempo se retirou das casas de banho o papel higiénico para economizar nos gastos.
Isto é verídico....

Com alguns feriados, os trabalhadores ganham ânimo para enfrentar o que quase sempre lhes é exigido lhes é pelo patronato. O impossível.
Hoje mais do que nunca querem-se polivalentes e super homens e mulheres, que trabalhem sem horário, sem estímulos e sem segurança alguma no trabalho.

Deixem os pobres ter os feriados a que têm direito.
Para resolver a crise, eles que abdiquem dos lucros chorudos e de ordenados absurdos á prol e aos amigos.

Beijinhos

Luis disse...

Meus Bons Amigos,
É verdade que Portugal é dos Países com mais feriados e se considerarmos de "pontes", então nem se fala...
Portanto poder-se-ia fazer um estudo ponderado e retirarem-se alguns feriados por serem como que duplicações de datas comemorando actos semelhantes. Com isso reduzir-se-iam 2 ou 3 feriados. Depois deveriam acabar-se com as "pontes selvagens" pois isso é fonte de quebra de produtividade nas empresas. Já em tempo houve empresas que combinavam com os seus empregados forma de estes conciliarem essas "pontes" por forma a não haver quebras de produtividade (numas trabalhavam 50% e noutras os 50% restantes) O pessoal agradava-se destas medidas e o trabalho não era afectado.
Um abraço amigo.

A. João Soares disse...

Caros amigos,

Há realmente feriados que podem ser festejados em outros dias, como acontece com vários religiosos. Há dias comemorativos que podem ser festejados em domingos(o primeiro ou segundo, ou...do mês, etc). Mas há dias históricos que não podem ser adiados para não se esquecer totalmente a historia.
Quanto à produtividade, a solução está em boas técnicas de gestão, que permitam obter dos trabalhadores um trabalho rigoroso, feito com prazer, com o sentido da responsabilidade. Para isso, os gestores devem consciencializar-se de que o pessoal é o «equipamento» a «ferramenta» mais especial que utilizam e deve ser remunerado com moralidade e incentivado para ser o principal factor de produção da empresa.
Isso não se consegue com gestores incompetentes nomeados por amiguismo, como acontece, por exemplo no caso
Fundação Alter Real está a ser investigada por denúncia de uma directora, em que três «responsáveis» estão ali por motivo político depois de terem falhado em vários cargos políticos em que estiveram ou queriam estar!!!
É com casos como estes e outros que nos saem do bolso e contribuem para a crise, que Portugal se afunda.

Abraços
João