23/03/2010

Corpo de Mulher


Imagem da Net

Estrela cadente
Duma galáxia qualquer,
Na noite cerrado
Corpo de mulher.
Música de vento
Aragem de mar,
No dobrar da esquina
Clarão de luar.
O cigarro apagado
No cinzeiro do bar,
Gestos estudados
Abraços por dar.
Aroma de urze
nos lençóis da cama,
suspiros retidos
Em teias de lama.
Vontade de ficar
desejos de ir
Ao fundo do mar
Em volta de ti.
Olhar que se cruza
No termo da noite
Braço que se estende
Até à madrugada.
Lágrima que desce
e bordeja a boca
desperta o desejo
Em palavras soltas.

Quase em surdina
Suplico o teu corpo
No toque da harpa
No silêncio que oiço.
Amarro-me ao cais
Dum porto qualquer
Sabor a canela
Corpo de mulher

In, "Sabor a Sal e a Mel"
Maria José Areal
Fernanda Ferreira (Ná)

9 comentários:

Luis disse...

Querida Ná,
Parabéns pela boa escolha que fez para este post! O poema da Maria José Areal é lindo e muito sensual, como aliás o são na sua maioria!
Aproveito para lhe agradecer os selinhos que me enviou para a Tulha, é uma Querida!!!
Já recebi indicação que amanhã na Blogosfera vamos saber o que se passou no passado dia 20.
Beijinhos muito amigos.

VASCODAGAMA disse...

LINDOOOOOOOOOO
VOU VOLTAR

BEIJO DE PORTUGAL

Pérola disse...

Boa tarde.
Dizem q o corpo da mulher é um mapa,há quem diga que quem encontra o tesouro escondido terá por ela o verdadeiro afeto além de uma entrega total.
Acreditas nisso?
Eu sim.
beijokas.

Celle disse...

Fernanda,belo poema!
Faz algumas de nós, relembrar o bom tempo e o frescor da mocidade!
Apenas lembrar, com o amadurecimento outros valores são acrescentados e encantam também!
Beijinhos

Fernanda disse...

Obrigada amigos e amigas por terem gostado tanto quanto eu do poema da minha amiga.

Sempre belíssimos.

Beijinhos a todos.

Fernanda disse...

Recebido por e-mail

"Um obrigada não basta para quem tanto faz.

Semeias na eira do lavrador,

inspiras na paleta do pintor,

descansas no chão,

afagas no regaço,

soltas o voo,

sustentas os gritos...

Bates palmas de contentamento e dás dando-te.

Devoção?

Talvez, uma sensibilidade profunda

Uma solidariedade altruísta.

Com toda a certeza, uma Mulher bendita!

Obrigada, por de dares de volta as palavras que teci, nas emoções que senti, no sabor diferente do regresso.

Que Deus te proteja, amiga.

Um Abraço

M J Areal"

J.Ferreira disse...

Olá!

Não me escapam os poemas da Maria José, sempre tão únicos, tão especiais e carregados de emoções díspares mas que se sentem ser sempre parte dela.

Amiga, parabéns!
A Fernanda só publicou uma obra de arte.
O seu único mérito é divulgá-los. E isso ela faz muito bem.

Beijinhos para a amiga Maria José
Beijo para ti e mais uma vez parabéns.

Ana Martins disse...

Querida Ná,
já tinha lido mas voltei a ler, é lindíssimo!

Beijinhos,
Ana Martins

Ana Martins disse...
Este comentário foi removido pelo autor.