31/07/2010

A crise vem do tempo do Eça

Em 1867, «O Distrito de Évora» publicou as seguintes palavras de Eça de Queiroz:

«ORDINARIAMENTE todos os ministros são inteligentes, escrevem bem, discursam com cortesia e pura dicção, vão a faustosas inaugurações e são excelentes convivas. Porém, são nulos a resolver crises. Não têm a austeridade, nem a concepção, nem o instinto político, nem a experiência que faz o ESTADISTA. É assim que há muito tempo em Portugal são regidos os destinos políticos. Política de acaso, política de compadrio, política de expediente. País governado ao caso, governado por vaidades e por interesses, por especulação e corrupção, por privilégio e influência de camarilha, será possível conservar a sua independência?»

NOTA: Não creio que Eça de Queiroz fosse um mago adivinho, mas lamento imenso que os portugueses não tenham melhorado, modernizando-se, nestes últimos 143 anos, que não sejam capazes de produzir representantes mais preparados para as suas responsabilidades e que não sejam capazes de punir severamente os políticos cujos comportamentos correspondam à vacuidade da primeira parte e, principalmente, aos vícios e manhas da segunda parte do texto. As realidades estão espelhadas no texto publicado em «Os génios que nos governam». O ser humano, embora beneficiando de tecnologias e ferramentas cada vez mais modernas, está pasmado num pântano mais em regressão do que em estagnação. Venha um filósofo, um líder, que dê o sinal de partida para reformar a civilização actual, por forma a merecer a alta tecnologia de que dispõe.

Imagem da Net.

Internacionalização da Amazónia

Decidi trazer aqui hoje, mais um tema que gostaria muito ver debatido e esclarecido.

Do que consegui apurar e após a leitura de vários textos, há razões para apreensão.
O jornal, "No Rio de Janeiro", diz que «um coro de líderes internacionais está a declarar mais abertamente a Amazónia como parte de um património muito maior do que apenas das nações que dividem o seu território».
O jornal cita o ex-vice-presidente americano, Al Gore, que em 1989 terá dito que «ao contrário do que os brasileiros acreditam, a Amazónia não é propriedade deles, pertence a todos nós».

Passo agora a transcrever, integralmente, e na sua versão original, o texto conforme o li.
Deixo a mesma pergunta! Afinal de que é a Floresta Amazónica???

"Durante debate ocorrido no mês de Novembro/2000, em uma Universidade, nos Estados Unidos, o ex-governador do Distrito Federal, Cristovam Buarque (PT), foi questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazônia. O jovem introduziu sua pergunta dizendo que esperava a resposta de um humanista e não de um brasileiro. Segundo Cristovam, foi a primeira vez que um debatedor determinou a ótica humanista como o ponto de partida para a sua resposta:

"De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazônia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse patrimônio, ele é nosso. Como humanista, sentindo e risco da degradação ambiental que sofre a Amazônia, posso imaginar a sua internacionalização, como também de tudo o mais que tem importância para a Humanidade. Se a Amazônia, sob uma ótica humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro. O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazônia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extração de petróleo e subir ou não o seu preço. Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado

Se a Amazônia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono, ou
de um país. Queimar a Amazônia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação. Antes mesmo da Amazônia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano. Não se pode deixar esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural amazônico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país.

Não faz muito, um milionário japonês, decidiu enterrar com ele um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado. Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando o Fórum do Milênio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA. Por isso, eu acho que Nova York, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada. Pelo menos Manhattan deveria pertencer a toda a Humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua história do mundo, deveriam pertencer ao mundo inteiro. Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil. Nos seus debates, os atuais candidatos à presidência dos EUA têm defendido a idéia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida.

Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do mundo tenha possibilidade de ir à escola. Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como patrimônio que merece cuidados do mundo inteiro. Ainda mais do que merece a Amazônia. Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um patrimônio da Humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar; que morram quando deveriam viver. Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazônia seja nossa. Só nossa."

(*) Cristóvam Buarque foi governador do Distrito Federal (PT) e reitor da Universidade de Brasília (UnB), nos anos 90. É palestrante e humanista respeitado mundialmente.

30/07/2010

Morreu António Feio ( 1954 - 2010 )

"António Feio, que sofria de um cancro no pâncreas, morreu às 23h40, na unidade de Cuidados Paliativos do Hospital da Luz.


A produtora UAU remeteu para mais tarde informações sobre as cerimónias fúnebres do ator e encenador.

António Feio, natural de Maputo, Moçambique, começou a sua carreira aos 11 anos, no Teatro Experimental de Cascais, depois de o seu diretor, Carlos Avilez, o ter convidado para fazer a peça "O Mar", de Miguel Torga, que estreou a 6 de maio de 1966.

Além do Teatro Experimental de Cascais, onde esteve alguns anos, o ator atuou no Teatro Aquarius, que fundou, na Cooperativa de Comediantes Rafael de Oliveira, no Teatro Popular-Companhia Nacional I, no Teatro S. Luiz, no Teatro Adoque, no Teatro ABC, na Casa da Comédia, no Centro de Arte Moderna, no Teatro Aberto, no Teatro Variedades, no Teatro Nacional D. Maria II e no Teatro Villaret, entre outros.

"O que diz Molero" e "Conversa da Treta" foram duas das suas encenações mais emblemáticas.

António Feio fez ainda televisão, rádio, publicidade e cinema, tendo ficado conhecido pela dupla cómica que formava com o ator e amigo José Pedro Gomes.

A 27 de março, o comediante recebeu do Presidente da República, Cavaco Silva, o grau honorífico de comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

Numa entrevista à Antena 1, um mês antes, António Feio frisou que continuar a encenar lhe dava força para enfrentar a doença.
Reconhecendo que, "às vezes" não estava a cem por cento, o ator -- "sempre" otimista -- confidenciou que tinha "o mesmo tipo de gozo" no trabalho que fazia e que este funcionava como "uma válvula de escape" para tudo o resto.

"É o que eu gosto de fazer, não sei fazer mais nada", vincou.

Recentemente, o ator participou na apresentação do trailer "Contraluz", do realizador Fernando Fragata, com uma mensagem de esperança.

António Feio deixa quatro filhos: Bárbara e Catarina, do casamento com Lurdes Feio, e Sara e Filipe, com Cláudia Cádima."



António Feio, é sem dúvida uma grande perda para o Teatro Nacional, perdemos um grande actor, um artista muito querido do público.
À família aqui deixo endereçados, em nome do SEMPRE JOVENS as mais sinceras condolências e pesar.

29/07/2010

Uma promessa - Saramago sempre !

Já lá diz o velho ditado "O prometido é devido"!
Ontem o nosso amigo Rogério do Blog Conversa Avinagrada.
, fazia o seguinte apelo:

"Apelo, sugestão ou imperativo de consciência?
A carta, embora de conteúdo urgente, perdeu-se por aí nas páginas do jornal em formato papel. Desesperado, procurei no google as palavras mágicas me conduziriam ao formato adequado. Encontrei. Bloguistas brasileiros, deram-lhe a devida projecção. Nem uma referência nacional, nem uma. Daí que vos faça um apelo ou, se quiserem, uma mera sugestão (caso não sintam dever fazê-lo por imperativos de consciência): difundam este texto. Encontram-no aqui. Podem seguir qualquer formato, desde a sua publicação integral à simples selecção de um parágrafo ou pequeno extracto. Mas façam-no para que a memória não se perca... Multipliquemos a mensagem que Saramago deixou ..."

Este amigo refere-se à Carta de José Saramago lida no encerramento do II Fórum Social Mundial.
Um documento que poucos conhecerão e que justifica a sua leitura, mesmo que um pouco extensa.

Para não pesar demasiado no Blog, e ainda correr o risco de vos assustar com a dimensão do mesmo, deixo aqui apenas alguns parágrafos e o link para a sua leitura na íntegra.
Eu adorei... e posso garantir, especialmente a quem não conhece, que se lê num ápice, sobretudo pela sensibilidade única do nosso génio literário, José Saramago!

"Começarei por vos contar em brevíssimas palavras um fato notável da vida camponesa ocorrido numa aldeia dos arredores de Florença há mais de 400 anos. Permito-me pedir toda a vossa atenção para este importante acontecimento histórico porque, ao contrário do que é corrente, a lição moral extraível do episódio não terá de esperar o fim do relato, saltar-vos-á ao rosto não tarda.
Estavam os habitantes nas suas casas ou a trabalhar nos cultivos, entregue cada um aos seus afazeres e cuidados, quando de súbito se ouviu soar o sino da igreja. Naqueles piedosos tempos (estamos a falar de algo sucedido no século XVI) os sinos tocavam várias vezes ao longo do dia, e por esse lado não deveria haver motivo de estranheza, porém aquele sino dobrava melancolicamente a finados, e isso, sim, era surpreendente, uma vez que não constava que alguém da aldeia se encontrasse em vias de passamento. Saíram portanto as mulheres à rua, juntaram-se as crianças, deixaram os homens as lavouras e os mesteres, e em pouco tempo estavam todos reunidos no adro da igreja, à espera de que lhes dissessem a quem deveriam chorar. O sino ainda tocou por alguns minutos mais, finalmente calou-se. Instantes depois a porta abria-se e um camponês aparecia no limiar. Ora, não sendo este o homem encarregado de tocar habitualmente o sino, compreende-se que os vizinhos lhe tenham perguntado onde se encontrava o sineiro e quem era o morto. "O sineiro não está aqui, eu é que toquei o sino", foi a resposta do camponês. "Mas então não morreu ninguém?", tornaram os vizinhos, e o camponês respondeu: "Ninguém que tivesse nome e figura de gente, toquei a finados pela Justiça porque a Justiça está morta."


27/07/2010

Apelo à ONU !

As notícias que nos chegam referem muitos acidentes graves em vários sectores de actividade da humanidade: explosão na central nuclear de Chernobil, explosão na plataforma petrolífera Deepwater Horizon no Golfo do México, espectáculo em Duisburgo na Alemanha, diversos acidentes aéreos, alguns acidentes ferroviários, múltiplos acidentes rodoviários, acidentes de trabalho, acidentes domésticos, mortes nas praias por afogamento, etc., etc. Casos de obesidade por erros de alimentação, diversas formas de toxicidade (álcool, HIV, tabaco, drogas).

Por outro lado, há a criminalidade violenta, com crueldade desumana, usando meios desproporcionais ao fim visado, e muitas vezes sem finalidades que, de qualquer maneira, possam ser explicativos ou atenuantes.

Se se tratasse de casos raros, ocasionais, seria compreensível como uma excepção à regra, uma anormalidade, estatisticamente irrelevante, mas na realidade, a quantidade é preocupante e leva a pensar numa causa comum, generalizada – a degradação do ser humano. Esta traduz-se na falta de respeito pela própria pessoa e pelos outros, na ausência de ética e de civismo, no desprezo pelo culto da excelência no desempenho das tarefas, de rigor, de sentido de responsabilidade. Muitos acidentes com máquinas (transportes, por exemplo) podem ser causados por erros da manutenção ou por falhas dos operadores.

As causas de tais situações desagradáveis devidas aos factores apontados mostram que, desde o paleolítico, o homem tem piorado no seu comportamento, perante tudo o que o rodeia, incluindo os familiares e amigos. Falta de ética e de civismo.

Já se apontam exemplos de animais da selva (ditos irracionais) que devem ser imitados pelo homem, na sua vida familiar e de grupo. Muitas lições comportamentais que nos dão merecem ser ponderadas.

Há que se remodelar, de forma estrutural, sistemática e persistente, a educação das crianças e dos adultos a fim de a humanidade não continuar a sua queda acelerada para o abismo fatalmente decisivo.

Para isso, dado o âmbito do problema e da falência dos Estados dentro das suas fronteiras para obviar a tal degradação globalizada, impõe-se que a ONU (Organização das Nações Unidas) mostre o que vale, se é que vale alguma coisa. Com efeito, não impediu a guerra Sérvia/Kosovo, a invasão do Iraque, a invasão do Afeganistão, etc. Seria bom que, agora fizesse algo a favor da revitalização da ética, do civismo, com recomendações à UNESCO e a outras agências onusinas, aos Estados, às associações desportivas e culturais, às empresas., aos sindicatos, à comunicação social, etc.

O conjunto de acontecimentos que afligem todo o mundo exige medidas rigorosas. É uma tarefa ciclópica, mas quanto mais demorar a aplicação da terapia adequada e eficaz, mais difícil será a recuperação e mais incerta será a qualidade de vida das gerações das actuais crianças.

É preciso começar já, com determinação.

Imagem da Net.

FÉRIAS


A todos os meus Bons Amigos,
Até finais de Setembro vou estar muito ocupado e sem Net pelo que agradeço a Vossa atenção para o facto.
Vai ser mudança de casa, férias no Alentejo e sem lá que mais que me vai retirar tempo para seguir os Vossos e-mail’s , blogues, etc.
Espero ao regressar vir cheio de “genica” para colmatar o tempo perdido…
Desejo a todos umas boas férias.
Um forte e amigo abraço,
Luís

26/07/2010

Eliza e o Moinho

Este é mais um caso, que sendo do conhecimento geral, não pode passar despercebido ou ficar ignorado como mais um caso de violência absurda e inqualificável.
De certa forma relaciona-se com um tema que temos vindo a debater, mas vamos ver como a minha grande amiga , Vanuza Pantaleão o sentiu...
Peço-vos apenas que reflictam sobre a escalada de atrocidades cometidas por uma Humanidade que se vai despojando, cada vez mais, de qualquer sentimento humano.


Um bebê é arrancado dos braços da mãe que já goteja sangue da cabeça, após uma coronhada certeira. O homem corpulento torce-lhe o pescoço, retira-lhe as vestes e arrasta o corpo nu até uma mesa de açougueiro.
Pedaço por pedaço, naco por naco, tudo se transforma numa massa disforme de músculos, cabelos e muito sangue. Eliza está sendo desossada com destreza pelas mãos de um ser sombrio e incapaz de um minuto de remorso.
Os cães da fazenda mineira farejam o odor estimulante do sangue e uivam, exigindo sua parte. Conseguem mais do que isso, pois o verdugo de Eliza atira-lhes as partes moles e até as mãos com as unhas ainda esmaltadas de cor vermelha.
Eliza errou por ser uma prostituta? Pois saibam que no nosso Código Penal se um homem forçar uma relação sexual com uma mulher dessa "profissão", estará incorrendo em crime.
Eliza calou-se, mas a minha angústia aumentou por ela, por vocês e por todas as mulheres que se envolvem com “atletas de aço", frios e endinheirados. Não consigo virar uma avestruz e enfiar a cara num buraco, fingir que o lado obscuro do homem não existe. Gostaria que tudo isso tivesse nascido da minha fértil imaginação, mas aconteceu e, não tenho dúvidas, continuará a acontecer e a ser encoberto na impunidade e injustiça em que vivemos.

Mestre Cartola, certa vez, percebeu que sua filha estava trilhando caminhos estranhos. Não quis repreendê-la com dureza, mas compôs uma peça musical de rara beleza e sensibilidade onde profetizava o triste fim de todas as Elizas: O MUNDO É UM MOINHO.


“Ouça-me bem, amor. Preste atenção, o mundo é um moinho. Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos, vai reduzir as ilusões a pó... “
Quem interpreta é a nossa Beth Carvalho a quem tive o prazer de conhecer, ótimo ser humano. Interpretação intensa, letra que diz tudo. Solta a voz, Beth!!!
Estou indignada! Chorei muito para escrever estas linhas...
Indignem-se!

Na casa do Rau

25/07/2010

Pensar antes de fechar o negócio

Transcrição de uma revista de Finanças, recebida por e-mail:

«Sou uma garota linda (maravilhosamente linda) de 25 anos. Sou bem articulada e tenho classe.
Estou querendo me casar com alguém que ganhe no mínimo meio milhão de dólares por ano.
Tem algum homem que ganhe 500 mil ou mais neste site?
Ou alguma mulher casada com alguém que ganhe isso e que possa me dar algumas dicas?
Já namorei homens que ganham por volta de 200 a 250 mil, mas não consigo passar disso. E 250 mil por ano não vão me fazer morar em Central Park West.
Conheço uma mulher (da minha aula de ioga) que casou com um banqueiro e vive em Tribeca! E ela não é tão bonita quanto eu, nem é inteligente. Então, o que ela fez que eu não fiz? Qual a estratégia correta? Como eu chego ao nível dela?»

(Rafaela)

Mensagem/resposta do RAPAZ:

Li sua consulta com grande interesse, pensei cuidadosamente no seu caso e fiz uma análise da situação.
Primeiramente, eu ganho mais de 500 mil por ano. Portanto, não estou tomando o seu tempo à toa...
Isto posto, considero os fatos da seguinte forma: Visto da perspectiva de um homem como eu (que tenho os requisitos que você procura), o que você oferece é simplesmente um péssimo negócio.
Eis o porquê: deixando as firulas de lado, o que você sugere é uma negociação simples, proposta clara, sem entrelinhas : Você entra com sua beleza física e eu entro com o dinheiro.

Mas tem um problema.
Com toda certeza, com o tempo a sua beleza vai diminuir e um dia acabar, ao contrário do meu dinheiro que, com o tempo, continuará aumentando. Assim, em termos econômicos, você é um ativo sofrendo depreciação e eu sou um ativo rendendo dividendos.
E você não somente sofre depreciação, mas sofre uma depreciação progressiva, ou seja, sempre aumenta! Explicando, você tem 25 anos hoje e deve continuar linda pelos próximos 5 ou 10 anos, mas sempre um pouco menos a cada ano. E no futuro, quando você se comparar com uma foto de hoje, verá que virou um caco.

Isto é, hoje você está em 'alta', na época ideal de ser vendida, mas não de ser comprada.
Usando o linguajar de Wall Street, quem a tiver hoje deve mantê-la como 'trading position' (posição para comercializar) e não como 'buy and hold' (compre e retenha), que é para o quê você se oferece...
Portanto, ainda em termos comerciais, casar (que é um 'buy and hold') com você não é um bom negócio a médio/longo prazo! Mas alugá-la, sim!

Assim, em termos sociais, um negócio razoável a se cogitar é namorar.
Cogitar... Mas, já cogitando, e para certificar-me do quão 'articulada, com classe e maravilhosamente linda' seja você, eu, na condição de provável futuro locatário dessa 'máquina', quero tão somente o que é de praxe:

fazer um 'test drive' antes de fechar o negócio... podemos marcar?"

Imagem da Net.

Amizade

A verdadeira amizade é aquela que nos permite falar, ao amigo, de todos os seus defeitos e de todas as nossas qualidades.







Amizade

A verdadeira amizade é uma pérola
de valor inestimável.

Cultive a amizade.
Corresponda às gentilezas.
Não se encolha.
Nem se afaste dos outros.
Aproxime-se.
Há muito de amor trancado em você.
Procure ser o amigo das horas difíceis.
Dê demonstrações de sua amizade,
mas não espere ser correspondido(a).
Compreenda que nem todos
são como você.
Tolere as faltas dos seus amigos.

Tenha amizade pura e desinteressada.
Não deixe que o tempo a consuma.

Não pode ser amigo,
quem não ama incondicionalmente.

Texto do Livro
Gotas de Esperança de
Lourival Lopes

Fernanda Ferreira (Ná)

23/07/2010

Aniversário do amigo, José Ferreira

Lembrança para o nosso amigo José Ferreira, que aqui deixo com carinho e acompanhada do desejo de que continue por muitos anos, a captar as lindas imagens, que a sua objectiva nos revela e surpreende.



Beijinho

Saozita e Victor

22/07/2010

ANIVERSÁRIO DE J.FERREIRA

Photobucket

O Sempre Jovens continua em festa e hoje comemora com todos os seus colegas, visitantes e seguidores o aniversário de um dos membros do blogue, J.Ferreira, o nosso fotógrafo de eleição e marido da nossa colega .

Ao J.Ferreira desejamos um resto de Dia muito Feliz e que se repita por muitos e longos anos sempre na companhia de todos os que ama e lhe querem bem.





Agora toca a brindar, PARABÉNS J.FERREIRA!

A Amizade

Depois dos dois posts anteriores em que ficou bem expressa a amizade como forte elo de união, eis uns tópicos para meditação, recebidos por e/mail>

AS COISAS BOAS DA VIDA:

1. Apaixonar-se.
2. Rir tanto até que as faces doam.
3. Um chuveiro quente num Inverno frio.
4. Um supermercado sem filas nas caixas.
5. Um olhar especial.
6. Receber correio (pode ser electrónico.....)
7. Conduzir numa estrada linda.
8. Ouvir a nossa música preferida no rádio.
9. Ficar na cama a ouvir a chuva cair lá fora.
10. Toalhas quentes acabadas de serem engomadas...
11. Encontrar a camisola que se quer em saldo a metade do preço.
12. Batido de chocolate (baunilha ou morango).
13. Uma chamada de longa distância.
14. Um banho de espuma.
15. Rir baixinho.
16. Uma boa conversa.
17. A praia.
18. Encontrar uma nota de 20 euros no casaco pendurado desde o último Inverno.
19. Rir-se de si mesmo.
20. Chamadas à meia-noite que duram horas.
21. Correr entre os jactos de água de um aspersor.
22. Rir por nenhuma razão especial.
23. Alguém que te diz que és o máximo.
24. Rir de uma anedota que vem à memória.
25. Amigos.
26. Ouvir acidentalmente alguém dizer bem de nós.
27. Acordar e verificar que ainda há algumas horas para continuar a dormir.
28. O primeiro beijo (ou mesmo o primeiro com novo parceiro).
29. Fazer novos amigos ou passar o tempo com os velhos.
30. Brincar com um cachorrinho.
31. Haver alguém a mexer-te no cabelo.
32. Belos sonhos.
33. Chocolate quente.
34. Fazer-se à estrada com os amigos.
35. Balancear-se num balancé.
36. Embrulhar presentes sob a árvore de Natal comendo chocolates e bebendo a bebida favorita.
37. Letra de canções na capa do CD para podermos cantá-las sem nos sentirmos estúpidos.
38. Ir a um bom concerto.
39. Trocar um olhar com um belo/a desconhecido/a.
40. Ganhar um jogo renhido.
41. Fazer bolachas de chocolate.
42. Receber de amigos biscoitos feitos em casa.
43. Passar tempo com amigos íntimos.
44. Ver o sorriso e ouvir as gargalhadas dos amigos.
45. Andar de mão dada com quem gostamos.
46. Encontrar por acaso um velho amigo e ver que algumas coisas ( boas ou más) nunca mudam.
47. Patinar sem cair.
48. Observar o contentamento de alguém que está a abrir um presente que lhe ofereceste.
49. Ver o nascer do sol.
50. Levantar-se da cama todas as manhãs e agradecer outro belo dia.
51. E ver a tua cara a ler esta mensagem.

Amigos são anjos que nos levantam pelos pés quando as nossas asas não conseguem lembrar de como se voa.

Imagem da Net

1º Aniversário do Blogue Casa do Ráu

Parabéns Ná, aqui fica um registo de lembrança como presente!Bjs

21/07/2010

1º ANIVERSÁRIO DA CASA DO RAU




Como colaboradora do Sempre Jovens e madrinha do blogue Na Casa do Rau, foi com muita satisfação que atendi ao pedido do nosso colega João Soares, para assim fazer as honras da casa e organizar a festa do 1º aniversário do blogue da nossa querida amiga e colega .

Por onde passa a
espalha alegria e deixa fragrâncias de amor e respeito ao próximo.
Chegou, conquistou e ficou entre nós com aquele sorriso contagiante e a ternura que lhe vem da alma.


Na Casa do Rau é um blogue de excelência que merece a atenção e consideração de todos. Os seus artigos são variados e vão desde a Arte à História, Crónicas, Contos e Poesia.

À nossa querida amiga, nós os
Sempre Jovens, queremos hoje aqui manifestar toda a amizade e carinho que por ela temos, e em uníssono cantar PARABÉNS à !





QUANDO A ALMA RESPIRA AMOR


Quando a alma respira amor
Não há poesia que adormeça
Nas pétalas de uma flor.
E mesmo que a alma esqueça
O perfume que vem das pétalas,
A poesia muito à pressa
Na alma abre janelas!


O meu poema para ti Ná!



20/06/2010




E agora o Fogo de Artificio para que fique no álbum de fotografias!
Create your own banner at mybannermaker.com!

20/07/2010

PEPINOS



QUE GEMA PRECIOSA É ESTE LEGUME!

PEPINOS contém a maioria das vitaminas que você precisa diariamente, somente um pepino contém Vitaminas B1, B2, B3, B5, B6, C, Ácido Fólico, Cálcio, Ferro, Magnésio, Fósforo, Potássio e Zinco.
Sentindo-se cansado à tarde, dispense a soda cafeinada e coma um Pepino. Pepinos são óptimas fontes de Vitaminas B e Carbo-hidratos que fornecem aquela '' animação'' que dura por horas.
Cansado de ver o espelho de seu banheiro embaciar após seu banho? Tente esfregar uma rodela de pepino no espelho, isto eliminará a neblina e produzirá uma tenra fragrância como no SPA.
As lesmas e caramujos estão arruinando suas plantas? Coloque algumas rodelas de pepino num pequeno prato ou forma de lata (não de ferro nem de alumínio), em sua horta ou jardim, e as pestes ficarão de longe toda a temporada. As químicas no pepino reagem com o alumínio para dar um cheiro indetectado por humanos mas que deixam as pestes loucas e as fazem fugir da área.
Procurando por uma rápida e fácil forma de remover celulite antes de ir à piscina ou praia? Tente esfregar uma rodela ou duas de pepino nas áreas afectadas por alguns minutos, os fito químicos no pepino forçam o colágeno de sua pele a encolher, firmando a camada de fora e reduzindo a visibilidade da celulite. Funciona optimamente para as rugas também!
Deseja evitar uma ressaca ou dor de cabeça? Coma algumas fatias de pepino antes de dormir e acordará sem dor e sem ressaca. Pepinos contêm bastante açúcar, Vitaminas B e electrólitos para repor os nutrientes essenciais que o corpo perde, mantendo tudo em equilíbrio, evitando ambos a ressaca e a dor de cabeça!
Procurando evitar aquela fome à tarde ou noitinha com alguma coisa? Pepinos têm sido usados por centenas de anos e usados por caçadores Europeus, exploradores e comerciantes como uma rápida refeição para evitar a fome.
Tem uma importante entrevista de emprego e você se realiza que não tem tempo para engraxar os sapatos? Simplesmente esfregue uma fatia fresca de pepino sobre o sapato, os químicos proverão um rápida e durável brilho que não somente fica óptimo como também repele água.
Não tem em casa o WD-40 para consertar aquele barulhinho enjoado de uma porta rangendo? Tome uma fatia de pepino e esfregue no lugar problemático, et voilá, o rangido se foi!
Cansado, stressado e sem tempo para uma massagem, facial ou visita ao SPA? Corte um pepino inteiro e coloque em uma panela de água fervendo, os químicos e nutrientes do pepino reagem com a água fervendo e se soltam no vapor, criando um relaxante cheirinho que tem sido mostrado de reduzir o stress em novas mamãs e estudantes durante exames finais.
Acabou de almoçar e ver que não tem goma de mascar ou balas de hortelã? Tome uma fatia de pepino e esprema no céu-da-boca com a língua por 30 segundos para eliminar o mal hálito, os fito químicos matarão as bactérias responsáveis por causar mal hálito.
Procurando por uma maneira ''verde'' para limpar suas torneiras, pias ou aço inoxidável? Esfregue uma fatia de pepino na superfície que deseja limpar, isto não só remove anos de zebre e traz de volta o brilho, mas também não deixa marcas e não mancham nem prejudicam suas unhas e mãos enquanto limpa.
Usando a caneta e comete um erro? Tome a casca do pepino (o lado de fora) e devagar use-a para desmanchar o erro, também funciona muito bem nos crayons que as crianças deixam nas paredes!

Vamos lá a começar a ter pepinos sempre em casa...

DIA DO AMIGO


Soube ser hoje o Dia internacional do Amigo!

Como vivo rodeada de amigos, graças a Deus,

deixo à todos vocês um grande abraço, desejando-lhes um lindo dia!
Segue um texto adaptado para o "Sempre Jovens" de autor desconhecido
Velhas amigas

Minha avó tinha uma inimiga ferrenha chamada Marina. Elas se mudaram para casas próximas na pequena cidade onde foram morar. Não sei quem começou a guerra, pois foi muito antes de eu nascer, e não sei se quando nasci, uns quarenta anos depois, elas mesmas se lembravam de quem havia começado. Mas o duro combate continuava, com amargas batalhas. Era uma contenda travada sem um pingo de educação. Era uma guerra entre senhoras, o que representava guerra total. Nada na cidade escapou das conseqüências. A igreja de quatrocentos anos quase desabou quando a vovó e a senhora Marina travaram a batalha pela presidência de uma Sociedade local. Vovó ganhou este combate, mas foi uma vitória sem valor, pois a senhora Marina derrotada, demitiu-se da Sociedade num acesso de pura raiva. E qual é a graça de você dirigir alguma coisa se não puder humilhar sua inimiga mortal?
A senhora Marina venceu a batalha da Biblioteca Pública, conseguindo que sua sobrinha Fernanda fosse indicada bibliotecária no lugar de minha tia Amanda. No dia em que Fernanda tomou posse, vovó parou de buscar livros na biblioteca, dizendo que estavam "cheios de germes", e começou a comprar os livros que queria ler.
A batalha da Escola Secundária terminou empatada. O diretor conseguiu um emprego melhor e saiu antes que a senhora Marina o tirasse de lá ou vovó conseguisse mantê-lo lá para sempre. Além dessas batalhas mais sérias, aconteciam constantes ataques e recuos na linha de tiro.
Quando éramos crianças e visitávamos vovó, parte da diversão consistia em fazer caretas para os terríveis netos da senhora Marina que revidavam com igual truculência. Corríamos atrás das galinhas e púnhamos bombinhas nos trilhos do bonde bem em frente à casa da senhora Marina com a doce esperança de que, ao passar, o bonde provocasse uma explosão que a fizesse morrer de susto. Num dia histórico, pusemos uma cobra na calha de chuva da senhora Marina. Minha avó ainda ensaiou um protesto, mas sentimos sua solidariedade, bem diferente dos veementes "nãos" de mamãe, e prosseguimos na nossa carreira de crianças endiabradas. Não pense, nem por um minuto que só havia um lado nessa guerra. Lembrem-se de que a senhora Marina também tinha netos bem mais valentões e espertos do que os netos de vovó. Os pestinhas puseram gambás no porão de sua casa e esta foi a agressão mais suave. O fato é que qualquer incidente na casa de vovó eram atribuído aos parentes da senhora Marina.
Não sei como vovó poderia ter suportado todos esses problemas se não fosse pelo caderno feminino do jornal diário. A Página, era uma instituição maravilhosa. Além das usuais dicas de cozinha e conselhos sobre limpeza, havia uma seção de troca de cartas para que as leitoras pudessem desabafar seus problemas. Para que o anonimato fosse mantido, as cartas vinham assinadas com um pseudônimo. O de vovó era “Serena” (que ironia!!!). Outras pessoas que tivessem o mesmo problema respondiam, dando a solução encontrada e também usando seus pseudônimos. Muitas vezes, exposto o problema, as leitoras ficavam trocando cartas por anos através do jornal, falando sobre filhos, doces em conserva ou a mobília nova da sala de jantar. Foi isso que aconteceu com vovó. Ela e uma mulher chamada Andorinha se corresponderam por vinte e cinco anos, e vovó dizia a Andorinha coisas que jamais confessara a ninguém, como a vez em que contou que pensava estar grávida (e não estava) ou quando meu tio Célio pegou piolho na escola e vovó ficou profundamente humilhada. Andorinha era sua amiga do coração. Quando eu tinha dezessete anos, a senhora Marina morreu. Numa cidade pequena, mesmo que você deteste a vizinha, faz parte das regras de educação se oferecer para ajudar a família enlutada no que for necessário. Vovó atravessou o gramado, deu os pêsames às filhas e começou a ajuda-las a limpar a já imaculada sala de visitas para o funeral. De repente, viu aberto sobre uma mesa, num lugar de destaque, um enorme álbum de recortes. Para seu mais absoluto estarrecimento ali estavam coladas, em colunas paralelas, as cartas dela para Andorinha e as de Andorinha para ela. A maior inimiga de vovó fora, na verdade, sua melhor amiga. Foi a única vez que me lembro de ter visto minha avó chorar. Eu não sabia naquela época por que ela estava chorando, mas agora sei. Chorava por todos os anos perdidos que não poderiam ser recuperados. Naquele momento fiquei tão impressionado com as lágrimas de minha avó, que não me dei conta da descoberta fundamental que começava a fazer. Uma descoberta que se transformou em convicção e que tem me ajudado imensamente...

Paixão fotos


A imagem foi chamada de "Porquê Paixão Fotos" e fala por si.
Do Blog com o mesmo nome, foto de autoria de A.Garrido.

Desde sempre que sei do José, ele ama a fotografia. Não tinha quase nada, mas tinha a melhor máquina possível, bem como todos os livros em todas as línguas, especialmente em Francês, para a sua auto aprendizagem.
Um verdadeiro auto-didacta, com laboratório de revelação de imagens e posterior secagem em metade da dispensa lá de casa!
Lembro-me que, por mais que ele me avisasse que não acendesse a luz enquanto fazia os seus trabalhos, eu entretida com a lida da casa, esquecia-me e pronto...acendia a luz e estragava tudo!
Quem conhece o José, sabe que ele nunca se altera, fala sempre no mesmo tom, mesmo quando enervado...mas a cara dele não engana :)) e lá recomeçava ele tudo de novo.

Esta paixão teve altos e baixos, como todas as paixões! Passou a um amor mais calmo e sólido.
Entretanto foi comprando e vendendo máquinas, mudando de lentes, de objectivas, trocando Pentax por Nikon, fazendo slides, até que quase abandonou...
Passou então para outras paixões, mas nunca abandonou totalmente.
Agora ela voltou, e voltou com toda a força e ainda bem que assim é para nosso regalo e meu grande orgulho.

GINASTA RUSSA!!!

video

A concentração desta Ginasta é algo de fantástico e daí a beleza das diversas figuras que ela apresenta. A forma plástica como o faz até dá ideia que é fácil !!!

Enviado por E-mail pela nossa Amiga Celle

19/07/2010

Idoso ou Velho?

Reflexões recebidas num anexo de e-mail como legendas de um pps e que servem de base para afirmar solenemente que sou um jovem de espírito! Ou, pelo menos, procuro ser! E desejo, quando for idoso, manter o arquivo de saber acumulado em boas condições de utilização e de ser aumentado com mais aquisições de informação.

Você se considera uma pessoa idosa, ou velha?
E você que é jovem, como deseja chegar lá ???
Acha que é a mesma coisa?
Pois então ouça o depoimento de um idoso de oitenta anos:
Idosa é uma pessoa que tem muita idade. Velha é a pessoa que perdeu a jovialidade.
Você é idoso quando sonha. É velho quando apenas dorme.
Você é idoso quando ainda aprende. É velho quando já nem ensina.
Você é idoso quando pratica esportes, ou de alguma outra forma se exercita. É velho quando apenas descansa.
Você é idoso quando seu calendário tem amanhãs. É velho quando seu calendário só tem ontens.
O idoso é aquela pessoa que tem tido a felicidade de viver uma longa vida produtiva, de ter adquirido uma grande experiência. Ele é uma ponte entre o passado e o presente, como o jovem é uma ponte entre o presente e o futuro. E é no presente que os dois se encontram.
Velho é aquele que tem carregado o peso dos anos, que em vez de transmitir experiência às gerações vindouras, transmite pessimismo e desilusão. Para ele, não existe ponte entre o passado e o presente, existe um fosso que o separa do presente pelo apego ao passado
O idoso se renova a cada dia que começa; o velho se acaba a cada noite que termina.
O idoso tem seus olhos postos no horizonte de onde o sol desponta e a esperança se ilumina.
O velho tem sua miopia voltada para os tempos que passaram.
O idoso tem planos. O velho tem saudades.
O idoso curte o que resta da vida. O velho sofre o que o aproxima da morte.
O idoso se moderniza, dialoga com a juventude, procura compreender os novos tempos. O velho se emperra no seu tempo, se fecha em sua ostra e recusa a modernidade.
O idoso leva uma vida activa, plena de projectos e de esperanças. Para ele o tempo passa rápido, mas a velhice nunca chega.
O velho cochila no vazio de sua vida e suas horas se arrastam destituídas de sentido. As rugas do idoso são bonitas porque foram marcadas pelo sorriso. As rugas do velho são feias porque foram vincadas pela amargura.

Em resumo, idoso e velho, são duas pessoas que até podem ter a mesma idade no cartório, mas têm idade bem diferente no coração.
Se você é idoso, guarde a esperança de nunca ficar velho.

18/07/2010

PLANO INCLINADO na SIC!!!



Mário Crespo, Medina Carreira e João Duque debatem o tema empresas e as crises com o empresário Alexandre Soares dos Santos

Humanizar a humanidade

Ninguém é perfeito e há um ditado antigo que diz que é mais fácil vermos um cisco no olho do vizinho do que uma trave no nosso. Essa debilidade humana, muito generalizada impede de analisar o bem e o mal dos outros de forma sensata, isenta, sem paixões nem radicalismos. Acho que será virtuoso procurarmos olhar os outros, como diferentes que são, e não estarmos teimosamente a colocarmo-nos como modelos de virtudes e termo de comparação, principalmente quando se trata de pessoas ou sociedades com outra educação, religião tradição, etc.

Cabe aqui citar o preceito cristão «amar os outros como a si próprio, tendo em mente que a palavra «outros» significa os diferentes em todos ou em muitos aspectos. Para julgar e condenar, com crítica ou opinião, será prudente imaginarmos o que faríamos ou pensaríamos se estivéssemos no seu lugar.

As religiões, todas visando a felicidade dos seus crentes, nalguns casos, oprimem de forma bárbara (segundo os conceitos de outras sociedades que seguem outros deuses). O cristianismo teve a inquisição com condenações bárbaras como a de Galileu só porque dizia que a Terra girava em volta do Sol e não o inverso como era crença na época. Houve as repressões dos que seguiram a Reforma luterana. Há, ao contrário da apregoada pobreza, simplicidade e humildade, o fausto das catedrais e do Vaticano, à custa das esmolas dos crentes e da «corrupção» com reis e imperadores. A Europa apesar do poder temporal da Santa Sé, andou quase permanentemente em guerra (dos 100 anos, dos 30 anos, dos 7 anos, primeira e segunda guerras mundiais, etc.).

Os Estados, com o conceito de soberania e não podendo hostilizar directamente as tradições seculares dos respectivos povos, não se subordinam pela força a outros estados que se arrogam possuir valores mais humanos. Haverá que dialogar, usando mais a convicção e o esclarecimento do que as ameaças e as sanções económicas ou outras. Com respeito, compreensão e boa vontade, usando mais o amor do que o medo, poder-se-á progressivamente ir criando novos hábitos mais racionais mais humanos, que favoreçam uma melhor cooperação entre os povos, quer nacionalmente quer internacionalmente, para a paz no mundo.

E nunca devemos esquecer que para melhorarmos o Mundo, devemos começar pela nossa rua, o nosso bairro, a nossa terra. Em 20 de Março houve um notável entusiasmo para LIMPAR PORTUGAL, mas o efeito foi pouco duradouro e há muita gente a queixar-se que se voltou ao mesmo desleixo de anteriormente. E não se vê uma actividade consistente e persistente para pressionar publicamente as autoridades a assumirem as suas responsabilidades sobre a defesa do ambiente, quer urbano quer rural.

Qualquer actividade manifestada para corrigir situações escandalosas em países diferentes é louvável e, por vezes é eficaz, mas não esqueçamos de mudar para melhor os nossos hábitos e dos nossos vizinhos. Limpar a nossa área de influência. É que só sendo eficientes aqui, poderemos ter credibilidade lá fora. Só dessa forma mostraremos que somos uma sociedade mais evoluída humana, cívica, ecologicamente.

17/07/2010

16/07/2010

Salvemos Sakineh Mohammadi Ashtiani

Não divulgar é ser cúmplice!!!


Todos temos recebido e assinado (assim espero) petições para tentar salvar a vida de Sakineh Mohammadi Ashtiani , mais uma mulher Iraniana que corria o risco de ser morta à pedrada após ter sido condenada por adultério.

A Amnistia Internacional conseguiu, com a recolha de assinaturas através das ditas petições, graças aos esforços de todo o Mundo, principalmente usando mais uma vez a Blogosfera, que as autoridades iranianas suspendessem a eminente execução desta jovem mãe de dois filhos, bem como o enforcamento de mais uma outra mulher acusada de ser activista política.
Ashtiani foi acusada de ter tido uma relação ilícita com dois homens em Maio de 2006. Na altura recebeu a sentença de 99 chicotadas. Apesar de as ter recebido, ela foi ainda acusada de adultério e sentenciada à morte por apedrejamento. A senhora de 43 anos de idade desdiz agora a sua confissão, confessando que o fez sob violência.
A sua filha de apenas 16 anos, Farideh, e o seu filho de 20 anos, Sajad, apelam a Comunidade Internacional, pedindo que ajudem a sua mãe e que acabam com este pesadelo de forma definitiva.
As últimas informações referem que o Governo Iraniano nega as notícias de que a Ashtiani seja executada por apedrejamento, contudo a sua sentença de morte será levada a cabo por um outro método,  a forca.

Se ainda não assinou, por favor,assine esta Petição Internacional.
freesakineh

Saiba ainda que, cerca de 150 mulheres e 50 homens, nas Maldivas, foram condenadas a ser publicamente chicoteadas por supostas práticas sexuais extras conjugais.
Recentemente, uma jovem de 18 anos desmaiou após ter sido chicoteada 100 vezes. Leia mais
AQUI .


É tempo de tentarmos, de todas as formas,  travar estes criminosos tratos sobre as mulheres e homens. Haja dignidade. Acabe-se com esta crueldade.

"A pena de morte é um acto de vingança social sobre quem quebrou regras fundamentais (muitas vezes mitos construídos).
Nada legitima uma maioria a matar alguém, nem uma questão ética radical depende de legitimidades democráticas, mas seja como for, aqui pisam-se Direitos Humanos reconhecidos por todos os estados da ONU (incluindo os islâmicos, apesar das reticências).

E como dizia uma das mulheres, não se trata só de matar. Trata-se é de um sádismo medieval em nome de Deus (uma bruta blasfémia, digo eu), de uma tortura mortal armada em lei (lembrando mentalidades de fogueiras), de um mal social perpetrado sobre as mulheres que pisam o risco (curioso, que a lei abrange ambos os géneros, mas bate sempre nas mulheres).

Podem vir agora algumas criaturas mais maduras dizer que só estou a expressar o meu "anti-islamismo" e que a imagem é pura propaganda. Digo-vos que a propaganda não é mal nem é bem, é só um instrumento, e aqui muito bem aplicado: indignem-se!"


La force des choses

Fernanda (Ná)
Na casa do Rau

BOB, o peixinho carinhoso!

video

Este peixinho mostra a confiança que tem no seu parceiro aceitando todas as suas caricias e procurando-o sempre e acima de tudo demonstrando o prazer em receber tais manifestações de amizade!

Só o ser humano é, muitas vezes, cego a estas manifestações de carinho e amizade que se tem com ele , olhando mais a interesses que delas podem advir!

O dito "irracional" dá muitas vezes lições aos que se julgam racionais...

ACOMPANHANTE DE LUXO

Imagem da net


Percorre as pedras da calçada,
Já gastas, velhas mas intactas
Sorve o silêncio da noite enluarada
E descobre que na vida tem o nada!
Foram anos de mentiras sem afagos,
Que passaram a correr em passos largos,
E hoje na frieza desse quarto,
O dinheiro que ganhou vendendo o corpo,
Deu-lhe o luxo mas com o sabor amargo,
Do passado que repele e quer morto!
Mas na vida tudo tem um preço,
E sofre sozinha os desvarios,
Do amor que negou num arremesso
Sentindo no vazio o seu castigo!


26/10/2008


Inspirado numa história verídica.

15/07/2010

A Obesidade Mental - Andrew Oitke

O prof. Andrew Oitke publicou o seu polémico livro «Mental Obesity», que revolucionou os campos da educação, jornalismo e relações sociais em geral. Nessa obra, o catedrático de Antropologia em Harvard introduziu o conceito em epígrafe para descrever o que considerava o pior problema da sociedade moderna.
«Há apenas algumas décadas, a Humanidade tomou consciência dos perigos do excesso de gordura física por uma alimentação desregrada. Está na altura de se notar que os nossos abusos no campo da informação e conhecimento estão a criar problemas tão ou mais sérios que esses.»
Segundo o autor, «a nossa sociedade está mais atafulhada de preconceitos que de proteínas, mais intoxicada de lugares-comuns que de hidratos de carbono. As pessoas viciaram-se em estereótipos, juízos apressados, pensamentos tacanhos, condenações precipitadas. Todos têm opinião sobre tudo, mas não conhecem nada. Os cozinheiros desta magna "fast food" intelectual são os jornalistas e comentadores, os editores da informação e filósofos, os romancistas e realizadores de cinema. Os telejornais e telenovelas são os hamburgers do espírito, as revistas e romances são os donuts da imaginação.»
O problema central está na família e na escola.
«Qualquer pai responsável sabe que os seus filhos ficarão doentes se comerem apenas doces e chocolate. Não se entende, então, como é que tantos educadores aceitam que a dieta mental das crianças seja composta por desenhos animados, videojogos e telenovelas. Com uma «alimentação intelectual» tão carregada de adrenalina, romance, violência e emoção, é normal que esses jovens nunca consigam depois uma vida saudável e equilibrada.»
Um dos capítulos mais polémicos e contundentes da obra, intitulado "Os Abutres", afirma:
«O jornalista alimenta-se hoje quase exclusivamente de cadáveres de reputações, de detritos de escândalos, de restos mortais das realizações humanas. A imprensa deixou há muito de informar, para apenas seduzir, agredir e manipular.»
O texto descreve como os repórteres se desinteressam da realidade fervilhante, para se centrarem apenas no lado polémico e chocante. «Só a parte morta e apodrecida da realidade é que chega aos jornais.» Outros casos referidos criaram uma celeuma que perdura. «O conhecimento das pessoas aumentou, mas é feito de banalidades. Todos sabem que Kennedy foi assassinado, mas não sabem quem foi Kennedy. Todos dizem que a Capela Sistina tem tecto, mas ninguém suspeita para que é que ela serve. Todos acham que Saddam é mau e Mandella é bom, mas nem desconfiam porquê. Todos conhecem que Pitágoras tem um teorema, mas ignoram o que é um cateto».
As conclusões do tratado, já clássico, são arrasadoras.
«Não admira que, no meio da prosperidade e abundância, as grandes realizações do espírito humano estejam em decadência. A família é contestada, a tradição esquecida, a religião abandonada, a cultura banalizou-se, o folclore entrou em queda, a arte é fútil, paradoxal ou doentia. Floresce a pornografia, o cabotinismo, a imitação, a sensaboria, o egoísmo. Não se trata de uma decadência, uma «idade das trevas» ou o fim da civilização, como tantos apregoam. É só uma questão de obesidade. O homem moderno está adiposo no raciocínio, gostos e sentimentos. O mundo não precisa de reformas, desenvolvimento, progressos. Precisa sobretudo de dieta mental.»

Por João César das Neves

Nota:
Este assunto tem sido tratado neste Blogue amiudadas vezes mas dada a sua importância não é demais traze-lo de novo à consideração de todos nós, ainda que seja um pouco extenso.

14/07/2010

Petróleo. Tragédia Mundial à vista

Recebi por e-mail um estudo dizendo que se a fuga de petróleo, no Golfo do México, continuar por 18 meses, todos os oceanos serão contaminados, o que com a destruição de vida marítima e a emanação de gases tóxicos transportados pelos ventos, destruirá a toda a cadeia alimentar e a vida no planeta.

Diz que os cientistas nos USA não podem falar, com um grande medo da administração Obama. Realmente, este segredo pode ter por intenção não lançar o pânico nas populações da Terra, perante a perspectiva do apocalipse.

Mas se tal silêncio pode ter justificação, nada desculpa que não haja medidas eficazes para controlar e conter o perigo de tal contaminação mundial. Uma solução poderia constar de fechar o Golfo do México tornando-o um lago, através de potentes diques ligando a Flórida a Cuba através do Estreito da Flórida e Cuba à Península de Iucatão no México através do Estreito de Iucatão. É certo que isso traria inconvenientes para as regiões litorais do Golfo, mas seria um mal menor por evitar que o mesmo venha a acontecer a todas as regiões costeiras do mundo.

Os Estados Unidos e a própria ONU devem encarar esta solução ou outra melhor a tempo de evitar a catástrofe que está sendo prevista.

Imagem da Net.

APP - Associação Portuguesa de Psicogerontologia


Idosos que fazem planos vivem mais tempo
Posted: 10 Jul 2010 01:53 AM PDT

“Por vezes sinto que já fiz tudo o que havia a fazer nesta vida”, “Estabelecia metas pessoais mas isso agora parece-me uma perda de tempo” ou “O meu dia-a-dia parece-me frequentemente trivial e pouco importante”. Já ouviu estas frases em algum lado? Estas foram as ideias usadas num questionário para um estudo publicado esta semana que avaliou a associação entre a posse de um objectivo de vida e a mortalidade.
Um estudo que envolveu um questionário a mais de 1200 idosos mostra que ter um objectivo na vida reduz o risco de… morte. O mesmo é dizer que prolonga a vida. Os investigadores ajustaram as diversas variáveis envolvidas (idade, sexo e educação) e demonstraram que, independentemente de tudo isso, ter um propósito na vida está associado a uma redução significativa da mortalidade. Segundo o estudo, uma pessoa com um plano para a vida corre metade do risco de morrer nos meses seguintes se a comparamos com alguém sem objectivos. Esta conclusão não é diferente entre homens e mulheres, brancos ou negros e resiste também se considerarmos factores como sintomas de depressão ou outras condições clínicas.
“Associarmos a posse de um propósito de vida à longevidade nas pessoas mais velhas leva-nos à conclusão de que estes aspectos contribuem para um envelhecimento de sucesso”, refere Patricia Boyle, que liderou o estudo levado a cabo no Rush Alzheimer’s Disease Center. Mais do que a leitura dos efeitos psicológicos que esta estratégia poderá produzir, a especialista diz estar entusiasmada com a possível contribuição que este factor pode ter na saúde.
Os especialistas deixam em aberto a possibilidade do facto de ter um objectivo de vida interferir com outras características demográficas e delegam para futuros estudos a hipótese de algumas variáveis como a religião terem um efeito.

Fonte: Público

Nota:

Se já tens muitos anos, mas não te sentes "velho", e tens planos para o futuro ...
... alegra-te! Vais viver o tempo suficiente para os realizar !
Lê o texto. Voltaremos a conversar sobre este assunto daqui a 20, 30 ou 40 anos. Se estiveres de acordo, claro!
Um abraço do
Duarte Rui Fontoura