16/07/2010

Salvemos Sakineh Mohammadi Ashtiani

Não divulgar é ser cúmplice!!!


Todos temos recebido e assinado (assim espero) petições para tentar salvar a vida de Sakineh Mohammadi Ashtiani , mais uma mulher Iraniana que corria o risco de ser morta à pedrada após ter sido condenada por adultério.

A Amnistia Internacional conseguiu, com a recolha de assinaturas através das ditas petições, graças aos esforços de todo o Mundo, principalmente usando mais uma vez a Blogosfera, que as autoridades iranianas suspendessem a eminente execução desta jovem mãe de dois filhos, bem como o enforcamento de mais uma outra mulher acusada de ser activista política.
Ashtiani foi acusada de ter tido uma relação ilícita com dois homens em Maio de 2006. Na altura recebeu a sentença de 99 chicotadas. Apesar de as ter recebido, ela foi ainda acusada de adultério e sentenciada à morte por apedrejamento. A senhora de 43 anos de idade desdiz agora a sua confissão, confessando que o fez sob violência.
A sua filha de apenas 16 anos, Farideh, e o seu filho de 20 anos, Sajad, apelam a Comunidade Internacional, pedindo que ajudem a sua mãe e que acabam com este pesadelo de forma definitiva.
As últimas informações referem que o Governo Iraniano nega as notícias de que a Ashtiani seja executada por apedrejamento, contudo a sua sentença de morte será levada a cabo por um outro método,  a forca.

Se ainda não assinou, por favor,assine esta Petição Internacional.
freesakineh

Saiba ainda que, cerca de 150 mulheres e 50 homens, nas Maldivas, foram condenadas a ser publicamente chicoteadas por supostas práticas sexuais extras conjugais.
Recentemente, uma jovem de 18 anos desmaiou após ter sido chicoteada 100 vezes. Leia mais
AQUI .


É tempo de tentarmos, de todas as formas,  travar estes criminosos tratos sobre as mulheres e homens. Haja dignidade. Acabe-se com esta crueldade.

"A pena de morte é um acto de vingança social sobre quem quebrou regras fundamentais (muitas vezes mitos construídos).
Nada legitima uma maioria a matar alguém, nem uma questão ética radical depende de legitimidades democráticas, mas seja como for, aqui pisam-se Direitos Humanos reconhecidos por todos os estados da ONU (incluindo os islâmicos, apesar das reticências).

E como dizia uma das mulheres, não se trata só de matar. Trata-se é de um sádismo medieval em nome de Deus (uma bruta blasfémia, digo eu), de uma tortura mortal armada em lei (lembrando mentalidades de fogueiras), de um mal social perpetrado sobre as mulheres que pisam o risco (curioso, que a lei abrange ambos os géneros, mas bate sempre nas mulheres).

Podem vir agora algumas criaturas mais maduras dizer que só estou a expressar o meu "anti-islamismo" e que a imagem é pura propaganda. Digo-vos que a propaganda não é mal nem é bem, é só um instrumento, e aqui muito bem aplicado: indignem-se!"


La force des choses

Fernanda (Ná)
Na casa do Rau

45 comentários:

lolipop disse...

Querida amiga:
Não podia estar mais de acordo. E para que todos saibam, o Ministro Iraniano dos Negócios Estrangeiros, afirmou numa recente visita a Madrid que "a justiça iraniana não suspendeu a lapidação" apenas defendeu um debate sobre a questão do "castigo imposto pela lei Islâmica". Até dá vontade de rir...
Há uma figura feminina que admiro muito. Ayaan Hirsi Ali, nascida na Somália e criada segundo a lei Islãmica, um dia rebelou-se e fugiu dum casamento e dum destino
que não queria.
Foi deputada na Holanda e esteve ligada ao projecto pelo qual o realizador Theo Van Gogh foi brutalmente assassinado por um fanático Islâmico nas calmas ruas de Amsterdão.
Deixo-te aqui uma citação de um dos seus livros, The Caged Virgin: "(...) Islam is strongly dominated by a sexual morality derived from tribal Arab values dating from the time the Prophet received his instructions from Allah, a culture in which women were the property of their fathers, brothers, uncles...The essence of a woman is reduced to her hymen."
Pois chamem-me islamofóbica á vontade. Essa gente continua a reger-se por principios que vêm do sác VII. E mais, recusam-se a dialogar, estão-se nas tintas para petições, porque consideram as suas chicotadas e apedrejamentos sinónimos duma cultura superior.
Superior...my ass!
Sabes quais foram as últimas palavras de Theo van Gogh?
"CAN WE WORK THIS OUT...?"
Continuamos a não poder.
Desculpa Ná, é um assunto que me diz muito, entusiasmei-me.
bjo

Mariz disse...

Querida Ná

Realmente não suporto saber destas praticas não por serem antigas - pois já no tempo de Cristo, haviam apedrejamentos - até os Livros Sagrados, todos, nos dão conta que os homens sempre tiveram mais do que 1 mulher...só não se entende como é que ainda hoje as mulheres são tratadas como carne de 2ª. - Jesus naquele tempo, já se debatia pelos amplos direitos femininos!!! - para quem não saiba!

Este não é pois um caso isolado!
Admira-me apenas porque razão só agora se faz tanto alarde! - embora muito bem fundamentado. Mas porque razão a mesma associação dita humanitária que sempre assinei petições e fui sua fundadora aqui, não alarga essas petições ao seu próprio país?! A saber: deixei de pertencer, quando os critérios por que se regia foram usurpados pela política, quando entusiasticamente, avançou para a angariação de votos para Obama - que de tolo não tem nada....e foi quase idolatrado, como de um "messias" se tratasse. Mas curiosamente, ainda não fez o "milagre" de abolir em pleno, a PENA DE MORTE NO SEU PAÍS ONDE A LIBERDADE(?) É FONTE DE PROPAGANDA DE TODAS AS OPORTUNIDADES(?). POVO ESSE QUE SE HABITUOU A COLOCAR A MÃO DIREITA SOBRE O PEITO SEMPRE QUE CANTA O HINO NACIONAL E CURIOSAMENTE TERMINA COM: GOD BLESS AMERICA!!

E eu pergunto onde está a Avazz e outras tantas vozes para denunciar e/ou se indignarem com isso?! - Aqui a modernidade IMPERA!!!! E do outro lado, não! - como dizem - daí os apedrejamentos.

Acho isto uma falta de coerência, não só pelo mutismo da maioria, como pelo cinismo implícito.

E sim...assinei a petição também!

Deixo o meu olhar criterioso mas sereno, porque o karma dos outros ninguém pode suportar! todos, mas todos, decidimos nascer no país onde quisemos e na família igualmente para que pudessemos evoluir animicamente. De quando em vez, também me esqueço disso e resolvo escrever como pessoa pateta, entre paris! - por me indignar com o que outros povos praticam, dizem...
porque o pensamento esse...conta histórias de "encantar"!!!.. - basta observar-se a vibração do Planeta.

Mariz

Fernanda disse...

Pois é querida amiga Margarida, são estas coisas que nos deixam literalmente doentes...
que não conseguimos deixar passar em branco, porque até náuseas nos provocam, que nos unem.

Não conhecia Ayaan Hirsi Ali. Obrigada por ma teres referido.
Fui saber mais coisas dela, e vê só o que encontrei...

"Aos cinco anos Ayaan e sua irmã de 4 anos sofreram a infibulação do clitóris numa cerimonia organizada pela avó, apesar da oposição do pai a esta prática. Também chamada de excisão faraónica, a infibulação é considerada a pior de todas, pois, após a amputação do clitóris e dos pequenos lábios, os grandes lábios são seccionados, aproximados e suturados com espinhos de acácia, sendo deixada uma minúscula abertura necessária ao escoamento da urina e da menstruação. Esse orifício é mantido aberto por um filete de madeira, que é, em geral, um palito de fósforo. As pernas devem ficar amarradas durante várias semanas até a total cicatrização. Assim, a vulva desaparece sendo substituída por uma dura cicatriz. Por ocasião do casamento a mulher será “aberta” pelo marido ou por uma “matrona”, mulheres mais experientes designadas a isso. Mais tarde, quando se tem o primeiro filho, essa abertura é aumentada. Algumas vezes, após cada parto, a mulher é novamente infibulada."

Esta foi a parte que mais me chocou. Mas há mais...
Tenho que ler "The caged Virgin", mas por tudo que citas, e pelo que acabei de ler na Net, é mesmo isso.
As mulheres Islamitas são sujeitas às piores barbaridades e não há quem se revolte categoricamente.
Não há como não ficar indignada.

Dizes que não há petição que seja respeitada, acredito que sim, mas pelo menos mostremos que estamos do lado certo, que estamos com quem sofre atrocidades impensáveis, tem que haver algo que possamos fazer.

Eu continuarei a assinar todas as petições e a dar voz a estas desgraçadas mulheres que só tiveram o azar de nascer no lado errado do planeta.

Even if we can't work this out, we certainly can give voice to these helpless women.

Beijinhos

Ana Martins disse...

Boa noite querida amiga,
isto não é castigo que se aplique a quem viole a lei, isto é uma monstruosidade sem limites.

Temos o direito e o dever de nos indignarmos e manifestar a nossa revolta por crueldades como estas.

Beijinhos,
Ana Martins
Ave Sem Asas

Fernanda disse...

Querida Mariz,

Obrigada pela sua achega!
É sempre um prazer enorme vê-la aqui e ler os seus comentários.

Amiga, há coisas que me superam. Eu e o Avazz também já tivemos melhores momentos.
Também não vi com bons olhos a mistura da organização defensora de causas e a campanha do Obama.

Contudo assinei também a petição do Avazz e agora esta.

Infelizmente sabemos todos que este não é um caso isolado, não, são demais já e já vêm de longe, de muito longe, de sempre...
Só que agora se tornam públicos com mais facilidade.
O Mundo das comunicações veio alterar um pouco o rumo dos acontecimentos.
Dantes, só tomavamos conhecimento das coisas depois, agora sabemos delas antes, durante e depois.

Já tinha conhecimento deste caso há dias, como todos nós...
Mas só hoje me foi oportuno trazê-lo ao Sempre Jovens.
Comecei pelo Diverse Texts and Stories.
Como digo na minha frase introdutória, não divulgar é ser cúmplice.
Quem cala concente.
Temos que nos insurgir, temos essa obrigação.

Beijo terno.

Fernanda disse...

Querida Ana,

Tens toda a razão!
Sabemos que sem leis não se governa um país, mas isto não são leis minimamente aceitáveis, são duma crueldade sem limites e infligidas maioritariamente sobre mulheres...
que curiosamente dão à luz esses mesmos homens que as escravizam e maltaratam com requintes duma malvadez inqualificável.

Beijinhos

Na casa do Rau

Rogério Pereira disse...

Fernanda,
Como não concordar com tudo o que escreveu?
Claro que há sempre riscos de estar a ver instrumentalizados os nossos sentimentos e a nossa humanidade...
Claro que a cultura islãmica me é distante e dela sou ignorante...
Claro que a Mariz faz observações pertinentes...
Claro que há quem aponte o dedo com profundas culpas por crimes semelhantes, mas omissos...
Claro!
MAS NO PLANO DOS PRINCIPIOS, TRATA-SE DE UM CRIME REPUGNANTE QUE MEREÇE TODOS OS ESFORÇOS PARA SER EVITADO!
Nomeadamente assinando a petição!
Nomeadamente apoiando este seu post!

Beijo

Saozita disse...

Olá querida amiga Ná, participei na Petição anterior e já assinei também esta. É sem dúvida desumano e aviltante, a condenação à morte por adultério, sendo que a maioria das vezes, nem verdade é, mas basta a suspeita e a indicação de testemunhas falsas para se ser condenada à morte. É terrivel e por isso nos indignamos, porque não intervém formalmente todos os governos? É uma pergunta que aqui deixo em suspenso!

Tem uma boa noite.
Beijinho com amizade.

lolipop disse...

Querida Ná:
Volto aqui porque senti que precisava de dizer mais alguma coisa.
A Mariz tem razão quando diz que não se trata dum caso isolado. De facto, não. E se insistirem em levar esta barbaridade por diante, esta pobre mulher não será a primeira nem a última a ser punida em nome duma religião.
Interessando-me, como já te disse por este assunto, sei há muito de mulheres esfaqueadas nos chamados crimes de honra, muitos deles cometidos por imigrantes islâmicos na Europa. Basta apaixonaram-se por um "não islâmico", usarem calças ou mini-saia, ou até...terem um telemóvel. Sei também de outras, em território islâmico, que se viram queimadas com ácido por quererem ir á escola. E, não, não é propaganda, são FACTOS.
E, do outro lado, do nosso lado, ainda há muitos que pactuam e ocultam, em nome das diferenças culturais e do respeito por uma religião.
Não, não é por serem preceitos arcaicos, que me horrorizam, é por serem irracionais, cruéis, bárbaros, demenciais e imcompatíveis com a civilização que nós, ocidentais, construímos, e em que, pesem todas as injustiças que possamos cometer, não enterramos ninguém na areia, com a cabeça de fora para ser alvo, das pedras que atiramos...

lolipop disse...

Ainda voltei...queria pedir que me mandasses por e-mail o teu endereço.
Vou ter um imenso prazer em enviar-te como presente o Caged Virgin...
vou encomendá-lo através da Amazon ainda hoje.
Beijos

Fernanda disse...

Amigo Rogério!

Nomeadamente gostei muito de ler o seu comentário...
Pelo menos uma voz masculina a ter a coragem de dizer o que sente!!!
E é sim, sem dúvida alguma "... UM CRIME REPUGNANTE QUE MERECE TODOS OS ESFORÇOS PARA SER EVITADO!"

Beijinhos

Fernanda disse...

Querida Sãozita!

Boa pergunta! Gostaria muito de ter uma resposta cabal e honesta, embora faça as minhas conjecturas.
Ninguém se atreve a enfrentar esta gente.
Lembras-te com certeza do escritor anglo-indiano, Salman Rushdie, e do que lhe aconteceu só por se ter manifestado contra a intolerância religiosa no seu país de origem e não só!
Enfim...há tanto para dizer, mas o que aqui nos importa defender é a causa das mulheres injustamente tratadas de forma aviltante.

Beijinhos

Fernanda disse...

Querida Margarida!

Sabes bem o que sinto e como valorizo cada achega dada.
Volta sempre com tudo o que achares relevante.
Esta é a única forma que nos resta para que saibam que não aceitamos estas atrocidades.
De algo servirá ...

Amiga, não encomendes livro nenhum, eu tenho amigos em Inglaterra que mo enviam pelo correio e fica mais barato.
Falo contigo melhor por e-mail.
Beijos!

Pérola disse...

Ninguém merece isso,é covardia.
Nunca vi tamanha crueldade.
Um beijo amada.

Anónimo disse...

What a shame Ná. How right you are to denounce this kind of cruelty and assassination! What world are we living in? Women are synonymous of Love and Birth and Life and they're still assassinated or stoned to death.
Thanks for sharing.
Kiss you friendly,
Marie
16 July 2010 16:51

Pérola disse...

Um beijo minha flor.
Obrigado pela sua visita.

J.Ferreira disse...

Começo por te dar os parabéns pela coragem e determinação.

Sei quanto ponderaste antes de publicar este texto, falamos muito sobre este assunto bem como em tantos outros.
Só agora me dei conta que sempre acabaste por publicar. Devia saber que o farias!

Não há muito mais a dizer, todas as opiniões são unânimes, nem outra coisa seria de esperar.

De facto nada, mas mesmo nada, justifica este CRIME HORRENDO.

Gostava apenas de lembrar pontos que foram, na minha humilde opinião, pouco esclarecidos.

A recordar:
Salman Rushdie, em 1989, foi condenado à morte pelo Ayatollah Khomeini, lider do Irão. Motivo: publicou um romance (Versículos Satânicos) considerado blasfemo.

Isioma Daniel, em 2002, é condenado à morte. Motivo: este jornalista nigeriano escreveu sobre o profeta Maomé e a Miss Mundo. As manifestações dos muçulmanos em fúria provocaram na altura 200 mortes.

Theo van Gohg, em 2004, é assassinado por um muçulmano. Motivo: este realizador holandês realiza um filme sobre as violência que são vítimas as mulheres muçulmanas.

(Este, a amiga Margarida já havia mencionodo).

2001. No Afganistão, fundamentalistas islâmicos, num acto de profundo desrespeito pelas outras religiões, decidem dinamitar as estátuas sagradas de Buda. A julgar por esta amostra, o respeito pela religião só se aplica ao Islamismo e aos seus símbolos religiosos.

Fevereiro de 2006. Os muçulmanos sentiram-se profundamente chocados com uma dúzia de desenhadores europeus que caricaturam Maomé, no entanto nunca se lhes viu idêntica indignação quando grupos de terroristas, em nome de Maomé, matam indiscriminadamente milhares de pessoas em todo o mundo. As caricaturas de Maomé, de acordo com estas reacções, parecem ter mais valor que as vidas humanas. Algo que nenhuma europeu é capaz de aceitar.

Ao que tudo indica, e pela informação que disponho, mais ou menos a partir do século XVII em todos os países europeus, deu-se início à proibição de todas as formas de perseguições por motivos religiosas.
Hoje faz parte dos direitos de qualquer cidadão ter a religião que entenda, ou não ter nenhuma.

No mundo muçulmano, o ideal político foi sempre a criação de estados teocráticos, onde o poder político é confiado a líderes religiosos.

Tudo isto para dizer que são os líderes religiosos, e sempre quando detêm o poder, que são responsáveis pelas maiores barbáries possíveis e imaginárias.
Isso está profundamente errado e tenho a certeza que tudo mudaria se fosse possível alterar estas situações.

Tal como tu, estou solidário com todas as mulheres e homens que são levados a uma morte indigna, cruel e totalmente desumana, muitas das vezes (quase sempre) sem qualquer fundamento.

INDIGNEMOS-NOS SIM! temos esse direito!

Já assinei a petição!

Beijo
J.Ferreira

Irene Moreira disse...

Querida Ná

Como me entristece ler isso nos dias de hoje e vejo pelos comentários que como vai longe os cases. Náo é uma mulher que hoje está sobre a mira de ser apedrejada ou punida severamente e injustamente de que forma seja. Existem muitas mais atrás disso e como me revolta em ver tamanha barbaridade num mundo de hoje aberto pelos meios de comunicação, onde as culturas se entrelaçam e um elo insano dita normas cruéis aos olhos do mundo que fica inerte.
As mulheres estão a mercê da maldade machista e são levadas a punições por violências do próprio sistema. O pensamento da geração jovem como no caso dos filhos já mostram uma esperança de mudança.

Beijos

Carmo disse...

Olá Ná, nunca é demais alertar para tamanha crueldade.
Estou indignada sim com tamanha cobardia!!!
Há que mudar mentalidades para podermos mudar sociedades arcaicas.

Beijinhos
Bom fim de semana

Tite disse...

Querida Na,

Por estar absolutamente de acordo com esta petição já a havia assinado através do Facebook.

Temos que nos unir contra aquilo que, na nossa sociedade é considerado uma indignidade. Não nos podemos esquecer que os próprios também têm que o fazer senão, corremos o risco de nos imiscuirmos em assuntos que não nos dizem respeito, pois certamente não gostaríamos que outros povos nos viessem impôr leis com as quais também não estaríamos de acordo.

Tudo isto é muito controverso à luz das culturas de outros povos outras civilizações.

De qualquer modo volto a dizer que já assinei a petição.

Abraços saudosos

Silenciosamente ouvindo... disse...

Minha amiga, obiamente que eu estou
de acordo com este texto e nem sei
que possa dizer perante situações
tão horríveis que ainda acontecem
em certos países.Parece impossível
alguém se achar no direito de mandar fazer tais coisas.E também
é incrível como não há movimentos
de todos os países "ditos democráticos" que consigam ter força para fazer querer a esses
governantes que não é de forma
alguma justa leis tão bárbaras.
Beijinho

Luis disse...

Minha Boa Amiga NÁ,
Ainda não tinha vindo comentar mas já assinei uma petição no sentido de se acabar com este bárbaro procedimento! Parece que em nada evoluiram!
Estou consigo nesta luta contra todas as barbaridades que os islamitas cometem seja contra as mulheres seja contra os homens. Na sua concepção de vida não têm o mínimo respeito pelo ser humano! São dum radicalismo feroz!!!
Beijinho amigo.

Fernanda disse...

Amiga Ângela!

Obrigada pela solidariedade.
Somos mulheres, seres humanos, exigimos ser tratadas com dignidade, seja lá qual for a religião que se pratique ou siga.

Beijinhos

Fernanda disse...

Dear Marie!

Thank you for your comment!
Yes Marie, an enormous monstrosity is being inflicted on women for far too long.
This is outrageous!!!
Abnormal!!!
I feel sick just by thinking that this is still being done nowadays.
Women are indeed the BIRTH of mankind, yet they are cruelly stoned to death.
Shame on those who make and support these rules.

Hug Hug,

Fernanda disse...

Obrigada por teres vindo dar o teu apoio e dizer de viva voz o que pensas.

Está agora tudo dito, ou quase tudo!
Infelizmente quanto mais se indaga mais ultrajante e desumano se torna tudo.
Vergonhoso para a Humanidade.

Beijo

Fernanda disse...

Querida Irene!

Sabias que não deixarias de passar por cá!
Obrigada amiga pelas palavras de apoio. Oxalá se consiga uma mobilização massiva mundial que ajude a pressionar os governos destes países, no sentido de, pelo menos deixar de condenar à morte, (a esta tortura inexplicável, inqualificável)as pobres mulheres, nossas irmãs.

Beijinhos

Fernanda disse...

Amiga Carmo!

Sem dúvida!
Não será fácil, mas a pressão internacional pode e deve continuar, até que seja atingido algum sinal de abrandamento.

Beijinhos

Fernanda disse...

Querida Tité!

Ainda bem que assinaste a petição. Bem hajas.

Dizes que nenhum país tem o direito de interferir nas leis internas dum outro.
Realmente não tem! Desde que essas leis não desrespeitam as Convenções Internacionais, como é o caso.

Vê bem sobre os casos.
Sabendo quem tu és, não acredito que continues a achar que não devemos denunciar e pressionar para que sejam respeitados os mais elementares direitos humanos.

Beijinhos

Fernanda disse...

Querida Irene!

Não há como entender estes fanáticos e será muito difícil ou mesmo impossível fazê-los ver o que eles não querem.
Estas leis vêm de trás, de muito atrás, só que em vez de progredirem, não eles regridem.
Há uma lei recente, aprovada há menos de um ano, eu falei nisso aqui, que autoriza os homens a deixarem morrer à fome a sua mulher se não se sentir sexualmente satisfeito com ela.

Não há palavras para esta enorme indignação que sinto.

Obrigada pelo apoio.

Beijinho,

Fernanda disse...

Amigo Luís!

Sinceramente senti a sua falta e não só a sua.
Ainda bem que veio dar o seu apoio.
Meu amigo, o que dizer mais???
Radicalismos, fundamentalismos,barbaridades destas só podem ser condenáveis.

Seja lá que Deus for, ele não pode estar contente e feliz com a actuação do Homem.
Matar é crime, matar assim é monstruoso, não há adjectivos para classificar.

Beijinhos

Pedro Ferreira disse...

Olá Mãe!

Ainda bem que cá vim! Sabes que não é por falta de interesse, gostaria de ter tempo para comentar todos os amigos, mas nem para ti tenho tempo, tu sabes. Desculpa!

Mais uma vez te digo que, é com o maior orgulho que te leio - Bem-hajas -.
Se todos nós nos empenhássemos nestas causas com a mesma determinação, o Mundo seria bem diferente.

Não se consegue conceber a ideia sequer de que esta monstruosidade esteja ainda a acontecer nos dias de hoje.
Como se podem cometer estes crimes hediondos sobre as nossas mães, as nossas mulheres e companheiras, as nossas irmãs e irmãos, como?
Se há Deus, em seu nome peço perdão para estes criminosos, estes assassinos, porque se há Inferno eles para lá irão todos.

Mãe, assinei a petição e assinarei tudo, manda-me por e-mail o do Avazz também. Por favor!

Amo-te muito.
Beijos e abraço ao pai.
Pedro

Luis disse...

Querida Amiga NÁ,
Como vê não andava fugido, fui até dos primeiros a assinar a petição pois considero monstruoso este tipo de castigo, que de castigo nada tem. É só barbaridade!!!
Beijinho muito amigo.

maria jose areal disse...

Também assinei a petição. Não podia fazer outra coisa, ou não era eu mesma.
É muio difícil e demasiado danoso conviver com o conhecimento destas atrocidades!
que mundo este que mundo??? Em nome de quê e de quem???
De uma politica? de Um Deus? Talvez em nome do medo, da inestimável alegoria do bem sobr o mal, sendo que o mal é só no feminino. Ainda há quem diga e pense que "nesse mundo" lhe assiste o direito a...
Morro de vergonha!!!!

Rafeiro Perfumado disse...

O que mais me preocupa é que por cada caso que chega ao conhecimento da comunidade internacional existem centenas que sofrem no desconhecimento.

Fernanda disse...

Olá Pedro!

Obrigada pelo apoio. Como te amo!!!
Sabes Pedro? Eu não faço mas do que os outros, faço só o que o meu coração me dita.
Se eventualmente podemos ajudar, ajudaremos, faremos por isso.
Pelo menos temos a liberdade de dizer o que pensamos e de dar voz a quem a não tem.

São basicamente mulheres que são sujeitas a estas atrocidades. As mulheres que são o BERÇO da HUMANIDADE, a Casa do amor e a força da vida.
Não é tema para guardar na gaveta e pretender que não é nada connosco.
Há petições, há a Amnistia Internacional, há forma de TENTAR impedir que pelo menos alguma seja poupada.

Já te enviei o que pediste.

Beijos saudosos da mãe que te adora.

Fernanda disse...

Obrigada meu bom amigo Luís!

Sei que tem um coração de oiro e sabe valorizar as causas, estar do lado dos oprimidos, abusados e dos assassinados.

Beijinhos

Fernanda disse...

Amigo Jorge!

Exactamente! Palavras mais do que sensatas.
Estes casos que vêm a público dão-nos uma pálida ideia do que se passa realmente!

Obrigada pelo apoio.
Beijo

Fernanda disse...

Querida amiga Maria José!

As tuas palavras são sempre as que mais me tocam, tu sabes disso.
Amiga, mesmo doente como estás, consegues estar a pé e a defender causas tão nobres.
Emociono-me só de pensar em toda a tua força, coragem e amor ao próximo.
Bem-hajas.

Beijinhos

Alma Inquieta disse...

Olá Fernanda,

realmente há coisas que a sensibilidade de um Ser Humano não pode calar!
Infelizmente assistimos à passividade da Comunidade Internacional, a própria comunicação social parece não estar muito empenhada em causas como esta!
Às vezes pergunto-me... de que têm medo???

Vejo, e alegro-me, porque parece que encontrei alguém neste mundo da blogosfera tão empenhado quanto eu em dar voz aos que não têm...

Não sabes como gostei de te ler!

Um beijo enorme e, já agora lê a entrada que tenho neste link...

http://osestadosdealma.blogspot.com/2010/01/blog-post.html

Fernanda disse...

Amiga!

Agora sei que temos mais um voz poderosa contra todos, mas todos estes horrores.

Bem hajas pelas tuas acções e palavras.

Beijo enorme.

Vanuza Pantaleão disse...

Amiga querida,
A Lei Islâmica e as leis orientais, em geral, sempre foram cruéis. Cheguei a estudá-las na faculdade. Porém, elas tinham um objetivo, mas no passado, de inibir os roubos, etc e tal. Infelizmente, a mulher, os idosos e crianças ainda são os elos mais fracos da corrente.
Li, certa vez, um artigo sobre uma senhora muito velha que o marido, simplesmente, a abominou, a jogou no olho da rua e a coitada ficava mendigando de porta em porta pela sua sobrevivência, salvo erro, isso se passou na Arábia Saudita. São costumes arcaicos, mas fortemente arraigados até no inconsciente dessas mesmas mulheres.
Sakinah ainda tem os filhos e a todos nós, homens e mulheres conscientes para lutar por ela e, rogo a Deus, de coração, que ela e sua família possam se sair bem dessa armadilha histórica, tristemente histórica.
Quer um ouvir outro exemplo? Assisti um filme da grande diretora indiana Mira Nair que mostra a situação humilhante e absurda das viúvas na Índia.
Por aí vai...
Mas estamos aqui, amiga! Enquanto eu viver e puder fazer a minha pequena parte contra a injustiça e desigualdade nesse mundo, é só chamar-me!
A luta não pode parar!!!Bjsss

Fernanda disse...

Querida Vanuza!

Obrigada por existires e seres este ser cheio de força interior e conceitos belos e humanos.

Estaremos mais juntas ainda, se possível, a partir de agora.

Estou a ler um dos dois livros que a Margarida, a Lolipop, me ofereceu.
de Ayaan Hirsi Ali.
Comecei pelo The Caged Virgin .
Na capa está escrito isto " This is a immensely important book, passionate, challenging, and necessary. It should be read as widely as possible, because it tells the truth - the unvarnished, uncomfortable truth"
Salmon Rushdie

Estou a amar.
Brevemente farei um trabalho sobre o mais relevante.

No segundo livro, Infidel my life. o jornalista Christopher Hitchens, do Sunday Times, escreve:

" Rematkable... Infidel shows that a determined woman can change more history that her own..."

Beijinhos

lu http//:minha-distraçao.blogspot.com/ disse...

Ola Fernanda,
acabei de conhecer seu blogue atravez da Margarida Lolipop.
E assim como milhares de pessoas, estou chocada com essa barbaridade que está acontecendo,tambem já assinei a petição,e coloquei em destaque em meu blogue,é minha pequena forma de colaborar,a maior é a oração pelo amor e perdão entre as pessoas.
Beijo de sua nova seguidora.
Lu

Anónimo disse...

É qdo fico sabendo de tamanha barbaridade,como apedrejamentos no Irã,crianças atravessando campos minados(para limpar)no Iraque e Afeganistão,leis de chibatadas na arabia saudita,humilhações e maus tratos a crianças que são obrigadas a se casarem aos 7 anos de idade em paises mulçumanos,que fico muito triste do Busch não ser mais o presidente dos EUA!!!!!

A. João Soares disse...

A T E N Ç Ã O

O REPETIDO DESAPARECIMENTO DE IMAGENS NOS POSTS DESTA COLABORADORA DEVE-SE, PROVAVELMENTE, A UM «LAPSO» DELA.
Pedimos paciência aos amigos visitantes.

Cumprimentos
João