06/07/2010

A Triste realidade de um mundo desconexado, e sem rumo! (2)




Na continuidade do meu primeiro post A Tiste realidade...1, aqui no Sempre Jovens. Seguem-se estas fotografias, que não deixarão concerteza passar em consciência os alertas antes já aqui deixados.
Os sheiks do Médio Oriente vivem numa constante guerra entre si, não me refiro a nada militar, mas uma guerra de egos, quem constrói o maior prédio, quem tem o maior jato, quem consegue o carro mais exótico. Aliás, nos carros é algo impressionante, a obscenidade actual é um Ferrari F599 GTB Fiorano, banhado a ouro.
Não basta ser Ferrari, tem que ser de ouro!


" Segundo um relatório da FAO (Organização da Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação ).

(...)morrem de fome, anualmente, pelo menos 5 milhões de crianças no mundo, o que dá uma média de um óbito a cada 5 segundos. Ou seja, desde que você começou a ler este parágrafo já morreram duas crianças de fome, pelo menos. Mais de vinte milhões de crianças nascem com o peso abaixo dos padrões mínimos, correndo maior risco de morte durante a infância.
As que sobrevivem, revelam incapacidade física e mental permanentes. Segundo o relatório, depois de ligeira queda na década de noventa, a fome ganhou novo impulso no início deste século. Os dados, relativos aos anos 2000-2002, demonstram que mais de 850 milhões de pessoas passam fome, 18 milhões a mais do que em 1992. “Além do sofrimento humano, que é um escândalo, a fome tem como conseqüência, também, importantes perdas econômicas”, salientou Hartwig de Haen, subdiretor da FAO, reforçando que é “incompreensível” a escassez de esforços da comunidade internacional.
A FAO esclarece que a perda da produtividade equivale a 500 milhões de dólares. “É uma ironia que os recursos necessários para enfrentar o problema da fome sejam poucos em comparação com os benefícios de investi-los nesta causa. Cada dólar investido na luta contra a fome pode se multiplicar por cinco e até por mais de vinte vezes em benefícios”, diz o texto. O fim da fome tem um custo de 30 bilhões de dólares por ano, pouco mais de 1/5 do valor comprometido, até agora, para financiar o Fundo Mundial de Luta contra a aids, a tuberculose e a malária.
Esse valor nem chega a 10% do orçamento militar anual dos EUA, que é de 450 bilhões de dólares, por exemplo.(...)" in Revista Mundo e Missão

5 comentários:

Luis disse...

Querida Amiga Sãozita,
Tudo que possa dizer está devidamente colocado neste texto!
Não há solidariedade o egoísmo feroz persiste no Mundo! Cada um só pensa em si e como ganhar mais! Os Valores e Princípios que nos ensinaram em pequeninos perderam-se nesta loucura em que se vive!!!
Estamos num Manicómio em auto-gestão... É o salve-se quem puder!!!
Um beijinho amigo.

A. João Soares disse...

É realmente um escândalo inqualificável. A Sãozita cita os casos mais chocantes, mas a ostentação, a competição na simulação de riqueza existe a todos os níveis. O consumismo conduz a isso. Nas escolas quem não usar ténis de boa marca sente-se envergonhado. Uma mãe sem muitos recursos queixou-se na TV dos custos do início do ano lectivo e acabou por dizer que tudo faria para que a filha não se sentisse pior do que os ricos. Teria sido melhor se ela dissesse que não se importasse com as marcas e procurasse compensar mostrando melhores classificações do que os filhos dos ricos. No meu tempo do Liceu, 1945-52, assisti a casos contrários ao que hoje se vive e se pensa. O melhor aluno não era dos mais ricos, antes pelo contrário, e era muito considerado por todos.

Portanto, não devemos deixar o olhar fixo nos SHEIKS e devemos procurar modificar os nossos comportamentos, os dos nossos familiares, amigos e vizinhos.
Para melhorar o mundo devemos influenciar à nossa volta. A nossa influência não pode ir muito longe, mas se a fizermos progredir por aí fora, o mundo torne-se melhor.

Beijos
João

Luís Coelho disse...

Estes são os gritos silenciosos.
Meia centena de pessoas esbanja enquanto uns largos milhões passa fome e morre na miséria.
Concordo com o João Soares que diz que este mal começa em nossa casa.
As marcas .... Pais que passam fome ...para que os seus meninos façam figuras de ricos.........

Fernanda disse...

Querida amiga Sãozita!

É amiga, este é o Planeta Terra, não é de outra galáxia de que falas.
Este é o Mundo real dos que cospem diariamente na cara da pobreza, da miséria e da fome de milhões de seres humanos, sem qualquer tipo de escrúpulo, de decência.

Infelizmente amiga, e isto é o que mais me doí constatar, é que esta prática está implantada em todos os países do Mundo, onde há ou não petróleo, diamantes e riquezas incalculáveis.
Há, como sabes, dirigentes e toda a sua corja, que (des)governam os seus países, roubando tudo o que podem, tirando o pão da boca dos famintos e deixando-os apodrecer, aos milhões, sem perderem o sono.

O mais grave é que eles todos se protegem, não há justiça que lhes toque, nem povo que se insurja.
Um povo faminto dificilmente tem condições para encetar uma luta contra os tiranos que os roubam, mas as Organizações e os países internacionais ditos "democráticos" também nada fazem.
Não, vão invadir e matar mais inocentes em nome de patéticas hipóteses de armas químicas de destruição massiva.

Enfim, tanto há para dizer sobre o tema que ficaria aqui horas...

Gostei muito de forma como trouxeste até nós o assunto, como mostraste claramente este contraste absurdo e abismal, e essencialmente a forma como revelas estar atenta aos problemas que nos rodeiam e nos envergonham como seres humanos.

Obrigada.

Na casa do Rau

J.Ferreira disse...

Amiga e agora colega Sãozita!

Peço desde já desculpa por ainda não a ter felicitado por ter integrado esta equipe fantástica.
Seja bem vinda e conte aqui com mais este seu amigo, desde já ao dispor.

Não estranhe se eu não comentar, eu não tenho o hábito de o fazer, como regra.
Esta é a minha forma de estar e de contribuir.

Li atentamente os seus dois trabalhos e gostei muito.
Parabéns.

Beijinho
J.Ferreira