08/01/2011

O essencial merece as nossas energias


Transcrição de texto recebido em imagem +pps da amiga e colega Celle, a quem agradeço as palavras simpáticas.


Tempo Mágico

Contei os meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquela menina que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ela chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.
Não tolero gabarolices.

Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para projetos megalómanos. 
Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos para reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem para eventos de um fim de semana com a proposta de abalar o milênio.

Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões de "confrontação", onde "tiramos fatos a limpo".
Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral.

Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: "as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos".
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...

Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente andar ao lado de Deus. 

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo. 
O essencial faz a vida valer a pena 

Imagem do Google

6 comentários:

Celle disse...

Meu Amigo
obrigada por transcreve-lo.
Como as jabuticabas só frutificam no Brasil, são raras e uma vez só ao ano, como são tão gostosas, tão preciosas e saborosas, é comum degustá-las geladinhas, uma a uma,com calma, bem devagarinho, apreciando seu sabor e sua doçura.
Assim também é...
Caminhar perto de coisas e pessoas especiais, verdadeiras,amigas, e desfrutar desse sentimento de amor absolutamente, sem fraudes, nunca será perda de tempo. É o essencial!
...E o essencial faz a vida valer a pena!
Beijos
Celle

Luis disse...

Meus Bons Amigos,
Belo post pelo seu conteudo que tão arredio anda nas pessoas presentemente. É uma lição de Vida Sã!
Um abraço amigo.

A. João Soares disse...

Amiga Celle, Caro Luís,

São palavras muito sensatas de um idoso, maduro, com a ciência e a sabedoria dos anos vividos atentamente. Já poucos anos de vida estão à nossa frente e é preciso não os desperdiçar com coisas insignificantes, não se perder em labirintos lamacentos como está a acontecer com os nossos candidatos a PR.
Ao essencial deve ser dada a mais alta prioridade, concentrar aí toda a energia. Acabar a vida com o prazer da forma como ela decorreu, deve ser o maior prazer de cada mortal.
Este tem sido o objectivo deste blog que tem regido os nossos posts desde o primeiro momento em que o nosso amigo Fernando Vouga o abriu para apoio ao Clube Virtual de Seniores mas este não teve vida muito brilhante por acanhamento próprio da idade dos componentes.
A VIDA tem que ser, deve ser bam vivida, segundo uma boa escala de valores e princípios éticos. Cá continuaremos para as curvas do percurso.

Abraços
João
Do Miradouro

orvalho do ceu disse...

OI, Sempre Jovens
Passo,com calma,pra desejar-lhe um Novo Ano cheio de paz e prosperidade em todos os sentidos...
Cheguei anteontem de viagem...
As minhas férias foram deliciosas... Junto à família tudo é bom demais!!!
E o essencial, muitas vezes, é invisível aos olhos...
Abraços com gostinho de início de ano.

A. João Soares disse...

Amiga Orvalho do Céu,

«E o essencial, muitas vezes, é invisível aos olhos...» Penso que por regra, o essencial nunca está visível, como provam as atitudes de pessoas que se desgastam com superficialidades sem irem ao cerne dos problemas.
A maior parte das despesas das famílias não são no essencial mas sim em aspectos secundários de ostentação, de competição na moda e no aspecto externo. Medem-se as pessoas pelo que têm e não pelo que são, intelectualmente, moralmente, e nas obras que realizam. Para quem, como a Orvalho, tem uma religiosidade bem estruturada, penso que as minhas palavras são claras.

Beijos
João
Saúde e Alimentação

Fê-blue bird disse...

"Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.
O essencial faz a vida valer a pena"

Meus amigos que mais posso acrescentar se está aqui tudo dito.
Sábio texto.

Beijinhos a todos