04/11/2010

PROGRAMA VERGONHOSO NA TVI!


"Chama-se "Agora é que conta", passa na TVI" e é apresentado por Fátima
Lopes. O programa começa com dezenas de pessoas a agitar uns papéis.
Os papéis são contas por pagar. Reparações em casa, prestações do
carro, contas da electricidade ou de telefone. A maioria dos
concorrentes parece ter, por o que diz, muito pouca folga financeira.

E a simpática Fátima, sempre pronta a ajudar em troca de umas figuras
mais ou menos patéticas para o País poder acompanhar, presta-se a
pagar duzentos ou trezentos euros de dívida. "Nos tempos que correm",
como diz a apresentadora - e "os tempos que correm" quer sempre dizer
crise - , a coisa sabe bem. No entretenimento televisivo, o grotesco é
quase sempre transvestido de boas intenções.

Os concorrentes prestam-se a dar comida à boca a familiares enquanto a
cadeira onde estão sentados agita, rebolam no chão dentro de espumas
enormes ou tentam apanhar bolas de ping-pong no ar. Apesar da
indigência absoluta do programa, nada disto é novo. O que é realmente
novo são as contas por pagar transformadas num concurso "divertido".

Ao ver aquela triste imagem e a forma como as televisões conseguem
transformar a tristeza em entretenimento, não consigo deixar de sentir
que esta é a "beleza" do Capitalismo: tudo se vende, até as pequenas
desgraças quotidianas de quem não consegue comprar o que se vende.
Houve um tempo em que gente corajosa se juntava para lutar por uma
vida melhor e combater quem os queria na miséria. E ainda há muitos
que não desistiram. Mas a televisão conseguiu de uma forma
extraordinariamente eficaz o que os séculos de repressão nem sonharam:
pôr a maioria a entreter-se com a sua própria desgraça. E o canal
ainda ganha uns cobres com isso. Diz-se que esta caixa mudou o Mundo.
Sim: consegue pôr tudo a render. Até as consequências da maior crise
em muitas décadas.

Entretanto a apresentadora recebe 40.000€ por mês. Foi este o valor da
transferência da SIC para a TVI. Uma proposta irrecusável segundo
palavras da própria."

Transcrevo, com a devida vénia à autora, a Drª Cristina Branquinho.

Subscrevo!

8 comentários:

A. João Soares disse...

Não costumo ver Televisão. E ainda bem. Pelos vistos nada perco. Ou se perco uma ou outra coisa com valor esquivo-me à lixeira em que os vários canais se transformaram.

Luís Coelho disse...

Já tive oportunidade de ver um programa destes e na verdade achei-o escandaloso.
Mas não é só este. Fico perplexo com tanta bandalheira na TV. Então aqueles anormais na casa da Júlia são expoente máximo.
Mais não digo....................

Paloma disse...

Aqui também temos estes programas,
na TV,que faturam a custa da des-
graça alheia.Acho isto um horror!!!

AVOGI disse...

40 000 euros por mês? meu deus que absurdo!!! onde andará a crise?
nao no bolso dela mas sim nos nossos
kis .):)

MLeiria disse...

Não sei se deva qualificar o programa (e o resto) de amoral ou de imoral; talvez ambos... ou talvez inqualificável!
LIXO, por certo!

Fê-blue bird disse...

Amigo Luís:
Já falei no meu blogue deste verdadeiro atentado contra a nossa inteligência e moral.
Aliás estou como o amigo João, não vejo televisão, felizmente temos muito mais coisas interessantes com que ocupar o tempo.
Lamento é por aquelas pessoas, que não têm mais nada com que se entreter.

Beijinhos e bom de semana

António Gallobar disse...

Um texto simplesmente fantastico e lucido, uma realidade cruel que ninguem deixa indiferente, excepto algumas pessoas da televisão.

Parabens pelo blog, vou voltar

Lumena Oliveira disse...

O programa é para criar mais analfabetos. Muitos estão por aí. Também não vejo TV!

Agora, parece que andam a brincar com todos nós. Se existe crise deveria ser para todos.
40.000 euros, não é nenhuma brincadeira! Ainda se fosse um programa que valesse a pena ver! Por acaso, eu ainda não o vi, mas pelo que vejo, nem vale a pena abrir esse canal.
É uma completa vergonha!