17/05/2011

E assim caminha a humanidade!


Homem se casa com o cunhado e pede a guarda dos filhos.

Um caso no mínimo inusitado chamou a atenção dos 78 mil habitantes de Cacoal-RO. Um homem de 36 anos separou-se de sua esposa de 23 anos para ‘casar-se’ com o cunhado de 38. Flávio Serapião Birschiner estava casado há dois anos com Ana Paula Rochinha Birschiner.


O casamento parecia um conto de fadas até aparecer o ‘Lobo Mau’. Pedro Rochinha Siqueira, irmão de Ana Paula, e até então melhor amigo e único confidente, hoje é odiado pelas duas famílias.

Pedro Rochinha era conhecido na comunidade de Jardim Clodoaldo como um pastor íntegro e milagreiro. Em seus testemunhos se apresentava como ex-homossexual, e creditava ao espírito santo a reorientação de seu desejo sexual.


Ele que por oito anos se apresentou em boites gays sob o pseudónimo de Shirley Mac Lanche Feliz, depois de convertido virou o Pastor Rochinha. Com fama nacional por muitas vezes compareceu na qualidade de debatedor de temas ligados a ‘Religião & Sexualidade’ no programa Superpop da Rede TV.


Ana Paula acredita que seu casamento se desfez pela constante recusa em praticar sexo anal com o marido. Ela revela que “ele era obcecado por sexo anal, toda vez que transávamos ele pedia para ao menos colocar a ‘cabecinha’. Eu sempre disse não por que acredito que ali não é lugar de entrar nada”.

Ela ainda afirma que confidenciou isso ao irmão que lhe disse: “não deixa mesmo não, além de ser pecado isso é sujo. E se der uma vez ele vai querer sempre”.
Ana Paula acha que seu irmão se valeu desta informação para oferecer ao marido um diferencial competitivo.

Flávio deu entrada na justiça em um pedido de guarda definitiva dos filhos gémeos por acreditar que “é melhor um filho ser criado pelo pai e pelo tio do que por uma mãe solteira”.


PS:

É neste chiqueiro que nos querem fazer viver?

4 comentários:

A. João Soares disse...

Caro Luís,

Nos tempos que correm em que a mudança é uma constante, nada adianta criticar e condenar aqueles que agem de forma diferente da nossa. Cada um usa o seu livre-arbítrio da forma como entender, mas deve procurar respeitar os direitos dos outros, neste caso os das crianças, porque a mulher não mostrou muito respeito pelos desejos do marido, nem ele pelos gostos dela.

No seu livro «Factor J -Jesus em um Novo Olhar», Luiz Santilli Jr defende que cada um deve regular toda a sua vida pelo respeito aos outros. Não faças aos outros o que não queres que te façam. Ninguém tem autoridade, poder, para condenar ninguém.

E quanto ao pastor viciado, o mesmo autor diz que não devemos crer em nada que não mereça aprovação pelo nosso raciocínio, quanto a verosimilhança e credibilidade. Somos responsáveis pelo nosso comportamento e por isso devemos agir por nossa conta e não ir atrás de promessas de políticos ou de padres ou de publicidade.

Este conceito é neste momento muito válido no que se refere às próximas eleições. Cada um deve votar segundo as suas próprias convicções em função dos interesses de Portugal e não por efeito de lindas palavras de um ou outro político.
De belas promessas e lindos discursos estão os portugueses cansados e a viver dramaticamente e sem boas perspectivas para o futuro.
Devemos fazer todo o bem que pudermos, para termos o prazer de contribuir para uma sociedade mais feliz.

Um abraço
João

Luís Coelho disse...

Vidas diferentes.
Como se mudam hábitos, costumes e tradições e os incautos deixam-se apanhar na miragem de serem actuais.

Não sei comentar nada destas vidas nem prever as consequências.

Celle disse...

Luis,
É claro que ética, moral e liberdade devem caminhar lado a lado. Entretanto,a liberdade não deveria ter a conotação que os tempos modernos têm dado. A liberdade na concepção natural,é ser livre. Seja pessoa ou animal. Mas, ser livre, significa, antes de tudo, ter algumas limitações que a própria Lei Natural impõe ao ser humano: seus direitos e deveres. Nossos direitos vão até onde inicia o do outro. Hoje, o termo liberdade tomou significado diferente. O que existe, o que se percebe hoje: é o respeito a si mesmo, a busca de tudo para si próprio, a satisfação dos seus desejos e vontades. Egocentrismo.
Por mais que desejo acompanhar a evolução, há coisas como esta, dificeis de entender!!!
Beijos
Celle

Luis disse...

A todos os meus Bons Amigos,
Agradeço~lhes os vossos comentários que enriquessem o blogue. Realmente hoje em dia cada um só pensa em si e na melhor e mais rápida forma de viver rico e cheio de bens. É o TER na sua pujança...
Saudações amigas e solidárias.