04/10/2010

Reduzir as despesas !!!


Finalmente o Governo começou a reduzir as despesas do Estado !!!

Estes são os novos cavalos da GNR !!!

9 comentários:

Luís Coelho disse...

Essas reduções de despesa serão só para o povo faminto e sem nada.
Eles, os grandes cavalos, continuam a passear-se em grandes carros, topo de gama. Almoços e jantaradas para a rapaziada amiga e toca a gastar o erário público à tripa forra.......

A. João Soares disse...

Caro Luís Coelho,

O seu comentário leva-me a transcrever uma parte de post ontem publicado em Do Miradouro:

. Redução dos deputados da Assembleia da República e seus gabinetes, profissionalizá-los como no estrangeiro.
. Reforma das mordomias na Assembleia da República como, almoços com digestivos a € 1,50.
. Acabar com os milhares de Institutos que não servem para nada e tem funcionários e administradores com 2º ou 3º emprego.
. Acabar com as empresas Municipais, com Administradores de milhares de euros mês e que não servem para nada.
. Redução drástica das Câmaras Municipais, Assembleias, etc.
. Redução drástica das Juntas de Freguesia.
. Acabar com o pagamento de € 200 por presença de cada pessoa nas reuniões das Câmaras e € 75 nas Juntas de Freguesia.
. Acabar com o Financiamento aos Partidos.
. Acabar com a distribuição de carros a Presidentes, Assessores, etc, das Câmaras, Juntas, etc que se deslocam em uso particular pelo País. No estrangeiro isto não acontece.
. Reduzir o número de assessores ao mínimo indispensável e admitidos por concurso público em vez de amiguismo, compadrio e cumplicidades.
. Acabar com os motoristas particulares 20 h/dia.
. Acabar com a renovação sistemática de frotas de carros.
. Colocar chapas de identificação em todos os carros do Estado.
. Acabar com o vaivém semanal dos deputados dos Açores e Madeira e, respectivas estadias em Lisboa em hotéis cinco estrelas.
. Controlar o pessoal da Função Pública que nunca está no local de trabalho e que faz trabalhos nesse tempo, para o Estado.
. Acabar com os milhares de pareceres jurídicos, caríssimos.
. Acabar com as várias reformas por pessoa, do pessoal do Estado.
. Pedir o pagamento dos milhões dos empréstimos dos contribuintes ao BPN e BPP.

Com estas medidas de elevada moralidade, recuperaremos depressa a nossa posição no meio dos países nossos parceiros.
No caso contrário, o povo ficará cansado e poderá vir a desencadear
acções pouco pacíficas de que as maiores vítimas poderão ser os políticos mais conhecidos pela diária aparição no pequeno ecrã.

Um abraço
João
Só imagens

Carmo disse...

Pois amiga Ná faço minhas as palavras do Luís. A crise é o pobre que a paga.

Um beijo e boa semana

Saozita disse...

Caro amigo João Soares, concordo também com o que o Luís diz, o pobre é que paga tudo! Relativamente à sua receita para diminuir a despesa pública, é efectivamente o que deveria fazer o governo. O problema está que cortar nas mordomias que detém, não lhes interessa. Ninguém é bom decisor em causa própria e enquanto não se mexer com as regalias de políticos, administradores públicos, Juízes etc. Tudo estará sereno, quando se mexer com essa gente, "cai o Carmo e a Trindade".

Boa semana.

Bj

Sãozita

A. João Soares disse...

Amiga Sãozita,

Sem dúvida que não há quem os convença a reduzir os seus privilégios e mordomias de todo o género desde os carros aré à impunidade pela justiça.
Essa dificuldade conduzirá ao emprego da força pela população, o que arrastará casos injustos e de violência exagerada.
Veremos o que nos reservam para o futuro. Mas estou seriamente preocupado pelos nossos descendentes.

Beijo
João
Do Miradouro

Ana Martins disse...

Boa tarde João,
atrás deste 3 em 1, outros virão. O povo que se aguente, afinal é o povo que sempre tem vindo a ser fustigado com os erros do governo.
É curioso que em contenções nas reformas e despesas do estado não se ouve falar. As mordomias a que estão a habituados são para continuar.
Já só falta pagar imposto pelas vezes que cada um utiliza o WC por dia.

Beijinhos,
Ana Martins
Ave Sem Asas

A. João Soares disse...

Amia Ana Martins,

Esse imposto parece pouco praticável, mas poderá haver outro: pagar o ar que se respira, que será proporcional à capacidade torácica facilmente mensurável e controlável periodicamente. Se este governo não for substituído, acontecerá em breve, porque o seu objectivo é aumentar as receitas, por qualquer forma.

Beijos
João
Do Miradouro

Ana Martins disse...

Caro João,
tem razão sim, aliás reconheço que fui um pouco mázinha, mas o ar que respiramos, já nós pagamos, basta nascer para já se estar endividado, isto segundo o que dizem os nossos politicos.

Eles fazem as asneiras e cometem as loucuras e nós pagamos as facturas.

Beijinhos,
Ana Martins
Ave Sem Asas

A. João Soares disse...

Amiga Ana Martins.

O imposto de que falou teria lógica no aspecto de defesa do ambiente, mas seria difícil de controlar a aplicação!!! Mas paga-se a água que nesses actos se consome!

É certo que os políticos na ânsia de enriquecerem e com a sua incompetência e ignorância fazem muitas asneiras contra os interesses das pessoas que deviam defender.
Mas costuma dizer que o vigarizado também age como se fosse vigarista! O povo vota neles e por isso não pode queixar-se do seu erro ao escolher gente má. A polícia ensina que não devemos abrir a porta a desconhecidos, mesmo que venham oferecer-nos pechinchas. Ora nós votamos em listas de desconhecidos e alguns são autênticos escroques.
Os candidatos deviam apresentar o seu currículo e atestado de registo criminal.
Sem conhecer cada elemento de uma lista recuso votar nela, mas não deixo de ir às urnas colocar o meu voto em branco.
Pretendo fazer uma escolha consciente, responsável. Não dou o meu voto a deputados profissionais com placa na parede de casa como o de Lamego, nem em famintos como o que foi há dias noticiado, nem em gamadores de gravadores, nem em implicados em processos criminais, etc.

Beijos
João
Do Miradouro