17/10/2010

Jovens com cirrose


Erros de alimentação arrastam problemas de saúde em idades precoces. Os abusos de bebidas alcoólicas e outros vícios destroem vidas em tenra idade. Transcrição do artigo seguinte como alerta para jovens e para quem com eles tem contactos.


Jornal de Notícias. 17-10-2010. Por Natacha Palma

Os especialistas garantem que paradigma da cirrose mudou bastante em Portugal. O que significa que a realidade dos alcoólicos serem pessoas idosas estar cada vez mais a ser substituído pelos casos de cirrose a partir da adolescência.

A doença hepática crónica, mais conhecida por cirrose, afecta 5 a 10% da população portuguesa e é a causa de morte de perto de duas mil pessoas por ano no nosso país.

Segundo Carlos Monteverde, até ontem coordenador do Núcleo de Estudos das Doenças do Fígado da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (essas funções foram agora assumidas por José Presa), é uma doença que começa a afectar pessoas cada vez mais jovens.

"O paradigma da cirrose está a mudar. Antigamente, os alcoólicos eram pessoas idosas, mas hoje assistimos à juventude a começar a beber muito cedo. Muitos, mesmo logo a partir dos 13, 14 anos. Muitas dessas pessoas, talvez 50%, tornam-se alcoólicos crónicos", explicou ao JN Carlos Monteverde, no arranque das IV jornadas do núcleo, que decorreram em Espinho.

"As cirroses começam a aparecer a partir dos quarenta, cinquenta anos, mas, por se tratar de uma doença que surge porque se prepara o terreno para ela, brevemente poderemos começar a ver cirroses em idades mais precoces", continuou.

Sendo irreversível, a determinada altura a única solução para um doente com cirrose é mesmo o transplante de fígado.

"Felizmente, em Portugal, temos das melhores e mais produtivas unidades de transplante da Europa e mesmo do Mundo", afirma o mesmo especialista.

No que respeita às doenças hepáticas, a seguir à cirrose em termos de gravidade, aparecem as hepatites, nomeadamente a hepatite B e a hepatite C.

"As hepatites afectam um elevado número de pessoas. A hepatite C, por exemplo, atinge entre 1,5 % a 2% da população portuguesa. Não existe vacina, mas temos tratamentos que, felizmente, têm uma taxa de cura na ordem dos 60%. Já a hepatite B", continua, "contra a qual conseguimos resultados muito positivos junto dos portugueses com o plano nacional de vacinação, nos preocupa tanto", disse ainda Carlos Monteverde.

Preocupações e números que levam os médicos internistas que dedicam a maior parte do seu tempo às doenças hepáticas a reclamar junto da Ordem dos Médicos pelo título de especialistas em hepatologia, o que já acontece a vários gastroenterologistas.

"A importância das doenças hepáticas é muito grande pela elevada taxa de mortalidade, mas também por levarem um grande número de pessoas a sair da vida activa do país, o que se torna um problema económico para o país. Circunstâncias que levam vários grupos de médicos a dedicarem-se quase exclusivamente às doenças hepáticas", argumentou, por fim, Carlos Monteverde.

Imagem da Net

7 comentários:

Luis disse...

Caro João,
Hoje em dia as crianças já "bebem que nem uns carros" pelo que não é de admirar, infelizmente, o que aqui é apresentado!
Um abraço amigo.

Luís Coelho disse...

É triste verificar que a juventude através dos bares e discotecas se vão viciando cada dia mais.
Se uns bebem, outros lhe seguem o exemplo e depois temos estas desgraças que os destroiem e arruínam.
Pergunto de quem é a culpa...?
Dos pais a quem desautorizaram, dos professores a quem limitam a uma pedagogia de números...????
Mal,muito mal vai um país que se auto-destruí com o alcool.
Políticas de quem não tem moral nem princípios humanos válidos e de rigor.

A. João Soares disse...

Amigos Luís e Luís Coelho,

A Natureza dá aos progenitores a responsabilidade de criar, educar a descendência. Em variados programas televisivos vê-se que na selva, os animais ditos irracionais, cumprem escrupulosamente esse dever e sabem o momento em que devem «dar a chave de casa» aos descendentes, empurrando-os para a vida de adulto, independente.
O ser humano., neste ultimo meio século, degenerou e os exemplos vêm de cima. Um amigo meu, septuagenário, tem a mão com 102 anos, muito lúcida e que quando ele entra em casa depois da meia noite faz-lhe um discreto reparo à sua vida de noctívago. Mas as crianças têm a chave de casa muito cedo e fazem a vida que querem imitando os ligeiramente mais idosos, em tudo o que houver de mais ousado. E depois...

E isto não mudará por decreto, mas sim por uma acção continuada em casa, nas escolas, na vida de sociedade, através de exemplo, de alertas para o raciocínio de cada um.

Abraços
João
Do Miradouro

Ministério disse...

Olá, blogueiro (a),
Salvar vidas por meio da palavra. Isso é possível.
Participe da Campanha Nacional de Doação de Órgãos. Divulgue a importância do ato de doar. Para ser doador de órgãos, basta conversar com sua família e deixar clara a sua vontade. Não é preciso deixar nada por escrito, em nenhum documento.
Acesse www.doevida.com.br e saiba mais.
Para obter material de divulgação, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br
Atenciosamente,
Ministério da Saúde
Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/minsaude

A. João Soares disse...

Este comentário vindo do ministério da Saúde brasileiro coloca em evidência a forçada blogosfera e a consideração de que ela é alvo pelo Governo do País irmão. Está já transcrito em post para ter a visibilidade que merece.
Agradeço esta atenção dispensada a este blogue.

Cumprimentos
João
Do Miradouro

Celle disse...

Boa tarde João
Um post muito bom nos alerta e aos educadores, pais, familiares,e mestres sobre esta triste realidade, que não é privilégio seus, nossos jovens também iniciam muito cedo nas bebidas alcoolicas.
Eis aí o resultado...
Beijos
Celle

A. João Soares disse...

Cara Celle,

A cirrose pode surgir devido a outras causas, mas o álcool pode ser um potenciador. Acontece o mesmo com o tabaco em relação ao cancro do pulmão.
É prudente evitar abusos que possam ser nocivo à saúde, mas a nossa juventude não é devidamente alertada para isso e corre riscos inúteis e nocivos.

Beijos
João
Saúde e Alimentação