24/11/2011

Ponto de vista interessante


Carta de um escritor africano anónimo

Meu irmão branco,
Quando nasci, eu era negro.
Quando cresci, eu era negro.
Quando apanho sol, eu fico negro.
Quando estou com frio, eu fico negro.
Quando estou com medo, eu fico negro.
Quando estou doente, eu fico negro.
Quando eu perco a coragem, eu fico negro.
Quando morrer, eu ficarei negro.
E você, homem branco,
Quando nasceu, era rosa.
Quando cresceu, era branco.
Quando apanha sol, fica vermelho.
Quando tem frio, fica roxo.
Quando está com medo, fica branco.
Quando está doente, fica verde.
Quando perde a coragem, fica amarelo.
Quando morrer, ficará cinzento.
Depois de tudo isto, homem branco, você ainda tem a lata de me chamar homem de côr?

4 comentários:

Bixudipé disse...

rs...
Muito divertido o texto; mas, trás grande reflexão!

Abração,

Rodrigo Davel

Celle disse...

Assunto sério comentado como brincadeira. O que observo, na maioria das vezes, o proprio negro é preconceituoso. Minha secretária é negra e bonita, mas, só namora moço branco. Da sua cor não serve e como ela vários outros casos eu conheço.
U'a mãe, na escola de seu filho, pediu a professora para trocar seu filho de lugar para não conviver diariamente ao lado de uma criança negra. É uma pena que ainda exista os preconceituosos ferrenhos...
Um forte abraço
celle

A. João Soares disse...

Quanto admiro os animais. Os casos que aqui têm passado de cães a brincar com gatos, gatos com coruja, etc. fazem-me ter admiração pela superioridade dos animais.

Abraço
joão

Luis disse...

Meus Bons Amigos,
Não há dúvida que os chamados "irracionais" estão sempre a dar-nos Lições de Vida e o homem sem aprender julgando-se muitas vezes como um ser superior... Que tristeza!
Um Abração muito Amigo e Solidário.