30/11/2015

Quantos anos tenho?




Tenho a idade em que as coisas são vistas com mais calma, mas com o interesse de seguir crescendo. Tenho os anos em que os sonhos começam trocar carinhos com os dedos e as ilusões se transformam em esperança. 
Tenho os anos em que o amor, às vezes, é uma chama louca, ansiosa para se consumir no fogo de uma paixão desejada. E em outras, uma corrente de paz, como um entardecer na praia. 
Quantos anos eu tenho?
Não preciso de números para marcar, pois meus anseios alcançados, as lágrimas que derramei pelo caminho, ao ver meus sonhos destruídos… Valem muito mais que isso. 
Não importa se faço vinte, quarenta ou sessenta! O que importa é a idade que eu sinto. 
Tenho os anos de que preciso para viver livre e sem medos. Para seguir sem medo pelo caminho, pois levo comigo a experiência adquirida e a força de meus anseios.
Quantos anos tenho?
Isso não importa a ninguém! 
Tenho os anos necessários para perder o medo e fazer o que quero e sinto.

 – José Saramago – 

~~ * ~~

7 comentários:

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Um belo texto que acaba de uma maneira maravilhosa, "Tenho os anos necessários para perder o medo e fazer o que quero e sinto".
A fotografia é espectacular.
Um abraço e continuação de uma boa semana.

Celle disse...

texto complementar de assunto de nosso interesse e... muito!!!
Saramago disse muito bem sobre fazer o que podemos sem dar satisfações nem medo!

Crocheteando...momentos! disse...

Um texto fabuloso...adorei! Bj

A. João Soares disse...

A idade madura, apesar das dificuldades físicas e da saúde, deve ser aproveitada para a libertação de medos, do «parece mal», daquilo que os outros possam dizer. Se já não procuramos votos nem prémios de beleza para que nos importamos com as opiniões de terceiros? Não devemos, no entanto, desagradar a uma testemunha permanente, a nossa consciência. Estando bem com ela, o resto que se lixe. Mas tenhamos cuidado em ter essa convenientemente ajustada a boas sentenças.

AC disse...

Faça-se isto ou aquilo, com esta ou aquela crença, o fundamental é que transportemos sempre connosco a dignidade.

Mirtes Stolze. disse...

Boa tarde querida amiga,
Um lindo texto, amiga estava ausente do virtual, a vida off precisou de mim integralmente, saudade de ler os seus lindos poemas e de sua abençoada amizade. Um feliz més de Dezembro. Forte abraço.

Sheyla Xavier disse...

Lindo texto!! Um bálsamo para alma.

Bjokas e boa semana.
http://www.dmulheres.com.br/